O 7 de Setembro dos patriotas que vendem a Nação

Nacionalistas de Miami privatizam até o que é estatal nos EUA.

De camisa amarela, adereços verdes (melhor ainda, a camisa oficial da Seleção), bandeira na mão, os patriotas irão às ruas defender a Nação, a família e a propriedade. Vão dar suporte ao ocaso de um desgoverno que adotou o lema O Petróleo é Deles, massacra as famílias com desemprego e inflação e só garante a propriedade de quem tem bala na agulha (literal e figurativamente).

Como pode se declarar patriota um militar que defende a privatização dos Correios (nos EUA, meca do liberalismo, o USPS é federal)? Como ser nacionalista e defender uma Petrobras restrita a extrair petróleo do pré-sal (as petroleiras que crescem no mundo são estatais)? Como defender o verde e amarelo e sonhar com a vida em Miami?

 

A imperatriz e o patriarca

“7 de Setembro é uma comemoração usurpada. Afinal, quem fez a Independência foi a imperatriz (escreveu o “laços fora”, instruiu o imperador, desenhou a bandeira e escolheu as cores). Mérito também do José Bonifácio, que a assessorou e costurou o reconhecimento da nova nação independente pelos EUA (não é à toa que há uma baita estátua dele em Nova York, na região bem novaiorquina do Bryan Park, no mesmo quarteirão da Biblioteca)”. A colaboração é do professor, economista e colunista Paulo Márcio de Mello.

 

Dívida vira serviços para o SUS

De autoria de um grupo de deputados, entre eles Pedro Westphalen (PP-RS) e Antonio Brito (PSD-BA), o Programa de Recuperação e Fortalecimento dos Estabelecimentos Hospitalares de Saúde (Profes, PL 5412/19) concede moratória de um ano e parcelamento da dívida tributária com a União de estabelecimentos hospitalares privados. Em contrapartida, os hospitais vão oferecer atendimentos médico gratuito a pacientes do SUS.

Presidente da Federação Brasileira de Hospitais, Adelvânio Francisco Morato avalia que o PL pode desafogar a demanda que existe na rede pública de saúde e reduzir o impacto da crise na rede privada hospitalar. Nos últimos dois anos, a dívida tributária de hospitais privados com a União saltou de R$ 56 bilhões para R$ 70 bilhões.

 

Para trás

O Governo Guedes-Bolsonaro está jogando fora as oportunidades trazidas pelos preços recordes das commodities. Se no início da década o Governo Lula surfou na valorização dos produtos básicos, agora a dupla tem como marca a estagflação.

 

Rápidas

Em parceria com a Robert Bosch, a PUCPR está com inscrições abertas para o Programa de Capacitação de Novos Talentos em Desenvolvimento de Software. Informações aqui *** A ceramista Solange Mano estará no “Gente que Faz”, da Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ e Instituto Preservale, nesta quarta-feira, às 18h, via Instagram @embaixadoresrio *** O comentarista de e influenciador @LeoFCAndrade vai explicar sobre regras e termos do futebol americano em live dia 13, às 19h, no Instagram do @brasasenglishcourse *** Nesta quarta, 9h a Associação Paulista de Estudos Tributários (Apet) realizará “Tributação Internacional e Reforma Tributária – O que esperar e os impactos em um mundo pós-Covid”. Inscrições aqui.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Terceira via tira a máscara

Diferença para atual governo está nos métodos, não nos fins.

Baía de Guanabara como sujeito de direitos

Em SC, Judiciário debate gestão e governança da Lagoa da Conceição.

Melhor bolinho de bacalhau

O mais novo ‘Patrimônio Cultural’, que foi frequentado por Pixinguinha.

Últimas Notícias

A desigualdade entre os ‘iguais’

Por Rafael Luciano de Mello.

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.

Formbook afetou mais de 5% das organizações

Capaz de capturar credenciais e registrar digitação de teclado, malware figurou em segundo lugar no ranking mensal do país.