Noruega comunica que controlou a Covid-19

Com boas notícias também na Itália e na Espanha, bolsas só não subiram mais por causa do ‘Pearl Harbor’ nos EUA.

Acredite se Puder / 18:05 - 6 de abr de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O surto de Covid-19 está controlado na Noruega. Nesta segunda-feira Bent Hale, ministro da Saúde, revelou que a meta era alcançar taxa de transmissão de um, mas conseguiram baixá-la para 0,7, o que significa que cada infectado contamina, em média, 0,7 pessoa, e é inferior à das epidemias que foram extintas. A Noruega impôs apenas algumas restrições e não um confinamento rigoroso como outros países e, desde o início do surto, registrou 5.760 casos, 74 mortes e 32 doentes dados como curados. Nas últimas 24 horas, o país contabilizou 73 novos casos e três óbitos, e ainda e existem 5.654 casos ativos, dos quais 83 são considerados graves ou críticos.

Além disso, a Espanha e a Itália comunicaram que as infecções e mortes pelo coronavírus desaceleraram no fim de semana, morrendo 525 italianos, o menor número diário de óbitos desde 19 de março, quando a epidemia explodiu na Lombardia, e os espanhóis viram pelo terceiro dia consecutivo a queda no número dos seus mortos. A alegria só não foi total por causa das declarações de Jerome Adams, diretor do Serviço de Saúde Pública dos EUA, de que esta será uma semana de horror com explosão no número de casos, “o nosso momento Pearl Harbor, será nosso momento 11 de Setembro, o momento mais difícil para muitos americanos em toda a sua vida”.

As bolsas europeias e a norte-americana explodiram em euforia. Na brasileira, o Ibovespa chegou a subir mais de 7%, mas terminou em alta de 6,52% com o índice em 74.073,65 pontos.

 

Analistas do Bradesco aplaudem CMN

O CMN vedou temporariamente a distribuição de juros de capital e dividendos, além do aumento da remuneração dos administradores das instituições financeiras. Para os analistas do Bradesco BBI, a decisão do regulador vem alinhada com os recentes desenvolvimentos em outros países, com medidas na mesma direção do Banco Central Europeu e do Banco da Inglaterra. Além disso, apesar de ter a restrição no Brasil definida por um curto período de tempo (seis meses), acreditam que os bancos de grande capitalização devam manter a distribuição de dividendos e juros sobre capital próprio no nível mínimo durante todo o ano (25% para o Santander Brasil, 25% para o Itaú, 29% para o Banco do Brasil e 30% para o Bradesco). Para o Itaú, a principal opção deles no setor bancário, o menor percentual de pagamento deve se traduzir em um dividend yield de cerca de 2% para este ano. Embora achem extremamente desafiador, veem os bancos do setor privado bem preparados para enfrentar esse cenário novo e difícil que está se desenvolvendo.

As ações do Bradesco e do Itaú subiram mais de 10%;

 

Bancos reduzem preço-alvo da Gerdau

A Gerdau anunciou várias medidas para reduzir a produção no Brasil e nos Estados Unidos, por causa dos impactos econômicos do vírus. Os departamentos de análises dos bancos Morgan Stanley e Bradesco BBI, que esperam uma queda nas vendas da siderúrgica neste ano, consideraram que as interrupções de produção vão preservar o caixa e evitar o crescimento dos estoques. O Morgan Stanley manteve a recomendação de exposição acima da média, mas cortou o preço-alvo da ação de R$ 12,50 a R$ 12. Os do Bradesco BBI mantiveram a recomendação neutra, mas baixaram o preço-alvo para R$ 10.

 

Fitch rebaixa a Guararapes

A Fitch rebaixou a nota da Guararapes, controladora da Lojas Riachuelo, por causa do coronavírus, de AA- para A+ no grau de investimento. Para a agência classificadora de riscos, os negócios da varejista apresentam maior vulnerabilidade à queima de caixa, considerando que a perspectiva negativa da empresa contempla o maior risco de rebaixamento da curto prazo, caso os danos aos fluxos de caixa sejam superiores aos previstos ou a liquidez se enfraqueça. A Fitch teme que a relação dívida líquida sobre o Ebitda da Guararapes se posicione acima de 4,5 vezes em 2021.

 

Adiamento de reunião afeta petróleo

A reunião da Opep estava marcada para esta segunda-feira, mas foi transferida para 9 de abril. Então, apesar da expectativa da já acertada diminuição de 10 milhões de barris diários, o adiamento mais uma vez desanimou os investidores e, em Londres, a cotação do barril do Brent chegou a registrar queda de 11% depois reduzida para 5,57%, e o preço subiu para US$ 32,21. Em Nova York, o West Texas Intermediate recuava 6,95% para US$ 26,37.

Como as empresas norte-americanas de shale oil estão penalizadas pelos baixos preços – uma já pediu proteção contra credores – os Estados Unidos deverão participar nesta reunião, numa espécie de Opep++, pois todos os produtores foram convidados a se juntar aos 14 que já se uniram aos dez membros do cartel desde janeiro de 2017. Tudo indica que Reino Unido, México e Canadá participarão deste encontro.

 

Morgan espera alta de 100% para Braskem

O Morgan Stanley considerou fracos, mas em linha com o esperado, os resultados da Braskem e prevê preço-alvo de R$ 35 para a ação neste ano. Depois da alta de 6%, a ação oscila na faixa dos R$ 16.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor