Número de ações locatícias sobe 14,7% em São Paulo

Em março, foram protocolados 1.250 processos relacionados ao mercado de aluguel, a maioria por falta de pagamento.

Levantamento realizado pelo Secovi-SP no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo mostra que, em março, foram protocoladas 1.250 ações judiciais relacionadas ao mercado de locação, um aumento de 14,7% em comparação a fevereiro, quando foram ajuizadas 1.090 ações na capital paulista. Em relação a março do ano passado (1.211 ações), houve alta de 3,2%.

Segundo o advogado Jaques Bushatsky, diretor de Legislação do Inquilinato do SecoviSP, a proporção de ações de despejo por falta de pagamento remanesce semelhante a de meses anteriores. “Deve ser observada a ínfima quantidade de ações de natureza diversa, o que retrata estatisticamente que são poucos os debates judiciais sobre reajustes ou fixações de aluguel. Os contratantes continuam se ajustando e negociando diretamente”, diz Bushatsky.

De acordo com o Secovi-SP, as ações por falta de pagamento de aluguel totalizaram 1.056 ações (84,5% do total). As ações ordinárias, relativas à retomada de imóvel para uso próprio, de ascendente ou descendente, reforma ou denúncia vazia, contabilizaram 108 processos (8,6%). As ações para renovação compulsória de contratos comerciais com prazo de cinco anos responderam por 73 processos (5,8%) e, as consignatórias, quando há discordância de valores de aluguéis, motivaram 13 processos (1%).

Segundo a entidade, o total de ações acumuladas no primeiro trimestre deste ano foi de 3.093 processos, uma diminuição de 9,9% diante do acumulado no período anterior, com 3.434 processos. Entre abril de 2020 e março de 2021, foram registradas 12.848 ações locatícias, um recuo de 15,9% diante do acumulado no período anterior (abril de 2019 a março de 2020), quando ingressaram 15.282 ações nos fóruns da Capital.

Artigos Relacionados

Juros em alta atrairão US$ 21 bilhões de capital especulativo

Banco Central melhora projeção de crescimento e ingresso de investimentos estrangeiros.

Dentre 38 países da OCDE, Brasil é 2º lugar em ranking de mal-estar

País só perde para a Turquia; índice de infelicidade dos brasileiros é o maior dos últimos cinco anos.

Em 12 meses, seis em 10 consumidores sofreram alguma fraude financeira

Levantamento indica crescimento de 28% na incidência de fraudes ante 2019; prejuízo a internautas é de R$ 2,7 bi.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ENS e Ministério da Agricultura fazem live para lançar curso gratuito

Live no dia 7 de julho terá a participação de representantes do MAPA e especialistas em agronegócio.

Carta Fabril lança o papel higiênico premium Cotton Folha Tripla

Novidade foi desenvolvida para levar mais maciez com preço justo ao consumidor

LDZ Escola abre curso de animação digital 2D da ToonBoom Animation

Arte digital e cultura nerd beneficiam saúde e qualidade de vida.

Vendas Club traz conteúdo exclusivo para todo o Brasil

Propósito é prestar serviço para profissionais se manterem atualizados sobre o cenário de vendas.

Imóveis comerciais: segmento deve reaquecer de forma gradual

Desaquecimento por imóveis comerciais ocorreu por causa do home office imposto pelas restrições sanitárias.