‘O Brasil insiste em salvar empregos em vez de salvar as pessoas’

Eduardo Mufarej: 'faltam políticas de investimentos na educação'; segundo estudo, país caiu duas posições em ranking de conversão de riqueza em bem-estar.

O Brasil é um país que insiste em salvar os empregos em vez de salvar as pessoas“. A afirmação é de Eduardo Mufarej, fundador da escola para políticos RenovaBR e da Good Karma, gestora de investimentos de impacto social e presidente da Somos Educação. Para ele, faltam políticas educacionais e de investimentos na educação e na formação dos jovens para o novo mercado de trabalho. De acordo com ele, “os últimos anos – desde as eleições – foram jogados no lixo do ponto de vista de políticas educacionais” e “o Brasil é um país que não vocaciona o aluno e está estagnado em produtividade”. Eduardo também faz duras críticas ao modelo de educação em que, segundo ele, “a pessoa vem da escola com a sensação de que perguntar é um crime”.

De acordo com o Boston Consulting Group, o Brasil caiu duas posições em ranking que calcula conversão de riqueza em bem-estar para a população. Segundo o estudo, o país tem bons números em estabilidade econômica e sociedade civil, mas fica abaixo da média em renda, desemprego e igualdade social. Para compor a média geral de cada nação, chamada de Seda Score, são mensurados 10 indicadores, que podem pontuar de 0 a 100: renda, estabilidade econômica, emprego, saúde, educação, infraestrutura, igualdade, sociedade civil, governança e meio ambiente.

Em 2020, o Brasil ocupou o 72º lugar na lista do Seda Score, entre 141 nações. O desempenho do país foi considerado intermediário com 48,4 pontos, caindo uma posição em relação a 2019, quando conseguiu 48,6 pontos. A título de comparação da evolução, há cinco anos a pontuação foi de 49,3 e o país ocupou a 64ª colocação e, há 10 anos, foi de 48,7, ficando na 60ª posição. No cenário latino-americano, o Brasil ocupa a 10ª posição entre 21 países, a mesma do ano anterior e atrás de Uruguai, Chile, Costa Rica, Argentina, Trinidad e Tobago, Panamá, Peru, México e Suriname.

Os destaques positivos na análise de 2020 para o Brasil foram estabilidade econômica (76,5 pontos), considerado bom de acordo com a métrica, porém abaixo da média global de 86,3; e sociedade civil (61,1 pontos), superando a média global de 50,6. Contudo, o país teve baixa pontuação no que se refere a renda (17,8 pontos), abaixo da média global de 18,1; desemprego (41,5 pontos), também abaixo da média global de 62,5 pontos; e igualdade social (31,4 pontos), quesito em que alcançou menos da metade da média global de 67 pontos.

Em relação à conversão de riqueza em bem-estar a partir das dimensões econômicas, de investimentos e sustentabilidade, o Brasil ficou na 65ª colocação, com 1,03 ponto, caindo duas posições em relação a 2019. O país subiu no comparativo com 5 anos atrás, quando estava 78ª colocação (0,99 ponto), e caiu se comparado com a lista de 10 anos atrás, em que somou 1,06 ponto e figurou na 55ª posição. De acordo com a metodologia, os países que conquistam índices acima de 1 ponto no coeficiente são considerados os melhores em converter renda em bem-estar para os cidadãos.

Nessa categoria, os 10 primeiros colocados no mundo foram Geórgia, Bielorrússia, Vietnam, Armênia, Moldávia, Ucrânia, Albânia, Mongólia, Polônia e Bulgária. Na América Latina, o top 10 é composto por Suriname, Peru, Costa Rica, Uruguai, Jamaica, Chile, Argentina, Equador, Colômbia e Bolívia – o Brasil ficou na 15ª colocação na região, atrás ainda de Paraguai, Nicarágua, El Salvador e México.

De acordo com o estudo, países com bom coeficiente de bem-estar conseguiram mitigar quedas na economia e limitar o crescimento do desemprego durante a pandemia, enquanto os que apresentaram índices não tão bons, no geral, caminharam no sentido inverso. Para governos melhorarem as pontuações e caminharem rumo à recuperação de uma crise, três dimensões de trabalho são indicadas: adotar medidas contra o aquecimento global, investir em digitalização e fortalecer a proteção social, garantindo crescimento sustentável e igualitário.

No ranking geral, o top-10 mundial conta com nove países europeus e um asiático: Suíça, Noruega, Finlândia, Islândia, Áustria, Dinamarca, Holanda, Suécia, Singapura e Luxemburgo.

Leia também:

Reforma não entrega empregos prometidos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.

Queda na indústria atinge todos os grupos de intensidade tecnológica

Perdas no primeiro trimestre de 2022 vão de 2,3% a 8,7%.

Otimismo dos comerciantes melhora em maio

Segundo a CNC, é o maior nível desde dezembro de 2021.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.