O cavalo do Espírito Santo

A praça de guerra e de pilhagem em que se transformou Vitória, no Espírito Santo, é o novo normal da sociedade brasileira. É a própria expressão da falência dos estados”, lamenta o jornalista e economista José Carlos de Assis, que aponta para a razão última da crise: a dívida que foi imputada aos estados pelo Governo Federal. “É uma dívida que nunca existiu, pois foi paga na origem pelo Governo Federal em nome dos estados”, ensina Assis. “Quando a União paga uma dívida de estado ou de município, ela os está substituindo com dinheiro tirado do contribuinte na base da pirâmide. No caso, a União não pagou a dívida original com tributos, mas com títulos da dívida pública dados aos bancos. Aí a relação federativa fica mais clara. De quem é o débito relativo ao título, se não do cidadão brasileiro em geral?”

A dívida é utilizada como elemento de chantagem, para enquadrar os governos estaduais no figurino do Estado mínimo, tese já atropelada pela crise de 2008, mas que continua fazendo sucesso em parte da elite no Brasil. Pois no Espírito Santo, não adiantou o governo local ter “feito o dever de casa”, um forte ajuste fiscal que congelou os salários do funcionalismo. Os preços não foram congelados, e agora os PMs reivindicam, de forma drástica para a população, aumentos para poderem sobreviver.

É a conhecida história do cavalo, que, quando estava quase se acostumando a viver sem comer, morreu, coitado.

Caiu para cima?

A coluna foi otimista ao prever que a cobertura dos jornalões sobre a indicação do ministro da Justiça de Temer, Alexandre de Moraes, para o STF teria um tratamento discreto e burocrático. Houve quase uma euforia, com direito a charge a favor (já dizia Millôr, jornalismo é oposição, o resto é armazém de secos e molhados).

Temer indicou Moraes para julgar processos que podem incluir não só membros do seu ministério, mas o próprio Temer – isso se o PGR Rodrigo Janot acelerar o passo, o que parece improvável.

Já o jornalista Luis Nassif acha que Temer aproveitou para se livrar de Moraes, que vem desgastando o governo a cada episódio, o mais recente a crise nos presídios.

Independência

No mesmo dia em que Michel Temer indica o ministro Alexandre de Moraes para o Supremo, onde será chamado a julgar ex-colegas de ministério e o próprio presidente, o procurador-geral da República, finalmente, pediu a abertura de inquérito para investigar um possível conluio do senador e ex-ministro Romero Jucá com o senador Renan Calheiros, com o ex-presidente José Sarney e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado para “estancar a sangria” da Operação Lava Jato.

Não se trata de denúncia, apesar de já terem transcorrido oito meses em que vieram à tona as gravações comprometedoras feitas pelo agora delator Sérgio Machado. É apenas uma solicitação para investigar. Caberá ao ministro Luiz Edson Fachin, novo relator da Lava Jato no STF, autorizar ou arquivar o pedido.

A favor de Janot, cabe registrar que, no ano passado, ele pedira a prisão dos envolvidos, o que foi negado pelo então ministro Teori Zavaski.

Oportunidade

O mercado de petróleo e de gás do Brasil representa uma importante oportunidade devido ao programa de desinvestimento da Petrobras e à futura rodada de licitações”, afirma Christoffer Mylde, vice-presidente de desenvolvimento corporativo da consultoria canadense Srpoule.

A empresa anunciou a contratação de Nelson Narciso Filho, novo executivo sênior da indústria de petróleo e gás, que vai liderar as iniciativas de desenvolvimento de negócios no Brasil. De 2006 a 2010, Narciso atuou como diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Viu

A Editora Abril perdeu 15% de receita publicitária em 2016, ano marcado pela chegada de Walter Longo à presidência e por mudanças estruturais.

Rápidas

Ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Britto será homenageado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) por sua contribuição na promoção e defesa dos Direitos Humanos. No próximo dia 13, o magistrado receberá o Prêmio FGV de Direitos Humanos *** A ESPM realiza aula aberta sobre o momento atual da economia, com enfoque no mercado imobiliário nacional e na cidade de São Paulo, no dia 15, às 19h30, na Unidade Joaquim Távora. Com entrada gratuita, o evento terá como palestrante o economista-chefe do Secovi-SP e docente do MBA em Negócios Imobiliários da ESPM-Universidade Secovi, Celso Petrucci. Inscrição no site http://www2.espm.br/eventos/aula-aberta-panorama-do-mercado-imobiliario-com-celso-petrucci?utm_source=Emkt_aula_aberta_SECOVI&utm_medium=Emkt&utm_content=pos-sp *** No próximo dia 15, às 19h, a 3RA Intercâmbio, em parceria com a Langara College, realiza palestra sobre educação no Canadá, no Centro de Convenções The Office, no bairro da Consolação. Informações e inscrições: https://www.eventbrite.com/e/langara-college-um-mundo-de-oportunidades-os-espera-em-vancouver-tickets-31310277884

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTemer vs. Temer
Próximo artigoOs dividendos dos barões

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.

O cenário da construção civil para 2022

Por Victor Gomes.

Sai edital da primeira desestatização de portos no país

Em Vitória a capacidade de movimentação portuária é de 7 milhões de toneladas

‘Olhos de Água’, romance delicado e apaixonante

Por Paulo Alonso.

CoronaVac é incluída no plano de vacinação para crianças

Governo vai pedir informações a estados para saber quantas doses vão precisar