Nuvens negras

Apesar de, em seu discurso de posse, o presidente da Eletrobrás, Luiz Pinguelli Rosa, ter afastado o risco de o país ser vítima de novo “apagão” nos próximos dois anos, o economista Luiz Carlos Alves Júnior, do Grupo de Estudos sobre Conjuntura Econômica Mundial (Gremint), adverte que a herança deixada pelo governo FH é “bem mais dramática” do que a nova administração imaginava. O próprio Pinguelli admitiu que, caso o país volte a crescer, a necessidade de investimentos no setor crescerá. Alves Júnior,  que também é funcionário da Eletrobrás, avalia em R$ 10 bilhões a necessidade de investimentos na área, mas ressalva que, se a economia crescer acima de 4,5% ao ano, como pretende o governo, esse valor pode chegar a R$ 14 bilhões.

“Gato”
Alves Júnior também estima que cerca de 50% das distribuidoras estão “tecnicamente quebradas”. A má situação financeira das concessionárias, no entanto, não tem nenhuma relação com investimentos pesados no setor. Boa parte do “vermelho” nos balanços se deve à compra de outras empresas, aumentando a concentração no setor, além da remessa de gordos lucros e royalties para as matrizes no exterior.

JK
Vídeos produzidos para a “Semana JK e 100” – realizada de 1 a 7 de setembro de 2002 para celebrar o centenário de nascimento do ex-presidente do Brasil – serão exibidos hoje na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). Serão mostrados trechos de alguns dos 28 depoimentos de personalidades que conheceram e participaram do cotidiano do estadista, como Carlos Heitor Cony, Murilo Mello Filho e Josue Montello. Maristela Kubitscheck Lopes, filha de Juscelino, fará a entrega de medalha especialmente criada para a data pelo governo federal. Entre as personalidades agraciadas estão o embaixador Carlos Alberto Leite Barbosa e Maria do Carmo Almeida Braga (presidente do Grupo Icatu). O evento começa às 16h30.

Isenção
Enquanto o Rio de Janeiro, em estado de penúria, aumenta o ICMS sobre energia, telecomunicações e outros produtos e serviços, o governador do Paraná, Roberto Requião, assinou decreto que vai isentar do imposto 14 mil empresas que faturam até R$ 150 mil por ano. Além delas, as que extrapolam esse teto continuarão tendo isenção até R$ 150 mil e pagarão imposto somente sobre o valor excedente. O objetivo do Paraná é estimular as micro e pequenas empresas e gerar mais empregos.

Posse
Jorge Mattoso toma posse hoje na presidência da Caixa Econômica Federal. A cerimônia, que começa às 11h30, será realizada no Conjunto Cultural da Caixa (SBS, Quadra 4, anexo). O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, estará presente.

Zé da Silva
Ao ser anunciado no Congresso do Equador, para onde viajou a fim de assistir à posse do presidente Lucio Gutierrez, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi chamado de José Inácio Lula da Silva. Mesmo tendo o nome trocado, o presidente brasileiro foi um dos mais aplaudidos durante a apresentação dos chefes de Estado presentes à solenidade da posse. Os outros dois foram o presidente de Cuba, Fidel Castro, e o da Colômbia, Álvaro Uribe.

Plano B
Não será surpresa para esta coluna se o senador José Sarney (PMDB-MA), caso saia derrotado hoje, na reunião da bancada pela cúpula do partido, se filie ao PFL. Como a diferença entre os dois partidos no Senado é ínfima, a adesão de uns poucos senadores daria aos pefelistas o direito de, como maior bancada, pleitear o apoio do PT para indicá-lo presidente do Senado, sem expor o governo ao risco de apoiá-lo como candidato avulso. Eleito presidente da Casa, Sarney retornaria ao PMDB.

Senado
De acordo com o sítio www.primeiraleitura.com.br, do ex-ministro de FH Luís Carlos Mendonça de Barros, a maioria da bancada do PMDB no Senado Federal é “pró-Renan Calheiros”. Dos 20 senadores da legenda, 12 votariam no ex-líder de Collor na Câmara, entre eles Pedro Simon, Sérgio Cabral Filho e Ney Suassuna. Sarney teria cinco votos, como o de Maguito Vilela. Helio Costa seria um dos três indecisos. Pelos sorrisos de Sarney nos últimos dias e pela expressão de apreensão de Calheiros, este placar pode não representar o resultado final.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMotivações
Próximo artigoRazõe$ do locaute

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.