O culpado

Os escandalosos erros das previsões feitas pelos economistas no início do ano não se devem apenas, nem principalmente, à baixa qualidade dos búzios nacionais depois da desvalorização do real. O principal puxador do colapso da quiromância econômica em 99 foi o ministro Pedro Malan.
Na condição de principal detentor dos instrumentos de política econômica, Malan prometeu, no início do ano, entregar ao FMI uma recessão que atingiria 4% do PIB e produziria superávit comercial de US$ 10,8 bilhões. Mais do que previsões, os números de Malan eram promessas – ou ameaças – de um fim de ano de terra arrasada.
O fato de consultores nacionais ou estrangeiros terem radicalizado suas previsões apenas confirma velho e manjado axioma, ignorado apenas pela mídia “chapa branca” e endividada em dólares: previsões de consultorias estão alavancadas nos interesses dos seus clientes.
As promessas de Malan não se concretizaram, menos por vontade do quiromancista, e sim pela resistência da sociedade brasileira. Ao contrário de quem vive no paraíso fiscal da economia virtual, os brasileiros produtivos e de carne e osso sabem que o preço a ser pago por uma recessão cavalar num país de desigualdades sociais tão acentuadas quanto o nosso, além de inútil, é extremamente elevado. Por isso, negaram-se a conceder o direito de exercê-lo a fundamentalistas que parecem confundir o cheiro de pólvora com o do espocar dos fogos da virada do ano.

Vítimas
Corroborando os dados nacionais do IBGE, divulgados há duas semanas, números do Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro mostram que a violência é a principal causa da mortalidade de crianças e jovens no estado. Na faixa de 15 a 19 anos, 1.317 mortes – 53% do total – foram causadas por violência, especialmente com emprego de armas de fogo. A segunda maior causa é o trânsito, com 272 casos. Apesar de não constar da estatística, pode-se especular o que está por trás dos números: a juventude fluminense, sem perspectivas, morre na mão do tráfico de drogas. Para tentar mapear o problema, a Secretaria estadual de Saúde exige, desde julho, que os hospitais da rede pública notifiquem as mortes. De lá para cá, a cidade de Duque de Caxias aparece como destaque negativo, com 85 dos 124 casos notificados. Comitê criado pela Secretaria de Saúde vai sugerir formas de prevenir a violência no estado.

Explosão
O ex-ministro da Fazenda Marcílio Marques Moreira, consultor da Merril Lynch, cunhou nova expressão para definir uma recorrente tungada no bolso da classe média e no caixa das empresas: inflação nuclear, tradução esquisita do inglês core inflation. A idéia é expurgar dos índices de preços variações muito grandes, como a do recente aumento do petróleo. Como todos vão continuar pagando mais caro pelos combustíveis e outros produtos, independente do termômetro que vá medir a variação de preços, fica claro em cima de quem essa proposta vai explodir.

Compras na rede
Brasil Online, empresa do Grupo Universo Online (UOL), testou nove livrarias e seis lojas de CDs nacionais, além de quatro lojas internacionais de cada categoria, para checar como anda o comércio eletrônico. As livrarias Siciliano Virtual e Bookpool foram consideradas as melhores nas categorias nacional e internacional, respectivamente. Livraria Saraiva e Audio House ganharam como as melhores lojas de CDs nacional e internacional. O teste mostrou que pesquisar compensa: o preço de um mesmo livro, mais o frete, pode variar de R$ 13,44 a R$ 21,30, ou ainda de US$ 20,95 a US$ 42,24. Quanto ao prazo, houve o caso de uma livraria virtual que fez entrega em um dia útil. As lojas de CDs apresentaram uma variação de preço de R$21,70 a R$ 31,06. As internacionais tiveram a diferença mais acentuada de US$ 16,94 a US$ 34,51. O primeiro CD chegou em dois dias úteis. A empresa não comparou preços entre as lojas da Internet e aquelas do mundo real.

Imagem
Nestes dias meio parados entre o Natal e a chegada do ano 2000, quem anda em atividade frenética são os marqueteiros do Governo federal. Ontem, em seu programa de rádio, FH recebeu o reforço do atleta do século Pelé e da atriz Tônia Carrero. Foram apoiar mais um blá-blá-blá do Governo, desta vez para a sociedade ajudar nas soluções dos problemas sociais – como se isso já não ocorresse, com o estímulo extra da omissão federal.

Não só de flores
O fecho do almoço de solidariedade ao brigadeiro Walter Bräuer, ontem, no Clube da Aeronáutica, ficou a cargo do cantor Geraldo Vandré. Vestindo uma camiseta da Força Aérea, Vandré, que prestou serviço militar sob o comando de Bräuer, emocionou as cerca de 700 pessoas presentes, entre militares (da ativa e da reserva) e civis, lendo o poema Fabiana, em que homenageia a Aeronáutica.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSaque
Próximo artigoMudando as regras

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Receita apreende mercadorias piratas avaliadas em R$ 1 milhão

Foram apreendidos na operação 170 volumes de mercadorias englobando videogames e acessórios, roteadores, entre outros.

Prorrogada a CPI dos royalties do Rio por 30 dias

Prorrogação do prazo se deve à complexidade da matéria e aos vários documentos requisitados que ainda estão sendo recebidos pela comissão.

Governo dos EUA se prepara para paralisação na semana que vem

Em outra frente de luta, líder democrata Nancy Pelosi anuncia acordo sobre pacote de Biden.

Alimentos são direito, não mercadoria, diz ONU

Três bilhões de pessoas não podem pagar uma dieta saudável.

PEC 32: Comissão da Câmara aprova texto-base da reforma administrativa

Proposta do relator tem terceirização e privatização do serviço público.