O 11 de Setembro não foi um segundo Pearl Harbor

Por Edoardo Pacelli.

Imediatamente após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, uma esmagadora maioria de comentaristas traçou um paralelo com a blitz surpresa, do Japão Imperial, contra a frota dos EUA, no Pacífico na Baía de Pearl Harbor, no Havaí, em 7 de dezembro de 1941.

A comparação se baseou em dois pilares. O primeiro teve suas raízes na analogia histórica e no impacto simbólico. O ataque a Pearl Harbor foi o precedente mais próximo de uma agressão contra os Estados Unidos, em seu território.

O fato de os Estados Unidos terem sido pegos de surpresa, somado ao considerável tributo em vidas humanas provocado pelos agressores (mais de 2 mil pessoas morreram em Pearl Harbor e quase 3 mil no 11 de Setembro), deu legitimidade a tal comparação. Como todos os cidadãos americanos da época se lembrariam, para sempre, do que estavam fazendo quando a notícia do ataque a Pearl Harbor chegou, todos os cidadãos americanos (e não apenas) lembram com o que estavam ocupados, quando a imagem das Torres Gêmeas, envolta em chamas, apareceu nas telas de TV, naquela terça-feira, em 2001.

O segundo raciocínio subjacente ao paralelo entre Pearl Harbor e o 11 de Setembro dizia respeito ao impacto na política interna dos Estados Unidos e, consequentemente, na política externa.

Pearl Harbor levou os Estados Unidos à Segunda Guerra Mundial, levando-os à vitória contra as potências do Eixo e, mais fundamentalmente, a uma mudança radical em sua abordagem dos assuntos internacionais. O esforço de guerra e a necessidade de moldar a reconstrução do pós-guerra, de maneira que protegesse a segurança e o bem-estar dos Estados Unidos, criaram as condições para que o público apoiasse o apelo das elites – de ambas as partes políticas – para que os Estados Unidos se engajassem em assuntos mundiais mais profunda e extensivamente do que antes de dezembro de 1941.

A Segunda Guerra Mundial catapultou permanentemente os Estados Unidos para o centro do palco nos assuntos globais. A partir desse momento, os Estados Unidos assumiriam o papel de potência hegemônica no Ocidente e fiador de uma ordem internacional, baseada em seus interesses, mas também em seus valores, sistema político e modelo de desenvolvimento econômico.

O 11 de Setembro, prosseguia o argumento, resolveria da mesma forma as incertezas públicas em relação ao papel internacional dos EUA que surgiram na década após a Guerra Fria, à medida que uma nova missão surgia no horizonte: a luta contra o terrorismo islâmico internacional que “odeia a liberdade”.

A intervenção de outubro de 2001, contra o Talibã, que abrigou a al-Qaeda de Osama bin Laden, os perpetradores dos ataques de 11 de setembro, foi amplamente apoiada pelo público. O mesmo aconteceu com a invasão do Iraque, dois anos depois, embora, nesse caso, tenha ajudado o fato de a administração de George W. Bush manipular a opinião pública criando, sutilmente, a percepção de ligações (inexistentes) entre a Al-Qaeda e o governante de longa data, Saddam Hussein.

O Afeganistão e o Iraque foram apenas as principais frentes de uma guerra maior que os Estados Unidos travariam, sempre que a ameaça terrorista fosse detectada. Consequentemente, o presidente Bush cunhou o termo “Guerra Global ao Terror” e o transformou na estrela-guia da política externa dos Estados Unidos. A opinião pública, concluiu o argumento, apoiaria os esforços do governo, uma vez que havia o precedente da intervenção na Segunda Guerra Mundial e da longa Guerra Fria, contra o bloco soviético.

Vinte anos depois, é hora de desconsiderar a legitimidade do paralelo entre Pearl Harbor e o 11 de Setembro. Sem dúvida, os dois eventos permanecerão para sempre gravados na memória coletiva dos Estados Unidos. No entanto, o 11 de Setembro não marcou o início de uma era de acordo geral entre os partidos políticos e entre as elites e o público, em relação ao engajamento global dos EUA, como fez Pearl Harbor.

Esse resultado diferente é, principalmente, a formação atual das elites políticas dos Estados Unidos. Na década de 1940 e no início da década de 1950, o presidente Roosevelt e seu sucessor, Harry S. Truman, comprometeram os Estados Unidos primeiro com a guerra total contra as ditaduras e, em seguida, com o confronto sistêmico com o bloco soviético em uma lógica estratégica que o público não poderia apenas entender, mas, também, compartilhar.

As administrações Roosevelt e Truman também foram claras na definição de seus objetivos estratégicos – destruição do poder militar do Eixo e contenção da influência soviética – e sábias, na seleção das ferramentas para atingir esses objetivos: os Estados Unidos prevaleceram sobre o Eixo e o bloco soviético, não apenas graças às suas proezas militares, mas porque formou grandes coalizões e alianças internacionais.

Em contraste, a administração Bush apresentou objetivos em constante mudança. A caça à Al-Qaeda no Afeganistão e a alegada ameaça, representada pelas armas de destruição em massa, de Saddam (que, mais uma vez, provariam ser inexistentes) se misturaram ao longo do tempo em uma estratégia vagamente definida para a promoção da democracia.

A “agenda da liberdade”, do presidente Bush, mesclava confusamente a luta contra o terrorismo, a oposição aos governantes autocráticos (especialmente se eles não estivessem alinhados com as preferências da política externa dos EUA) e a construção nacional, em grande escala, em países dos quais os Estados Unidos tinham pouco conhecimento e menos interesses vitais em jogo (ao contrário da Europa e do Leste Asiático, estrategicamente central tanto na Segunda Guerra Mundial quanto durante a Guerra Fria).

A indeterminação dos objetivos, que muitos consideravam como fumaça que oculta a ambição de expandir a hegemonia global dos EUA, andava de mãos dadas com a inadequação dos meios: dependência maciça do hard power, relutância em imaginar compromissos diplomáticos de longo prazo com países rivais (mais notavelmente China, Rússia ou Irã) e a tendência, nunca extinta, de agir unilateralmente.

Em última análise, os resultados foram tudo menos o que o Governo Bush prometeu que seriam, uma promessa que governos sucessivos nunca foram capazes de negar totalmente. O Afeganistão nunca foi estabilizado e agora está de volta nas mãos do Talibã; o Iraque continua a ser um país fraco, dividido e instável; o terrorismo de raiz islâmica está muito mais difundido hoje do que em 2001; e o liberalismo e a democracia retrocederam, não avançaram.

A ambivalência de objetivos, a inadequação de meios e os resultados decepcionantes da política externa pós-11 de Setembro, dos EUA, abalaram a credibilidade interna do governo federal e aumentaram a lacuna entre o público em geral e o estabelecimento de política externa. A Guerra Global ao Terror, aparentemente o princípio em torno do qual se esperava que uma “grande estratégia” dos Estados Unidos para o século 21 girasse, não foi apenas um grande fracasso da política externa, mas também um colossal erro político interno.

Prova disso é que os sucessores de Bush basearam suas tentativas de reconstruir o consenso público entre os partidos para a política externa dos EUA na rejeição da Guerra Global contra o Terror e do intervencionismo – liberal ou não – embutido nela.

Nestes termos, ao declarar o fim da era de extensa intervenção militar e construção nacional em grande escala, Joe Biden manteve a promessa que o excessivamente cauteloso Barack Obama e Donald Trump não honraram: ou seja, afastar-se do posto ruinoso dos EUA-9/11 como motivo da política externa.

A mais significativa das escolhas de Biden, a esse respeito, a retirada do Afeganistão, pode custar-lhe a reeleição em 2024. No entanto, ao aceitar a derrota no Afeganistão, o presidente dos Estados Unidos pode ter dado, a seus sucessores, a oportunidade de reorientar o consentimento interno para uma política externa mais por interesses estratégicos sistêmicos – como a competição com a China e a luta contra o aquecimento global – e menos pela decepção liberal e / ou imperial.

 

Edoardo Pacelli é jornalista, ex-diretor de pesquisa do CNR (Itália) e editor da revista Italiamiga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Últimas Notícias

Startup lança soluções para indústrias e pequenas e médias empresas

ReFact aposta em tecnologia própria inovadora para agilizar e unificar informações dos clientes no e-commerce.

Produção de cerveja retoma ao patamar de 2014: 14,1 bi de litros

Número de brasileiros que apreciaram uma cerveja em casa saltou para 68,6% em 2020, ante os 64,6% de 2019, de acordo com a Kantar.

Bem Brasil Alimentos acelera exportações de batatas pré-fritas

Indústria mineira realizou embarques para Bolívia, Uruguai e Estados Unidos e projeta quadruplicar o volume de vendas em 2021.

Vale cancela ações em tesouraria sem reduzir o valor do capital social

O Conselho de Administração da mineradora Vale aprovou o cancelamento de 152.016.372 ações ordinárias de emissão da companhia adquiridas em programas de recompra anteriores...