Nu & faminto

O festejado crescimento do ministro Antônio Palocci redesenha a estética da fome no governo do Fome Zero. Embora a produção industrial tenha crescido 7,8% entre janeiro e julho em relação aos sete primeiros meses de 2003, os setores de semi e não-duráveis, como vestuário e alimento, avançaram apenas 2%, no mesmo período. Ou seja, com desemprego nas nuvens e renda no fundo do poço, Palocci e sua equipe econômica inventaram o crescimento SRCF: sem roupa e com fome.

Dia de caça
A antecipação da campanha, via Internet, contra a redução de direitos trabalhistas provocou pelo menos uma inversão curiosa de comportamento. Uma das protagonistas da campanha que, na eleição de 2002, interrompeu o mandato de 50% dos deputados que votaram pela “flexibilização” de direitos, como 13º salário e multa de 40% sobre o FGTS, a CUT, agora, mudou de tom. Seu presidente, Luiz Marinho, divulgou nota para desautorizar o uso do nome da central na divulgação de lista com os nomes que votaram pelo desmonte da CLT durante o governo FH. Marinho nega ainda existência de algum projeto nesse sentido na pauta no Congresso. No entanto, até os contínuos da Casa sabem que o projeto dormita na pauta da Câmara dos Deputados aguardando apenas a passagem do período eleitoral e as conveniências petistas.

Quem te viu
Sindicatos da CUT ligados ao PT entraram de cabeça na campanha “otimismo eleitoral”. Alguns enxergam o espetáculo do crescimento, enquanto outros, como o dos bancários paulistas, comemoram como aumento real o reajuste salarial médio de 10,5% – superior apenas ao raquítico IPCA, inflação oficial adotada pelo governo, mas dois pontos percentuais abaixo do IGP-M acumulado e léguas além da elevação do custo de vida sentida pelos trabalhadores de classe média.

Extermínio
Entre 1980 – quando o país interrompe um ciclo de crescimento que durou 50 anos a partir de 1930 – e 2003, o número de bancários no Brasil encolheu de 800 mil para 405.453. Os dados são da CUT, e, como diria o ministro José Dirceu, mostram uma realidade que parece ação da Gestapo.

Incompatível
“É impossível um mundo democrático e pacífico se governado por organizações que atentam contra ambos os princípios: o Fundo Monetário Internacional (FMI), a Organização Mundial do Comercio (OMC) e o Conselho de Segurança das Nações Unidas.” A síntese foi feita pelo escritor uruguaio Eduardo Galeano durante o Enconto Literário 2004, encerrado no início deste mês, em Piacenza (Itália).

Classificados
Unicamp, PUC-RJ e INT são os três finalistas na categoria Instituição de Pesquisa do Prêmio Finep de Inovação Tecnológica na Região Sudeste. A seleção foi anunciada nesta sexta-feira. No total, são 15 finalistas divididos entre cinco categorias, que receberam 149 inscrições. Apenas o primeiro colocado de cada categoria disputará a etapa final, que acontece em novembro, em Brasília. Os demais finalistas concorrem nas categorias Processo, Grande Empresa, Pequena Empresa e Produto.

Gol
Um time de atores globais reforçará a campanha A Refinaria é Nossa, que visa atrair para o Norte Fluminense investimento em uma nova refinaria de petróleo. Rodrigo Santoro, Kadú Moliterno, Dú Moscovis e Stepan Nercessian, entre outros, estão escalados para a preliminar do Fla-Flu que acontece neste domingo, às 16h, no Maracanã.

Quem ganha
São Paulo, Rio Grande do Sul e Pernambuco devem ser os beneficiados se prosperar a idéia da Transpetro de fazer a licitação de 22 petroleiros permitindo a participação de empresas que não têm estaleiros para construir as embarcações. Estes “estaleiros virtuais”,  se ganharem a concorrência – que deve passar de US$ 1 bilhão -, poderiam obter dinheiro público no BNDES para fazer suas instalações e só aí começar a construção dos navios. Perde o Rio de Janeiro, que tem os maiores estaleiros – reais – do país.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFunciona
Próximo artigoDoping

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...