Nem os dentes se salvam

O setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (HPPC) é, historicamente, resiliente a crises. Mas na atual, até o creme dental, essencial para o cuidado da sa&uacu

O setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (HPPC) é, historicamente, resiliente a crises. Mas na atual, até o creme dental, essencial para o cuidado da saúde bucal, foi deixado de lado por muitos brasileiros: teve queda de volume de 4,6%. Ainda assim, os fabricantes avaliam que 2016 foi melhor do que no ano anterior. Ou, pelo menos, não foi tão negativo. O setor de HPPC sempre cresceu na casa dos dois dígitos e em 2014 enfrentou a primeira retração em 23 anos. Em 2015, a queda real foi de 8%. No ano passado, o faturamento “ex-factory” (na ponta da fábrica, sem fretes ou impostos) somou R$ 45 bilhões, uma queda real de 6%, menor que nos anos anteriores.

Mas a crise que afeta a indústria de higiene diretamente, com a redução do poder de consumo da população por causa da inflação e do desemprego, também atinge indiretamente, com aumentos de impostos feitos por governos dos principais estados. As alíquotas de ICMS do creme dental subiram de 12% para 27% em Minas e de 12% para 18% no Paraná; sabonete, papel higiênico e outros produtos tiveram impostos majorados de 12% para 18% em ambos os estados; desodorantes, de 17% para 25% em Pernambuco e Sergipe.

O consumidor sentiu a alta nos preços. Categorias ligadas diretamente à saúde, como produtos de higiene oral, por exemplo, perderam posição no ranking mundial de consumo, da terceira para a quarta posição. “Do ponto de vista da saúde do brasileiro, significa dizer que estamos dando um passo para trás”, alerta João Carlos Basilio, presidente executivo da associação do setor (Abihpec). Basilio acredita que, se tudo der certo, haverá “uma breve recuperação ao longo do ano”.

 

Lista cresce

Marcelo Odebrecht completou, em delação premiada, a lista de empresas de mídia que receberam apoio da empreiteira, já aborada pelo patriarca Emílio. Citou Correio Braziliense, Estado de Minas, “todos os jornais da Bahia”. “A gente fazia muito com o Jornal do Brasil, antigamente. A gente fazia o empréstimo e depois gerava crédito em publicidade”, completou. Muitas vezes – ainda que, aparentemente, as empresas não soubessem – via caixa 2.

 

Carapuça

Emílio Odebrecht não deixou de alfinetar a grande mídia, que – pelas delações – fazia parte das relações comerciais da empreiteira. Perguntou por que a imprensa se espanta com as denúncias, já que “tudo isso” (propinas, cartéis etc.) é feito há pelo menos 30 anos.

A Folha de S.Paulo não se conteve: “Não é isso o que se extrai de uma busca nos arquivos. A Folha elenca uma série de reportagens sobre escândalos envolvendo empreiteiras e o poder público, todas publicadas pelo jornal ao longo das últimas três décadas.”

 

Chapa branca

Leitor escreve à coluna para acrescentar que rádios, TVs e jornais semifalidos, ao adotar uma linha pró-governo em troca de irrigação de propaganda oficial, estão escrevendo seus nomes na lista dos corruptos.

 

Cuidado

Rubens Ometto (Cosan), Elie Horn (Cyrela), Cristina Palmaka (SAP), Paulo Camargo (Arcos Dourados), Carlos Sanchez (EMS), Luiz Chacon (SuperBAC), Henrique Braun (Coca-Cola Brasil), João Carlos Martins (Fundação Bachiana) e ACM Neto (prefeito de Salvador) foram os agraciados da edição 2017 do Prêmio Lide 2017, do prefeito paulistano, João Doria Jr.

Devem, como se dizia antigamente, botar as barbas de molho: em 2011, o vencedor foi o empresário Eike Batista (batendo ponto em Bangu 8); em 2012, Marcelo Odebrecht (que deve delatar Joaquim José da Silva Xavier na esperança de deixar a cadeia em Curitiba); e em 2013, foi o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, que passeou uns dias pela prisão.

Em 2016, o agraciado foi Michel Temer.

 

Rápidas

A Associação Comercial do Rio (ACRio) organiza a Missão Empresarial do Rio de Janeiro à Florida, de 21 a 26 de maio. Inscrições: www.beconnex.net/BeCONNEX/Inscricao.html *** A Reforma da Previdência será tema de palestras nesta sexta-feira na sede do Conselho Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro (Rua Primeiro de Março, 33 – Térreo), a partir de 13h30 *** O iFood tem mais de 60 oportunidades de emprego. Detalhes na aba de Carreiras no site da empresa e na página do Linkedin *** O Centro de Excelência em Varejo (GVcev) da (FGV EAESP) realizará nesta quarta-feira, a partir das 8h30, seminário sobre tendências e temas apresentados durante a Euroshop 2017. Inscrições: www.fgv.br/cev *** Também na quarta, tem happy hour no Carioca Shopping com show do cantor Eduardo Proença *** Começa no próximo dia 27, em Manaus (AM), uma série de dez eventos realizados pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), para informar gestores e a sociedade sobre a importância da comunicação entre os entes federados e a população beneficiada pelos serviços públicos. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site do CFC (www.cfc.org.br/eventos).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.