26.4 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 18, 2021

Não deu manchete

A crise na Argentina anda meio ausente dos noticiários dos “jornalões”, e talvez um dos motivos seja o de que por lá, com uma política econômica que privilegia o crescimento, o impacto foi menor do que no comportado Brasil. O PIB argentino cresceu 4,9% no quarto trimestre do ano passado em comparação a igual período de 2007, trazendo a taxa de crescimento da economia para 7% em 2008, segundo a agência nacional de estatística (Indec). Em comparação com o terceiro trimestre, o Produto Interno Bruto encolheu 0,3%, enquanto na mesma comparação, o PIB brasileiro encolheu 3,6%.

Não é para poucos
Em 2008, a pobreza na população urbana da Argentina caiu 2,4 pontos percentuais, fechando o ano em 15,4%. O índice de indigência ficou em 4,4% em dezembro do ano passado, um ponto percentual a menos do que o período entre janeiro e junho. A presidente Cristina Fernández de Kirchner disse que estes índices “ainda envergonham”, mas revelam “que o modelo econômico e político” permite que “o crescimento econômico não chegue somente a poucos”.

O lado feio da beleza
A cobrança excessiva das mulheres por não corresponderem a um determinado padrão de beleza tem efeitos pode tornar-se um problema de saúde pública, dada a interferência da mídia, da publicidade e dos interesses do mercado na formação das crianças e adolescentes.
Segundo pesquisa mundial da Dove/Unilever, em 2004, dois terços das mulheres entre 15 e 60 anos de idade evitam atividades básicas da vida por se sentirem mal com sua aparência; 92% das garotas declaram querer mudar pelo menos um aspecto físico; nove entre dez mulheres querem melhorar alguma coisa no corpo.
Quem não se encaixa no padrão ditado pela mídia – quase 90% – sente-se excluída e humilhada e tende a aceitar qualquer sacrifício em nome da “beleza ideal”. Esse é o tema visitado pela psicóloga Rachel Moreno em A beleza impossível – Mídia, mulher e consumo (Editora Ágora).

Ditadura da mídia
No livro, Rachel busca respostas para questões sobre como as mulheres chegaram a esse ponto, depois de tantas conquistas importantes no último século. Ou ainda quais as consequências dessa obsessão para as adolescentes e onde entram as “diferentes” – gordinhas, velhas, negras – nesse sistema.
“Por que é tão difícil aceitar a diversidade da beleza? O ideal de beleza cria um desejo de perfeição, introjetado e imperativo. Ansiedade, inadequação e baixa auto-estima são os primeiros efeitos colaterais desse mecanismo. Os mais complexos podem ser a bulimia e a anorexia”, destaca Rachel, lembrando que mesmo as mulheres adultas podem ter sua estabilidade emocional afetada.

Compulsório
Transformada, a partir da privatização, em regra, com raras exceções, a prática das empresas, principalmente, as prestadoras de serviços de impedirem que seus clientes cancelem contratos criou a figura do consumidor compulsório. É aquele que, seja por insatisfação com a qualidade, seja por questões econômicas, não desejando continuar a pagar por determinado serviço, tem interditado seu direito de cancelá-lo. Diante do comportamento leniente das agências reguladoras para coibir esses abusos, já passou da hora de Executivo e Judiciário tomarem medidas urgentes. Até agora, apesar de pequenos avanços, a portaria do Ministério da Justiça foi insuficiente para mudar a essência dessa irritante prática das empresas.

Censura
Convidado para fazer uma palestra, esta semana, para os estudantes de Direito da UniRio, o delegado Protógenes Queiroz não pôde participar do evento. Segundo os organizadores da palestra, o delegado está proibido por seus superiores de dar declarações públicas.

Vespeiro
Mexer com empreiteira; o mesmo juiz… É melhor os delegados da Polícia Federal responsáveis pela operação Castelo de Areia colocarem as barbas de molho.

Cruzada
A quem interessa manietar os investimentos da Petrobras num momento em que o Brasil marcha para a recessão?

Artigo anteriorDe três dias a três meses
Próximo artigoEmpacado
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.