Neoliberalismo de Macri levou Argentina a pior pobreza em 10 anos

Percentual de pobres passou de 27% para 37% no período do governo do ex-presidente.

A Argentina mergulhou na maior pobreza da década durante o governo do presidente Mauricio Macri, como demonstra o levantamento “Pobreza além da renda. Relatório sobre pobreza multidimensional 2010-2019”, publicado pelo Observatório da Dívida Social da Universidade Católica daquele país (UCA).

Desde 2010 a pobreza é um problema estrutural na Argentina, não caindo abaixo de 15% nesse período. Mas, segundo o relatório, a partir de 2016 as taxas de pobreza pioraram. Macri foi presidente da Argentina entre 2015 e 2019, não conseguindo se reeleger. Ele perdeu a disputa para o peronista Alberto Fernández, que tem como vice a ex-presidente Cristina Kirchner.

O estudo revela que cerca de 33,5% dos argentinos têm problemas com o acesso à água potável e outros serviços básicos. Outro dado é que 32,3% da população (17 milhões de pessoas) sofria de insegurança alimentar e problemas no acesso a cuidados médicos ou medicamentos.

O relatório da Universidade Católica Argentina mostra que 28% das famílias estão em ambientes contaminados, 12,5% têm problemas para acessar a educação e um terço não é afiliada à seguridade social.

A pobreza multidimensional subiu 10 pontos nos últimos quatro anos, passando de 27,2% da população em 2015 para 37,5% no terceiro trimestre de 2019, afetando 15,8 milhões de pessoas.

Pobreza multidimensional refere-se a pessoas pobres por renda e ao mesmo tempo terem pelo menos uma privação não monetária, relacionada a déficits em alimentos, serviços básicos, moradia decente, meio ambiente, educação ou emprego.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

China: comércio exterior ultrapassa US$ 6 tri

Aumento de US$ 1,4 trilhão em relação ao ano anterior.

Balança comercial teve o maior superávit da série histórica

Já exportações do agro paulista aumentam 9,5% em 2021.

Economia do Brasil será a 3ª pior do mundo em 2022

ONU: é hora de reduzir a desigualdade.

Últimas Notícias

Empresa brasileira de produtos médico-hospitalares cresce 20% em 2021

Faturamento foi de R$ 28 milhões.

Brasileiro buscou mais crédito para compra de veículo

Veículos pesados e motos se destacam

Varejo, petrolíferas e bancos puxam Ibovespa

Siderúrgicas e Vale ficam na contramão do mercado

Uso de cheque cai ladeira abaixo

Avanço tecnológico mudou hábito arraigado da clientela

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.