Números do presidente da Eletrobras mostram: não é preciso privatizar

Empresa está ‘equilibrada’, ‘registra lucros’ e pode investir R$ 95 bilhões.

Em audiência pública virtual promovida pelo BNDES sobre o processo de desestatização da Eletrobras, o presidente da estatal de energia elétrica, Rodrigo Limp Nascimento, afirmou que um dos principais motivos para o processo de capitalização da companhia é ampliar a sua capacidade de investimentos. Os argumentos apresentados por Limp, porém, vão no sentido inverso.

Segundo ele, a reestruturação da estatal desde 2016 compreendeu uma grande redução de custos, venda de ativos deficitários e renegociação de dívidas. “Hoje temos uma empresa equilibrada, com boa geração de caixa, que registra lucros constantemente.”

O executivo admitiu que o planejamento estratégico da estatal prevê que, sem a privatização, a Eletrobras poderá investir cerca de R$ 95 bilhões até 2035. Com a capitalização – venda de ações da empresa, levando à perda do controle acionário pelo Estado – esses investimentos chegam à casa de R$ 200 bilhões.

Os recursos dariam uma média de R$ 15,4 bilhões por ano. A Eletrobras, sem precisar recorrer a venda de ações, já investiu perto disso sozinha. Em 2014, os investimentos alcançaram R$ 11,4 bilhões. Desde 2017, com a tomada de poder por Michel Temer, a estatal vem sendo asfixiada, e houve forte redução dos investimentos. Em 2020, foram apenas R$ 3,1 bilhões. No ano passado, até o terceiro trimestre, foram R$ 2,5 bilhões.

“A gente entende que é muito aquém do que pode e deve investir a Eletrobras”, afirmou o executivo. “É um ponto fundamental, retomar a capacidade de investimento, voltar a ter capacidade de participar dos leilões, investir no mercado livre de energia”, atestou Limp.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.

Cortes no Casa Verde e Amarela deixam de gerar 365 mil empregos

E deixa de arrecadar R$ 1,2 bi de INSS e FGTS.

10 milhões cadastrados para darem block em telemarketing

São Paulo, Minas e Rio são os que tem maior número de telefones bloqueados.

Últimas Notícias

Empresa brasileira de produtos médico-hospitalares cresce 20% em 2021

Faturamento foi de R$ 28 milhões.

Brasileiro buscou mais crédito para compra de veículo

Veículos pesados e motos se destacam

Varejo, petrolíferas e bancos puxam Ibovespa

Siderúrgicas e Vale ficam na contramão do mercado

Uso de cheque cai ladeira abaixo

Avanço tecnológico mudou hábito arraigado da clientela

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.