Novo presidente da Petrobras assume com tom conciliatório

As ações da Petrobras apresentam ganhos nessa sessão desta segunda-feira diante da fala do novo presidente da companhia sobre reduzir a volatilidade dos preços praticados sem abrir mão da política de paridade internacional de preços.

“Acreditamos que o fato de Silva e Luna manter o tom conciliatório e parcimonioso que adotou durante o período de transição é benigno, sobretudo no início de seu trabalho, mas acreditamos que a aplicação de transformações no dinamismo de preços e a manutenção da paridade tendem a apresentar antagonismo e requererão do novo CEO, decisões que, corretamente, serão tomadas após o mesmo se ambientar na presidência da companhia”, ressaltou Ilan Arbetman, analista de Research da Ativa Investimentos.
Ele Acredita que, atualmente, o movimento de suavização nos preços poderia ser criado através de um fundo de estabilização, que apesar de ser mais benigno que uma medida mais drástica como o cancelamento da paridade, requererá habilidade e possivelmente, capital político até ser formulada de forma definitiva e aplicada. “Uma vez que a mudança no comando da petrolífera fora motivada pela insatisfação do Executivo com a política atual de preços, acreditamos que uma definição sobre os rumos da nova abordagem quanto a política de preços será o primeiro e principal desafio da nova gestão”, enfatiza..
Apesar de classificar o tom amistoso adotado tanto atualmente como ao longo da transição laucomo positivo, acreditamos que a nova gestão se debruçará sobre as soluções psíveis tão logo e será nesta tomada de decisão, que conseguiremos captar com maior qualidade, o sinal que a nova gestão enviará ao mercado sobre sua forma de atuação”.

Arbetman alerta que em que pese a manifestação da nova gestão em continuar com a política de desinvestimentos da companhia, acredita que: i) uma possível alteração futura na política de paridade escancare a necessidade da companhia continuar otimizando seu portfólio de modo a fazer frente às suas obrigações e cobrir possíveis perdas com os desdobramentos da mesma e ii) fatalmente, o prêmio cobrado pelos entrantes no setor de refino será maior com o retorno da companhia de economia mista não voltado apenas a seu shareholder, levando o montante a ser angariados através do principal pilar do plano de desinvestimento da companhia a ser potencialmente mais diminuto.

Artigos Relacionados

B3 lucra R$ 1,25 bi no trimestre, aumento de 22,5%

“As pessoas têm movimentado as suas carteiras em artigos de maior risco, mas quando olhamos mais adiante ainda há incertezas sobre a retomada econômica”....

Andrade Gutierrez diz que irá alienar os papéis da CCR

Os papéis da companhia de infraestrutura CCR puxavam as altas da B3 nesta sexta-feira após a Andrade Gutierrez Participações S.A. (AG Participações) anunciar intenção...

De olho na Eletrobras, setor privado não investe

Ação da estatal vale quase metade do que valia há 11 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.