Novembro complicado: greve de caminhoneiros e desabastecimento

Nos últimos anos, o fator de utilização de refinarias brasileiras (FUT) caiu de 94% para 70%.

Os caminhoneiros estão ameaçando paralisar o país. Desde o último sábado, a categoria fala em “estado de greve”, com veladas críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Nesta segunda-feira as entidades representativas da classe prometeram entregar uma lista de reivindicações para o governo como forma de evitar paralisação nacional a partir de 1º de novembro.

O governo parece que não leva fé nessa nova paralisação dos caminhoneiros, que estão reivindicando itens como o cumprimento do valor mínimo do frete rodoviário, a aposentadoria especial para a categoria (aos 25 anos de trabalho) e a mudança na política de preços.

Pelo lado dos combustíveis, a Federação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Gás Natural e Biocombustíveis (Brasilcom) comunicou aos consumidores o risco de desabastecimento de gasolina e óleo diesel no Brasil no mês de novembro, devido a “uma série de cortes unilaterais nos pedidos feitos para fornecimento”.

A entidade denuncia que “reduções promovidas pela Petrobras, em alguns casos chegando a mais de 50% do volume solicitado para compra, colocam o país em situação de potencial desabastecimento”. As distribuidoras brasileiras alertam ainda para o risco no “estabelecimento de condições comerciais com preferências a determinados clientes, desequilibrando o ambiente concorrencial do mercado de combustíveis.”

A Brasilcom também lembra que há cerca de quatro anos, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos vêm alertando para as consequências da subutilização das refinarias da Petrobras por decisão da gestão, que vem reduzindo a produção de combustíveis para favorecer os importadores, beneficiados pela política de Preços de Paridade de Importação (PPI) implementada no governo Temer e mantida por Bolsonaro. Nos últimos anos, o fator de utilização de refinarias brasileiras (FUT) caiu de 94% para 70%.

Por conta disso, somente este ano, a gasolina já subiu 56,2% nas refinarias da Petrobras e 35,5% nos postos de revenda. Em igual período, o óleo diesel aumentou 50,9% nas refinarias, e 31,5% nos postos. A título de comparação, nos mesmos meses, a taxa de inflação acumulada, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 6,90% e, nos últimos 12 meses, em 10,25%. Enquanto isso, o salário-mínimo não tem aumento desde 2016.

Leia também:

Gás e luz puxam inflação em setembro das classes D/E: 11% no acumulado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.

Últimas Notícias

Produtos verdes e inteligentes são destaques na Expo da Rota da Seda

Uma variedade de produtos verdes e produtos inteligentes estão em exibição na Sexta Exposição Internacional da Rota da Seda em Xi'an,na China.

Delta do Rio Yangtzé impulsiona integração por meio de digitalização

O Delta do Rio Yangtzé da China, um dos centros econômicos do país, está acelerando a sua transformação digital e fazendo novos progressos com base nas redes 5G.

Fux suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível

Com isso, ex-presidente da Câmara não poderá se candidatar.

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Rio restabelece parte dos serviços hackeados

Sistemas fazendários continuam fora do ar.