Nota vermelha

Apesar de elogiar a posição do governo na Alca e OMC e a proposta de programa conjunto de desenvolvimento no Mercosul, o XX Simpósio Nacional dos Conselhos de Economia (Since), realizado em Belém na última semana, reprovou a atual política econômica. “É lícito afirmar que taxa de crescimento em torno de 4%, mesmo que permanente, é insatisfatória. Deve-se considerar insuficiente qualquer crescimento a taxa inferior a 7%, que o Brasil já obteve no passado”, alertam os economistas. “A simples absorção da mão-de-obra nova que se apresenta anualmente ao mercado exige incremento anual do PIB de 5% a 7%.”

Mesmo rumo
“A estratégia econômica em curso no país não difere, significativamente, da que nos condenou a 25 anos de lento crescimento. Deveríamos valorizar a exportação de produtos com mercado mundial dinâmico, o que implicaria em conceder papel dominante à empresa privada nacional nessa política”, defendem os economistas que participaram do XX Simpósio Nacional.

Médicos na tela
Obras raríssimas de pintores como Cândido Portinari (que retrataram médicos entre 1870 e 1970), que fazem parte dos acervos da Academia Nacional de Medicina e da UFRJ, foram restaurados pela Escola Superior de Belas Artes da universidade e poderão ser vistas pelo público a partir desta sexta-feira. A exposição, com 140 quadros, patrocinada pela Casa de Saúde Santa Lucia, marca os 175 anos da Academia Nacional de Medicina.

Dependência
Existem 500 jornais diários no Brasil, cuja tiragem soma apenas 6 milhões de exemplares. Os dados foram apresentados pelo presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Fernando Rodrigues, durante debate, ontem, na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sobre o Conselho Federal de Jornalismo (CFJ). Rodrigues citou os dados para argumentar que, tão importante quanto o debate sobre a profissão, é discutir a realidade do mercado de trabalho: “Quantos desses órgãos podem competir em liberdade total, se a maioria depende da mídia governamental?”

Quebra coco
Será lançado, hoje, às 19h, no Museu da República, no Rio, o documentário Roça crua – as roças orgânicas das quebradeiras de coco do Maranhão. Dirigido por May Waddington, o vídeo narra, em 30 minutos, como o desenvolvimento do movimento daquelas trabalhadoras “ajuda a curar as feridas da terra, destruída por décadas de atividade pecuária irracional”. “Além de conquistarem o direito à terra e à libertação do coco de babaçu, as mulheres quebradeiras resolvem recuperar o solo estragado implementando o projeto das roças orgânicas, nos qual não se utiliza veneno nem fogo. Desta forma, demonstram a outros agricultores familiares e aos grandes fazendeiros da região que é possível tirar o sustento da terra sem comprometer o futuro das novas gerações”, conta May, que participa de debate, após a exibição, ao lado de Raimundo Ermino, do Movimento das Quebradeiras; José Augusto Pádua, do IFHCS; e Paulo Petersen, da revista Agriculturas – Experiências em Agroecologia.

Microinvestimento
Apresentado pelo senso comum como campeão de investimentos e geração de empregos no mundo contemporâneo, o setor de telecomunicações no Brasil convive com investimentos modestos. Segundo o Levantamento de Pequenas e Médias Empresas da América Latina de 2004 do Yankee Group, cerca de 60% das pequenas e médias empresas brasileiras do setor têm orçamento de até US$ 30 mil. O levantamento considerou como pequenas as empresas que empregam de 20 a 99 funcionários e médias, as com 100 a 499 funcionários. O segmento de voz continua a ser o que mais pressiona os custos de telecomunicações das pequenas e médias empresas.

República dos bancos?
O ministro José Dirceu tem razão: que democracia é esta em que o único preço que não pode ser debatido à luz do dia é o do dinheiro (juros)?

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDoping
Próximo artigoPelegos

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...