Notícia pessimista por parte da Moderna assusta os mercados

Por Matheus Jaconeli.

Os mercados europeus fecharam em recuperação nesta segunda-feira. As notícias mais amenas em torno da nova variante da Covid-19, denominada como ômicron, de que ela pode não ser tão perigosa, fizeram com que os mercados recuperassem parte das perdas de sexta-feira.

Devido à melhora do cenário quanto à nova variante da Covid-19, as bolsas americanas fecharam em alta. As farmacêuticas informaram que já estão trabalhando em uma solução caso as vacinas atuais não tenham efeito contra as novas variantes e, mesmo com o avanço da ômicron, Joe Biden informou que não vê necessidade de lockdown.

No Brasil, o mercado seguiu os avanços do exterior em um dia de risk-on. O avanço das commodities também foi um fator que contribuiu para o avanço do principal índice da B3. Quanto à agenda econômica, o IGP-M registrou desaceleração em relação ao período imediatamente anterior, tendo avanço de 0,02%. Os dados fiscais também foram positivos, com o governo central atingindo superávit de $28,2 bi, superando as expectativas.

Nesta terça-feira, os receios em relação à variante sul-africana, a ômicron, voltam a assustar o mercado. Os temores ocorrem após a Moderna colocar em dúvida as vacinas oficiais contra a nova versão do vírus. Internamente, os dados do PMI da China foram melhores do que o esperado, principalmente para a indústria.

Com a aversão ao risco, o minério cotado em Singapura e em Qingdao fechou em queda, de 1,21% e 0,85%, respectivamente.

Na Europa, o desempenho não é diferente do que o que ocorreu mais cedo no oriente. O continente, que passa por um momento delicado em relação ao avanço da Covid-19, tem seus principais índices em queda com a possibilidade da pouca eficácia dos imunizantes existentes contra a uma nova variante. Sobre os dados internos, a inflação da Zona do Euro avança e os dados de emprego na Alemanha ficam estáveis.

Os futuros americanos também operam em queda, basicamente pelo mesmo motivo observado na Europa e Ásia. Na agenda econômica, destacam-se os pronunciamentos de formuladores de política monetária, em especial de Jerome Powell.

No Brasil, a bolsa deve sofrer os efeitos do mercado externo. No entanto, a melhora nas expectativas, com a tramitação da PEC dos Precatórios, pode amortecer um pouco o impacto negativo em dia de sell-on.

Tesouro oferta NTN-Bs para 2026, 2030 e 2055 nesta terça-feira, após, na semana passada, ter reduzido o volume de papéis indexados à inflação e ter também colocado menos papeis prefixados.

Quanto aos dados econômicos, destacam-se dados fiscais divulgados pelo Bacen.

Matheus Jaconeli é economista da Nova Futura Investimentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Desemprego cai em 22 das 27 unidades da federação

Tocantins teve maior recuo no segundo trimestre do ano.

TCU encontra brechas na segurança de informação federal

Equipamentos pessoais constituem risco de entrada para ataques.

Vendas do setor de cerâmica caem 14%

No primeiro semestre de 2022, o volume de vendas de revestimentos cerâmicos no mercado interno caiu 14% na comparação com igual período de 2021,...

Últimas Notícias

Como automatizar os processos e humanizar o atendimento

Por Manoel Valle.

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...