Neve no Rio

O vereador carioca Ricardo Maranhão (PSB), que visitou ontem a sede do MONITOR MERCANTIL, se lembrou de um fato ocorrido no início da implantação da Petrobras para dar um exemplo da diferença entre importar tecnologia e desenvolvê-la internamente. Ex-presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), Maranhão recorda que na década de 50 o Brasil importava dos Estados Unidos, entre dezenas de outros equipamentos, tanques para armazenar petróleo. Examinando os tanques, engenheiros da recém-criada estatal avaliaram que eles levavam perfis internos – espécies de colunas de sustentação do teto – muito robustos, acima do necessário para aguentar o peso do aço da cobertura. Ao questionar a empresa norte-americana fabricante do produto, os engenheiros receberam como resposta que era para suportar o peso da neve em cima do teto. Ninguém se espante se fatos semelhantes já estiverem se repetindo nas telecomunicações, setor de eletricidade etc. Em tempo: há muitos anos a Petrobras já produz tanques aqui.

Painel controlado
O presidente da CUT Rio, Antônio Carlos Carvalho, defende a instauração de uma CPI ampla que investigue todas as votações no Senado, em decorrência das investigações que apontam a violação do sigilo do painel eletrônico, no caso da cassação do ex-senador Luiz Estevão. Os acusados são os senadores Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (PSDB-DF), este líder do governo. Segundo Carvalho, é urgente que se investigue a extensão da quebra de sigilo do painel: “A violação do painel eletrônico pode ter acontecido outras vezes, servindo para que o governo soubesse a posição de cada parlamentar para agir conforme os seus interesses em votações importantes de interesse nacional, como as que possibilitaram entrega do patrimônio nacional ao exterior”, frisou.

Napoleão
O ministro da Economia da Argentina, Domingo Cavallo, em sua passagem por São Paulo, disse que a cesta de moedas vai tornar o peso argentino “uma moeda melhor que o dólar e melhor que o euro”. Esqueceu de dizer que o vinho da Argentino é melhor que o francês, que os relógios lá produzidos são mais precisos que os suíços e que os neoliberais portenhos são mais autênticos que os de Harvard.

Lado
O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, David Zylbersztajn, deu provas ontem – se é que mais provas ainda fossem necessárias – de sua disposição na relação com as multinacionais do petróleo. Ao comentar a resistência que a Petrobras mostrou ao defender o interesse brasileiro na disputa com a BG na utilização do gasoduto Brasil-Bolívia – decidia pela ANP em favor da empresa britânica -, o genro de FH se abriu: “Eles vêem o lado deles e nós vemos o nosso”.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCobrança
Próximo artigoDebandada

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.