Nove em cada dez brasileiros condenam políticas neoliberais

Uma pesquisa que perguntasse o apoio às políticas neoliberais do Governo Temer receberia, provavelmente, maioria de respostas do tipo...

Uma pesquisa que perguntasse o apoio às políticas neoliberais do Governo Temer receberia, provavelmente, maioria de respostas do tipo “não soube opinar”. É um conceito abstrato que escapa à população. Mas quando o Datafolha pergunta sobre a paralisação dos caminhoneiros e colhe 87% de aprovação, fica claro que o brasileiro sente os efeitos das medidas ortodoxas. O apoio baixa um pouco entre os mais ricos e os mais velhos.

A condenação fica mais evidente quando a pesquisa aferiu que o brasileiro não concorda em ser punido com aumento de impostos e corte de gastos federais para atender às reivindicações dos caminhoneiros. Novamente 87% são contra. Os entrevistados consideram que o governo vai favorecer empresários e caminhoneiros e prejudicar mais a população.

O apoio acontece mesmo sendo todos prejudicados. Porque todos também sentem os efeitos da alta absurda do preço do botijão de gás. Ou da gasolina. Manifestações de motoboys paralisam as marginais paulistanas ou a central Av. Presidente Vargas, no Rio. Baianas do acarajé não têm dinheiro para comprar cebola ou botijão. E por aí vai.

Três anos de radicalização das políticas neoliberais jogaram o país à beira de uma ruptura. A continuidade da paralisação mesmo após algumas reivindicações serem atendidas mostra isso. Pedidos de intervenção militar – feitos por quem nem tinha nascido na época da ditadura – são outra expressão. Desorganizada a sociedade, há espaço para tudo. O presidente a ser eleito em outubro terá que unir o Brasil. Resta saber se haverá tempo.

 

Comércio exterior em colapso

O Centro Nacional de Navegação Transatlântica (Centronave) alerta para o efeito em cascata dos bloqueios de rodovias e terminais e suas consequências para o comércio exterior, que está prestes a entrar em colapso, uma vez que as cargas de importação e para exportação não estão podendo ser movimentadas. Os acessos aos terminais de Santos, principal porto do país, permaneciam bloqueados nesta quarta-feira.

A situação se repete em maior ou menor grau nos demais portos do país. Os pátios encontram-se abarrotados de contêineres e de carga geral, inviabilizando as operações de desembarque ou de novos embarques. Os navios começarão a passar direto sem escala, adverte o Centronave.

 

Marcha lenta

O mercado varejista brasileiro cresceu modesto 0,3% em abril quando comparado ao mesmo mês do ano passado, segundo Indicador de Varejo da Mastercard (que exclui as vendas de automóveis e materiais de construção).

O levantamento foi concluído antes da greve dos caminhoneiros, o que indica que, se a situação já não era boa, pior deve ter ficado. As vendas do e-commerce registraram aumento de 27,5%.

 

Socorro

Para retornar ao número de hospitais e leitos que havia em 2010, o setor de saúde brasileiro teria que injetar R$ 30 bilhões. Os estabelecimentos privados foram os que mais sofreram no período, segundo a federação do setor (FBH). Foram fechados 430 hospitais particulares entre 2010 e março de 2018. Por outro lado, foram criadas 343 unidades de saúde pública no período.

 

Réquiem

Até os parentes da Velinha de Taubaté sabem que a política de preços imposta à Petrobras terá que ser alterada. Se não for agora, será assim que houver novo aumento forte no cenário mundial, ou uma desvalorização mais acentuada do real. Melhor agora do que com (mais) pressão.

 

Rápidas

A Associação Brasileira de Fintechs realiza debate sobre o caso Neon, banco que entrou em liquidação extrajudicial, e seu impacto no cenário de fintechs. Será em 12 de junho, das 10h às 12h, em São Paulo. Inscrições: www.sympla.com.br/fintopics—case-neon__295938 *** A partir da próxima semana o advogado Ricardo Alves, sócio responsável pela administração da unidade Rio de Janeiro do Fragata e Antunes Advogados, passa a responder pela gestão de Tecnologia de todas as unidades da banca. Ele continuará respondendo, provisoriamente, pela administração do escritório do Rio *** Primeiro sábado do mês, dia da Feira Rio Antigo, na Lapa (RJ), que receberá show do Trio Ustrês, em ritmo de Copa do Mundo, a partir das 16h30 *** A Associação Comercial do Rio (ACRJ) realizará o seminário “A Intervenção Federal na Segurança Pública”, dia 13, das 8h30 às 13h, com o general Paulo Roberto Rodrigues Pimentel, subchefe do Gabinete de Intervenção.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lei do Superendividamento favorece negociação e cobrança humanizada

Início das multas no contexto da LGPD também deve frear a oferta de crédito a quem não pode pagar.

Mercado de fertilizantes especiais cresce 41,8% em 2020

Neste ano, a expectativa é de que o setor obtenha uma nova elevação de 24%.

Consumo nos setores de turismo e diversão cresce em junho no Rio

O consumo das classes C e D no Brasil recuou 5% em junho, depois de ter subido 8% em maio, de acordo com a...

População de países emergentes fica ainda mais pobre

Perda de renda foi 2x maior que nas nações ricas.

Pagamento indevidos: TCU encontra 11% de inconsistências no INSS

‘Falhas afetam a confiabilidade do banco de dados’ de benefícios previdenciários.