Número de pessoas em insegurança alimentar cresce 24 milhões

Aumento do número de pessoas em insegurança alimentar se dá em ano em que ricos ficaram ainda mais ricos

207
Pessoas buscam alimentos em Gaza (Foto: Rizek Abdeljawad/Agência Xinhua)
Pessoas buscam alimentos em Gaza (Foto: Rizek Abdeljawad/Agência Xinhua)

O número de pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda aumentou para cerca de 282 milhões em 2023, informou a Organização das Nações Unidas (ONU) para a Alimentação e Agricultura (FAO) na quarta-feira. Trata-se de um aumento de 24 milhões desde 2022, sublinhou a FAO no seu último Relatório Global sobre a Crise Alimentar. O estudo abrange apenas 59 países.

Prevê-se que mais de 705 mil pessoas em cinco países estarão em situação de catástrofe em 2023 – o número mais elevado nos relatórios e quase o dobro do registado em 2022.

A líder global de Segurança Alimentar e Econômica da ONG Oxfam, Emily Farr, afirmou que “a crise global da fome é fundamentalmente uma crise moral. É imperdoável que mais de 281 milhões de pessoas sofram de fome aguda, enquanto os mais ricos do mundo continuam a obter lucros extraordinários”.

Os cinco homens mais ricos do mundo mais que dobraram suas fortunas de 2020 até 2023 – de US$ 405 bilhões para US$ 869 bilhões, revelou a Oxfam no início deste ano, no relatório Desigualdade S/A.

Espaço Publicitáriocnseg

As 100 maiores empresas de armamento – as mesmas empresas aeroespaciais e de defesa que ajudam a alimentar os conflitos globais – acumularam quase US$ 600 bilhões em receitas apenas em 2022 – o suficiente para cobrir quase 13 vezes o apelo humanitário global da ONU.

As causas profundas do aumento da insegurança alimentar foram guerras, eventos climáticos extremos e crises econômicas combinadas com “ações inadequadas”. Especialmente a guerra de Israel contra o Hamas e a guerra no Sudão foram identificados como fatores-chave que contribuem para a escalada da emergência global.

“A Faixa de Gaza tem o maior número de pessoas que enfrentam uma fome catastrófica alguma vez registada pelo Relatório Global sobre Crises Alimentares”, sublinhou o secretário-geral da ONU, António Guterres, no prefácio do relatório.

Mais de 281,6 milhões de pessoas – ou 21,5% da população avaliada no relatório – enfrentaram elevados níveis de insegurança alimentar aguda no ano passado em 59 países e territórios.

Por outro lado, a situação melhorou em 17 países, o que resultou em menos 7,2 milhões de pessoas sofrendo de insegurança alimentar aguda no mesmo período.

No entanto, o relatório alerta que as perspectivas para 2024 são sombrias, sem previsões de melhorias substanciais e com guerras, condições meteorológicas extremas, fraco poder de compra nos países de baixo rendimento e uma diminuição do financiamento humanitário que deverá continuar afetando as populações que já enfrentam insegurança alimentar.

Com Agência Xinhua

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui