34.6 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

“No people”

As razões do cancelamento do comício que o presidente Barack Obama intentava fazer na histórica Cinelândia podem ser resumidas em duas palavras: no people. No entanto, a imprensa subserviente ao império estadunidense, ao resistir à idéia de que os brasileiros não compartilham da mesma excitação que lhe provoca a visita de Obama, recorreu a piruetas de estilo para tentar dourar a notícia, como um “jornalão”, que sapecou o seguinte título no rodapé da primeira página: “Obama fará discurso fechado”. Hermético, no caso, não é a fala do presidente dos Estados Unidos, mas a forma constrangida de anunciar a ausência de interesse do público.

Mistura não acidental
Somente ignorância ou oportunismo para uma pessoa dizer, num momento de risco de explosão no reator nuclear no Japão, que o Brasil já viveu acidente envolvendo radioatividade. Como o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) não se encaixa na primeira opção, é o caso de se pensar sobre o que pretende ao citar o acidente com Césio-137, em 1987, em Goiânia, juntando-o no mesmo bolo ao desastre em Three Mile Island, nos EUA. O problema em Goiás ocorreu numa cápsula que continha Césio-137 usada para radioterapia, igual a centenas por todo o Brasil. Ou será que Gabeira está propondo banir o uso de isótopos radioativos também na medicina?

Risco
A Agência Nacional de Petróleo (ANP) inicia consulta pública para novos contratos de concessão e exploração. Já o contrato de partilha está no Congresso para ser votado novamente. E agora, oficialmente, sabe-se que um dos pontos na pauta de conversações entre Barack Obama e Dilma Roussef é a venda antecipada de petróleo do pré-sal. Esse quadro levou o Clube de Engenharia a enviar carta à presidente, advertindo-a que o ritmo de extração de petróleo que querem impor ao Brasil contraria os interesses nacionais, provocando desnacionalização do setor e dificuldades para o desenvolvimento de tecnologia própria.
O Clube adverte que o Brasil começa a ser submetido a forte pressão dos países que estão a caminho de ter suas reservas esgotadas, como é o caso dos EUA, que, em 2015, deve iniciar a fase de declínio da produção de petróleo.
Para o Clube de Engenharia, ao alterar-se o marco regulatório do petróleo, estabeleceu-se o compromisso da produção ser feita em sintonia com a expansão industrial, e capitalizou-se a Petrobras, dando-lhe papel “preponderante de operadora única nas atividades de exploração e produção do pré-sal”. Para o Clube, toda essa situação estratégica e operacional estão em risco.

TI em Macaé
Na próxima terça, a demanda em TI de Macaé – a caminho de ser a Houston brasileira – estará em debate no Hotel Blue Tree Towers. O Macaé Day vai apresentar soluções que possam colaborar no desenvolvimento local, na qualificação do cidadão e no apoio a indústria do petróleo, em painéis como “Produtos e Soluções para Indústria de Petróleo & Gás”, com a participação da gigante nacional Totvs.

Para além do preto e branco
Para o diretor do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro Emanuel Cancella, ao limitar a descrição de Muamar Kadafi a alguém que está há 42 anos no poder sem eleições, o cartel que controla a mídia global, além de empobrecer a informação, dificulta uma compreensão mais ampla das razões que levam o presidente líbio a retomar, com forte apoio popular, o controle da maior parte dos territórios tomados por opositores: “A Líbia detém o maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do continente africano e a maior renda per capita da região. Como se não bastasse, a saúde e a educação são oferecidas gratuitamente ao povo. É o dinheiro do petróleo aplicado em beneficio da população, já que a Líbia está entre os países detentores das maiores reservas de petróleo e também é um dos grandes exportadores de hidrocarboneto do mundo”, observa Cancella, em artigo na da Agência Petroleira de Notícias.

Explosão dos palpiteiros
A proliferação de especialistas em assuntos nucleares que pululam no noticiário desses dias só fica a dever a duas categorias: a dos jornalistas ingênuos e/ou acríticos que ouvem a grande maioria dessas fontes e a dos leigos sem qualquer massa crítica para processar as “explicações” e explicações dos entendidos.

Artigo anteriorInquietação
Próximo artigoBênção
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.