Neorrábulas

Com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a não obrigatoriedade do diploma de Jornalismo para o exercício da profissão, surge no mercado uma figura similar ao antigo rábula, pessoa que exercia o Direito sem formação específica. De acordo com a OAB, o primeiro curso de Direito foi fundado no Brasil em 1827, mas a regulamentação, exigindo a obrigatoridade do bacharelado na área só veio em 1931. Condição similar existiu anteriormente à regulamentação do curso de Odontologia (em que havia a figura do prático, “dentista” que aprendeu a profissão sem formação superior) e de Contabilidade (em que havia o guarda-livros, espécie de contador sem curso superior). Como será que os ministros do STF pretender chamar os jornalistas sem diploma?

Professor Mendes
A preocupações expostas pelo ministro das Comunicações, Hélio Costa, sobre a necessidade de o jornalista ter formação específica e sobre o Supremo Tribunal Federal (STF) legislar sobre matérias que são do campo do Congresso Nacional parecem ter incomodado o loquaz presidente do STF, Gilmar Mendes. Antes mesmo de ser provocado como juiz, Mendes já arvorou-se em garantir que o registro profissional de jornalista no Ministério do Trabalho “não terá nenhuma força jurídica” e insurgiu-se contra a possibilidade, proposta por Costa, de nova regulamentação elaborada pelo Congresso Nacional.

Pipidog
O total de animais de estimação no Brasil já atinge 29,7 milhões de cães e 14 milhões de gatos, gerando faturamento de US$ 3,3 bilhões anuais. Os números fazem do Brasil o segundo maior mercado do mundo, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Pequenos Animais (Anfal Pet). O crescimento do número de animais domésticos tem levado estabelecimentos como shopping centers, lojas, restaurantes, bares, hotéis, resorts e pousadas a investirem em áreas especiais para receber e cuidar dos bichos enquanto seus donos gastam dinheiro no comércio. A Petmais, por exemplo, desenvolveu o primeiro banheiro público para cães do país.

À vista
A maioria dos 5.186 empresas ou empreendedores no Complexo do Alemão, conjunto de favelas na Zona Norte do Rio de Janeiro, paga aos seus fornecedores à vista (67,4%). Também a grande maioria dos clientes (88,8%) adota a mesma forma de pagamento. Destes, 97,2% o fazem em dinheiro. Seis em cada dez empresários informais avaliam seu negócio como estável e 23,5% dizem que está crescendo. Levantamento similar foi feito no Complexo de Manguinhos e está sendo concluído na Rocinha.

Fim da febre?
Segundo o Portal Imprensa Online, o Twitter parou de crescer após meses de aumento vertiginoso no número de usuários do serviço. Os dados são da comScore e mostram que o microblog teve 17,6 milhões de visitas em maio, percentual que excede apenas em 3,5% o índice registrado em abril.

“Swap”
Embora ainda na estratosfera se comparada ao juros do restante do mundo, a taxa básica de juros (Selic) a 9,25% ao ano provoca rearranjos nas políticas de investimentos dos fundos de pensão. Responsável pela administração de quatro fundos de previdência fechada com políticas de investimentos distintas, a Fundação Eletrobrás de Seguridade Social (Eletros), por exemplo, passou a apostar nos títulos de longo prazo e renda variável como rendimentos com perspectivas de excelente retorno no médio prazo.

Novas metas
A Eletros também reduziu a meta atuarial dos planos de INPC mais 6% para INPC mais 5,5%. A fundação não descarta novas reduções na meta atuarial, mas não diz não existir previsão para que isso ocorra. Atualmente, os planos de Contribuição Definida (CD) e os de Benefício Definido (BD) destinam um percentual à renda variável em torno de 18% e 5%, respectivamente. “Semanalmente, os membros do comitê de investimento se reúnem para decidir todas as operações com base na expectativa de retorno e no risco de cada um dos segmentos. Por enquanto, nossa intenção é manter a política de investimento prevista para o ano que prevê retorno médio real entre 9% e 11%, de acordo com cada plano de benefício. Além disso, deveremos diversificar ainda mais o portfólio, elevando os investimentos em títulos de longo prazo e, eventualmente, em renda variável”, anuncia Marco Aurélio Orrego, presidente da Eletros.

Artigo anteriorVítimas
Próximo artigoControle
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Objetos do Coração ajuda o Pró Criança Cardíaca

E-commerce que vende objetos para casa e decoração exclusivamente em formato ou com estampa de coração vai doar 10% da venda de produtos selecionados...

Empresa Fácil oferece estudo de viabilidade a novos empreendedores  

Sistema permite a emissão do Alvará Provisório em 24h.

Fatores comportamentais podem influenciar nos acidentes de trabalho

Psicóloga e uma assistente social e também técnica de segurança do trabalho criaram o jogo Conversa Segura.

Reclamações sobre serviços de telecom caem 28,4% em maio

O número de reclamações de usuários dos serviços de telecomunicações caiu 28,4% em maio de 2021 na comparação com maio do ano passado, segundo...

EMS explica faturamento com o ‘kit Covid’

farmacêutica brasileira EMS informou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que faturou R$ 142 milhões com medicamentos do kit Covid-19 em 2020,...