Nem os velhinhos!

A obsessão do ministro Palocci pela produção de superávit primário (economia para pagar juros) já produz situações que beiram o tragicômico. O Ministério da Fazenda está ameaçando suspender o pagamento de aposentadorias de funcionários com problemas em dados cadastrais. O que poderia se revelar preocupação sadia, porém, parece esconder fanatismo fiscal. Uma aposentada de 74 anos, por exemplo, foi ameaçada de não receber o pagamento de fevereiro, por, supostamente estar em situação eleitoral irregular.  Como a Constituição torna facultativo o voto depois de 70 anos, a exigência é ilegal. Detalhe: a servidora votou nas últimas eleições e – ironia – no presidente Lula.

Subsídios
O ex-diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP) David Zylberztajn passou a se dedicar ao ciclismo e agora somente trabalha de bicicleta. Pelo menos é o que se deduz dos seus repetidos pedidos por novos aumentos para os preços da gasolina, sob a alegação de proprietários de carros são privilegiados. Descontada a fobia à classe média que não conta com outros tipos de benefício$ fora os próprios salários, não é difícil perceber que, num país de hegemonia da malha rodoviária, aumentos de combustíveis são sinônimos de alta de preços de transportes, alimentos etc. Além disso, fica complicado entender por quê impor todo esse sacrifício ao país somente para beneficiar empresas estrangeiras em sua incapacidade de concorrer com os preços da Petrobras.

Frete
O reflexo do aumento dos combustíveis está no reajuste dos fretes, que subiram em média 17,85%. Segundo a Associação Nacional do Transporte de Cargas (NTC), as empresas do segmento justificam o reajuste com o excessivo aumento de custos verificados a partir de novembro do ano passado. O óleo diesel acumula alta de 43,15%. Além da variação do dos preços do diesel, os estudos da entidade identificam reajustes acumulados de 30,8% (serviços de recapagem), 25,75% (furgões), 15,08% (pneus), 15,3% (óleo de câmbio), 14,62% (câmaras), 13,17% (terceiro eixo), 10,65% (veículos), 10,13% (seguros), 8,26% (rodoar) e 6,93 (protetores). Apenas o aumento do custo variável do veículo, no período, chega a 24,35%.

Vantagens
Enquanto se discute os riscos dos transgênicos e sua liberação no Brasil, pesquisadores continuam atrás de novidades: o geneticista Paulo Barroso, pesquisador da Embrapa Algodão, de Campina Grande (PB), informa que o algodão transgênico pode ser resistente ao bicudo, além das demais pragas já combatidas; colorido, de cor azul, para substituir a poluente prática de tingimento da fibra da qual é feita o jeans; produzir fibra com propriedades isotérmicas e muito mais maleáveis, possibilitando criar tecidos à prova de frio ou calor e com menor propensão ao ser amarrotado. Mais detalhes em www.cottonnews.com.br

Euro x dólar
Mesmo sem ser o foco das atenções no caso da guerra contra o Iraque, a discussão sobre adoção do euro está em um número cada vez maior de artigos na imprensa “nanica” dos EUA e corre o mundo via Internet. A tese é que o maior pesadelo do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) é que a Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) abandone o padrão dólar e adote o padrão euro nas transações internacionais. O Iraque teria efetuado esta mudança em novembro de 2000 (quando o euro valia cerca de US$ 0,80 e assim embolsou um lucrinho). Bush estaria buscando com sua guerra, então, entre outros interesses, enfiar o dólar goela abaixo do Iraque.
Armamento
Nunca é demais lembrar quais são as duas principais indústrias dos Estados Unidos: a bélica (dispensa comentários) e a gráfica (máquina de rodar papéis verdes e capaz de fazer todo mundo pensar que aquilo tem valor).

Além do lucro
O programa “Brasil Sustentável”, que será exibido em rede nacional pela TV Cultura a partir do próximo dia 9, vai divulgar ações empreendidas por empresas na área social. Uma realização do Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), o “Brasil Sustentável” quer mostrar que está cada vez mais distante o tempo em que o empresário preocupava-se, única e exclusivamente, com seus acionistas. “Hoje, ele tem consciência de que a permanência de seus negócios no mercado está intimamente ligada à imagem de sua empresa perante a sociedade”, defende o presidente executivo do Cebds Fernando Almeida.
O primeiro programa trará uma reportagem sobre o projeto Complexo da Maré, produto de parceria entre Petrobras, Prefeitura do Rio e uma ONG local. Com atividades esportivas, sociais e culturais, o projeto atende a 10.500 pessoas, a maioria crianças e adolescentes.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNo ritmo
Próximo artigoFardo

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...