Número de ações locatícias registra leve alta em março

Foram protocolados na cidade de São Paulo 1.211 processos, ligeira alta de 3,9% em comparação a fevereiro deste ano.

Conjuntura / 14:37 - 25 de mai de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

De acordo com levantamento feito pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação) no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, no mês de março, foram protocoladas na cidade de São Paulo 1.211 ações locatícias, o que representa uma ligeira alta de 3,9% em comparação às 1.165 ações ajuizadas em fevereiro deste ano. Comparadas às 1.481 ações registradas em março de 2019, a queda foi de 18,2%.

Em março, as ações por falta de pagamento de aluguel responderam por 88,3% do total, com 1.069 ações. As ações ordinária/despejo ficaram na segunda posição, com 68 ações e participação de 5,6%. As renovatórias e as consignatórias participaram, respectivamente, com 67 (5,5%) e 7 (0,6%) processos.

O acumulado do primeiro trimestre totalizou 3.434 ações, uma queda de 10,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando foram contabilizadas 3.818 ocorrências. O total de ações acumuladas no período de abril de 2019 a março de 2020 foi de 15.282 casos, um recuo de 7,3% diante do acumulado de abril de 2018 a março de 2019 com 16.489 ações.

As vendas de apartamentos novos cresceram no primeiro trimestre, mas, devido à pandemia de Covid-19, a construção civil reduziu os lançamentos. As informações são do estudo Indicadores Imobiliários Nacionais do primeiro trimestre de 2020, realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Nacional). Foram coletados e analisados dados de 118 municípios, sendo 18 capitais.

O Brasil registrou aumento de 26,7% nas vendas de apartamentos no comparativo entre o primeiro trimestre de 2020 e igual período de 2019. De acordo com a CBIC, o setor vinha em tendência de crescimento desde janeiro de 2018. Entretanto, acrescenta a entidade, as incertezas no mercado por causa da pandemia de covid-19 levaram a uma queda de 14,8% nos lançamentos de unidades habitacionais (18.388 unidades) na comparação do primeiro trimestre deste ano contra o mesmo período de 2019.

Na comparação com o quarto trimestre de 2019 (59.553 unidades), o melhor período em lançamentos dos últimos dois anos, houve queda de 69,1% nos lançamentos. Nessa comparação, as vendas caíram 27,2%. Segundo a CBIC, a maior diferença foi no Sudeste, com 8.745 lançamentos ou 79,2% menos que no período imediatamente anterior.

Segundo a CBIC, a maior queda no número de unidades lançadas foi observada na Região Nordeste (2.361 unidades), com 56,3% menos que no primeiro trimestre de 2019, seguida pelo Sul, com diferença de 29,1% (3.621 unidades). A Região Sudeste teve pequena variação negativa, de 2,4% (8.745 unidades). As exceções foram a Região Norte, que no primeiro trimestre de 2020 lançou 754 unidades, ou 183,5% mais que no mesmo período de 2019. Na Região Centro-Oeste, foram 2.907 lançamentos – alta de 57,4% no comparativo com janeiro, fevereiro e março do ano passado.

O valor geral dos lançamentos (VGL) do primeiro trimestre de 2020 foi de R$ 6,3 bilhões e caiu 9,65% em relação ao primeiro trimestre de 2019 e 76% em relação ao quarto trimestre de 2020. O índice representa a soma do valor potencial das vendas de todas as unidades que compõem os empreendimentos lançados.

 

Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor