Nova fase

Muita gente pode se surpreender com o próximo relatório do Banco Mundial, que deverá ser divulgado em setembro. Há quem garanta que o Bird vai mudar sua visão sobre a presença do Estado na economia. A era do Estado mínimo parece estar sendo enterrada junto com o fracasso nas urnas dos governos neoliberais.

Risco
Instituição financeira norte-americana está oferecendo títulos emitidos por uma rede de TV brasileira, com deságio superior a 50% e juros de 12% ao ano – em dólar. Um brasileiro, contatado, achou o negócio altamente lucrativo, mas extremamente arriscado.

Precaução
O ministro do Planejamento Orçamento e Gestão, Martus Tavares, tomou posse ontem com um discurso previdente. Fez elogios a Malan e a Serra.

Diálogo
Gaúcho e integrante dos governos Médici e Collor, o novo ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, não gostou das críticas que recebeu do governo do Rio Grande do Sul. O governador Olívio Dutra e o secretário da Agricultura, José Hermeto Hoffmann, haviam dito que o novo ministro “não tem tradição na área agrícola e se identifica com setores de exportação e com os grandes negócios”, ao contrário do seu antecessor, o também gaúcho Francisco Turra, “que demonstrava preocupação com a agricultura familiar”. Pratini reabteu: “Vou conversar com todo mundo. Nunca tive preconceito e restrição contra ninguém. Só tenho restrição contra a burrice, um pecado que não tem saída. Tenho a impressão que não vou ter nenhuma dificuldade de diálogo com o governo do Estado”.

Estranho mercado
Os consumidores e usuários em geral que se preparem. Depois das fusões e incorporações entre grandes empresas e conglomerados, o fenômeno decorrente do tão decantado modelo neoliberal deve alcançar também as pequenas e médias empresas, segundo previsão do presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef), Ney Ottoni Brito. A conseqüência, certamente, vai ser o menor grau de concorrência e os seus desdobramentos em termos de preço e qualidade.

Malha ótica
Pegasus Telecom, subsidiária da construtora Andrade Gutierrez, está ampliando a abrangência do serviço de comunicação de longa distância que oferece no eixo Rio-São Paulo, agrupando aplicações de voz, imagem e dados, através de redes de fibra ótica. A rede incluirá outras cidades, como Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. O serviço procurar oferecer tecnologia de comunicação de última geração por um preço razoável.

Apoio
Ao comentar a nova equipe de FH, o líder do PMDB na Câmara, Geddel Vieira Lima (BA), disse que é o começo de uma nova etapa: “Até agora, a minha atuação era baseada em um trinômio: lealdade ao País, lealdade ao governo e lealdade ao meu partido. A partir de agora, a minha atuação será baseada em um binômio: lealdade ao País e lealdade ao PMDB.” E completou: “O que for bom para o País, nós vamos apoiar.” Na etapa antiga, então, ele apoiava mesmo o que não era bom para o Brasil?

Impulso
Estudo do Banco Toronto Dominion sobre as expectativas econômicas das maiores cidades canadenses indica que um dentre quatro novos empregos criados no Canadá este ano e no próximo estará em Toronto. Os negócios na cidade são impulsionados pelo setor de serviços e pela indústria de produtos manufaturados para exportação. Esse setor é responsável pela geração de um em cada cinco novos empregos na cidade. O crescimento da demanda por produtos canadenses nos poderosos vizinhos ao sul tem estimulado a criação de empregos recentemente. Calgary, a líder em crescimento dos últimos cinco anos, ficou em segundo lugar no estudo, seguida de Montreal e Vancouver. Calgary, hoje menos dependente de sua indústria petrolífera, aposta suas fichas nas indústrias de comunicações e de manufaturados de alta tecnologia.

Mão fechada
A Barcas S/A (ex-Conerj) está vivendo uma verdadeira economia de guerra. Funcionários denunciam que aquele que ligar de qualquer número da empresa para telefone celular, mesmo que por motivo de trabalho, terá que se identificar, anotar o número discado e pagar a ligação do próprio bolso – providência que, espera-se só seja posta em prática para ligações pessoais pois, com a proliferação de celulares, o que  mais existe é prestador de serviço com telefone pendurado na cintura. Antigos funcionários, que se encontravam entre não optantes do FGTS, reclamam também dos acordos que a nova diretoria propõe, muito inferiores ao que julgam justo receber.

Comando
Com a saída de Andréa Calabi para presidir o BNDES, o nome  mais cogitado para substituí-lo no comando do Banco do Brasil é o atual chefe de gabinete do ministro Clóvis Carvalho, Luís Jorge. O BB é a 80ª maior empresa do mundo fora dos EUA, segundo ranking da revista norte-americana Forbes.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNada de novo
Próximo artigoEstreitamento

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.