O Dirceu de Palocci

Por um incrível milagre, a mídia chapa branca transformou, no final de semana, o advogado Rogério Buratti em “ex-assessor” de Palocci. O operador do lixo foi bem mais que isso: secretário de Governo na primeira gestão do atual ministro da Fazenda na Prefeitura de Ribeirão Preto, Buratti seria o equivalente ao chefe da Casa Civil da Presidência da República.

Os eleito$
A convergência da crise política com o calendário de divulgação dos números da dívida pública permitiu, mesmo aos não-iniciados, entender as razões por trás do atestado de bons antecedentes concedido, precipitadamente, pela mídia local ao ministro da Fazenda, Antônio Palocci, lavrado nos singulares termos da “minha palavra me auto-absolve”. Enquanto, mais do que cotejar as declarações de Palocci com a investigação recomendada pelo bom jornalismo, a imprensa se dedicava a incensar o ministro e sua “vitoriosa política econômica”, a nomenclatura que governa o país informava que, apenas até julho, a dívida do setor público engordou R$ 105,41 bilhões – equivalente a cerca de três vezes o orçamento destinado – mas não liberado – à Saúde este ano.
A coincidência entre os dois fatos explica melhor do que mil discursos os beneficiários dos sucesso da política econômica. Por isso, quando assevera o acerto do paloccismo mesmo numa fase pós-Palocci, a mídia não comete um erro de análise, mas incorre em grave imprecisão gramatical, ao omitir o complemento: certo para quem, cara pálida?

Mito atualizado
Mesmo sem se deixar aprisionar pelos condicionamentos do “politicamente correto”, redatores de notícias do campo governista deveriam manter atenção redobrada para evitar mal-entendidos. Braço sindical do governo Lula, a CUT, achou por recomendar, em seu site, a peça em cartaz no Museu da República Museu da República, no Rio: O Tesouro de Ali-Babá, escrito e dirigido por Antero de Sales. Além do tema, digamos contemporâneo, trata-se de um musical infantil, indicado para criança a partir de dois anos. Ou seja, pelo menos neste caso, não será preciso tirar as crianças da sala.

Pleno emprego
Começa nesta quarta-feira uma série de oito audiências públicas no Senado Federal, promovida pela Frente Parlamentar pelo Pleno Emprego, sobre uma nova política econômica para o Brasil. Esta audiência inicial tratará da proposta de déficit nominal zero, do deputado Delfim Netto, e sua relação com o mercado de trabalho. O ponto de vista de Delfim – que, convidado, não pode comparecer – próximo dele será defendido pelo economista Fábio Giambiagi. Serão também expositores o ex-presidente do BNDES Carlos Lessa e o ex-ministro da Previdência Raphael de Almeida Magalhães. O moderador será o assessor da Frente, economista José Carlos de Assis, integrante do Conselho Editorial do MM. A Frente de mais de 40 senadores e 80 deputados é presidida pelo senador Marcelo Crivella (PL-RJ) e tem como vice-presidente o deputado Sérgio Miranda (PCdoB-MG).

Casa nova
Restaurado, o antigo prédio da Casa da Moeda, no Centro do Rio, passa a abrigar o Arquivo Nacional. O prédio também oferecerá espaço para diversas atividades, integrando o corredor cultural do Rio de Janeiro. A obra foi executada com apoio da Acan, associação que dá suporte ao Arquivo Nacional, na gestão presidida pelo general Rubens Bayma Denys, ex-ministro dos Transportes. A entidade passará a ser presidida pelo consultor de Comunicação Licio Araújo, junto com o ex-reitor da Unirio Hans Jürgen Fernando Dohmann e o professor Geraldo Halfed, da Academia de Medicina Militar.

“Autênticos”
Os senadores Mão Santa (PI), Ramez Tebet (MS), Pedro Simon (RS), Garibaldi Alves Filho (RN), Sérgio Cabral (RJ), Almeida Lima (SE) e Íris de Araújo (GO, mulher de Íris Rezende) criaram o grupo “autêntico” no PMDB, que fará “oposição equilibrada e responsável ao governo federal”.  Amir Lando (RO), ex-ministro de Lula, é o oitavo integrante do grupo. Na década de 70, no então MDB, os “autênticos” lançaram a anticandidatura do deputado Ulysses Guimarães, da ala moderada da legenda, à presidência da República, contra o general Ernesto Geisel, na eleição indireta.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.