O banqueiro do diabo

Com mais um feriadão, a coluna aproveita para recomendar a leitura de livros. Como Passagem do Tempo, de nosso colega colunista Sidney Hartung Buarque só será lançado nesta terça-feira, uma dica pode ser Lucifer's Banker. Editado no final do ano passado, o livro de memórias de Bradley Birkenfeld conta como o ex-executivo do UBS se tornou um delator do esquema de evasão de impostos operado pelo banco suíço com clientes dos Estados Unidos. Birkenfeld foi diretor do UBS em Genebra, gerenciando clientes norte-americanos com alta renda, mantendo seus bens nas contas numeradas secretas suíças. Em 2007, decidiu pela delação premiada – e bota prêmio nisso: US$ 104 milhões (US$ 75 milhões após descontados os impostos), o maior já pago pela IRS (a Receita Federal dos EUA). O pagamento veio após o UBS fechar acordo com a IRS e desembolsar US$ 780 milhões para encerrar as acusações (pagou mais US$ 200 milhões à SEC, a CVM de lá).

Birkenfeld não tem nada de modesto: se intitula o maior whistleblower (delator) do sistema financeiro da história, afirma que destruiu o sistema de contas secretas da Suíça, ajudou numerosos governos estrangeiros e que foi responsável pela repatriação de US$ 15 bilhões para os Estados Unidos. Ostenta dois Porsches na garagem de sua casa de frente para o mar, em New Hampshire. E, se saiu milionário, foi também o único executivo de banco condenado nesta trama: apesar da delação, pegou 40 meses de cana (cumpriu 30 e saiu para prisão domiciliar). A mão pesada da justiça do Tio Sam contra o denunciante e a facilidade com que os demais escaparam ainda intriga os procuradores.

Lucifer's Banker pode ser encontrado na Amazon (US$ 7,48 em versão eletrônica e US$ 19,97 em papel), apenas em inglês. Uma versão em alemão foi lançada este mês. Há negociações com França, Grécia, Itália, Japão, Polônia, Romênia, Rússia, Espanha e Tailândia.

 

Segredo

A Atos lança o Hoox for Business, smartphone corporativo com tecnologia de criptografia e autenticação, que promete ser a solução segura de comunicação para empresas. Garante proteção completa de dados confidenciais e estratégicos para profissionais dos setores público e privado e atende à classificação “restrito à Otan”. Deve ter fila de políticos e empresários brasileiros para comprar.

 

Geral

A greve geral dominou o Twitter nesta sexta-feira. As expressões e vocábulos da língua portuguesa referentes ao assunto “protesto” – que no início do mês de abril ocupavam a terceira posição atrás de “segurança” e “corrupção” no Monitor de Temas da DAPP/FGV – lideram a classificação da pesquisa, com 1.002.072 menções na rede, quase dez vezes mais que o segundo tópico (segurança, com 104.940).

 

Sofrendo do próprio veneno

A maior preocupação para os líderes das empresas de tecnologia é a concorrência de outros setores; 78% dos empresários entrevistados para o estudo “As empresas disruptivas do setor de tecnologia estão sofrendo disrupções” (“Disruptive technologies barometer. The disruptors are the disrupted”), realizado pela KPMG Internacional, afirmam tal preocupação.

As inovações surgem em ritmo acelerado. Algo novo hoje pode não ser tão eficaz amanhã. As empresas precisam se adequar e evoluir visando ao que o mercado tem de melhor a oferecer. A concorrência é inerente a qualquer mercado, basta saber utilizá-la a seu favor”, conclui o sócio da KPMG, Frank Meylan.

Estranho o mundo em que quebrar paradigmas passa a ser um objetivo em si.

 

Vem de longe

Último ministro da Previdência na ditadura, Jarbas Passarinho declarou, em cadeia (quem dera) nacional, que a Previdência estava falida. Waldir Pires assumiu a Previdência [em 15 de março de 1985] com uma equipe capaz e provou o contrário.” O comentário é de Janio de Freitas, em sua coluna – voz cada vez mais isolada na reacionária Folha de S.Paulo.

 

Memória

Nesta segunda-feira, 1º de maio, Dia do Trabalho, completam-se quatro anos do falecimento do diretor-presidente (em memória) do MONITOR MERCANTIL. Acurcio de Oliveira, que morreu aos 84 anos em plena atividade empresarial, certamente deve estar muito satisfeito em ver seu jornal se consolidar como o principal veículo econômico e financeiro do Rio de Janeiro. Missa será neste domingo, na N.S. da Paz, Ipanema, às 12h30.

 

Rápidas

Começa nesta quarta-feira o 34º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (Socerj), que será realizado até sexta, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro. A Casa de Saúde São José lançará no evento o livro Rotinas da Unidade Coronariana e Emergência Cardiológica *** Em maio, comemora-se o Mês da Oftalmologia *** O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, dará posse nesta terça-feira a 70 novos servidores do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), aprovados no concurso de 2014 *** O dólar comercial fechou abril com alta de 1,34%.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.