O direito dos povos indígenas às suas terras e o marco temporal

Inobstante o resultado do julgamento, há uma mora do Estado brasileiro na demarcação

O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu em 2009 a constitucionalidade e a legitimidade do processo demarcatório no caso Raposa Serra do Sol (Pet.3388/RR), oportunidade em que enfatizou o falso antagonismo entre a proteção dos direitos indígenas, o desenvolvimento e a proteção ambiental.

No referido julgamento, ao interpretar o artigo 231 da CF de 1988, o STF ressaltou o caráter originário do direito dos índios sobre as terras que tradicionalmente ocupam, possuindo o ato de demarcação natureza declaratória de uma situação jurídica preexistente.

Apesar de corresponder a “direitos originários”, o STF fixou a data de promulgação da Constituição (5 de outubro de 1988) como uma referência para averiguar a ocupação tradicional indígena, cujo território não poderia ter a dimensão de instância transnacional, além de estabelecer 19 salvaguardas ou condicionantes consistentes em regras sobre o usufruto de terras indígenas.

Isso levou muitos estudiosos do tema a crerem que a Corte não realizou uma análise sistemática e concretizadora dos direitos fundamentais dos índios às suas terras, reproduzindo uma visão hegemônica e estigmatizante sobre os povos indígenas sem ouvir os anseios indígenas ou mesmo considerar a realidade específica de cada etnia.

Para estes, a fixação de um marco temporal, bem como de condicionantes que privilegiam uma visão preservacionista e integracionista, contraria a trajetória constitucional dos direitos dos indígenas, de suas conquistas e lutas pelo respeito à sua cultura e seus modos de vida acabando por priorizar a posse civil como a habitação permanente.

Essa semana o marco temporal voltou à discussão no STF no julgamento do RE 1017365/SC (tema 1031). Foram ouvidas como amici curiae (amigos da corte) 35 entidades. A tese foi refutada por muitos expositores, especialmente diante da relevância identitária e direito ancestral dos índios sobre suas terras, inclusive já reconhecida pela Corte Interamericana de Direitos Humanos. Por outro lado, notadamente os representantes de produtores rurais veem no marco temporal uma segurança jurídica à continuidade de sua posse e produtividade de suas terras evitando conflitos e discussões sobre a demarcação de terras.

Inobstante o resultado do julgamento, que continua na próxima semana, não se ignora que há uma mora do Estado brasileiro na demarcação e desintrusão das terras indígenas. Cabe ao STF assegurar a demarcação e a posse efetiva das terras aos povos originários, muitos delas expulsos por conflitos agrários. Apenas assim se estará promovendo de fato a segurança jurídica e evitando o retrocesso social. Afinal, já ficou consignado nas Cortes nacionais e internacionais que a demarcação não importa apenas para a sobrevivência física e cultural dos povos nativos, mas também para a contenção do desmatamento e conservação da biodiversidade.

Ana Rita Albuquerque
Doutora em direito civil pela UERJ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Vinhos do Dão: elegância consistente do Centro Norte de Portugal

Dão Experience apresenta a riqueza de sua vitivinicultura com prova virtual de cinco vinhos premiados.

Eleitores brasileiros no exterior

Por Bayard Boiteux

‘Vices’ assumem e dão show de competência

Por Sidney Domingues e Sérgio Braga.

Últimas Notícias

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...

Receita Federal abre consulta a lote residual de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta última sexta-feira consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) relativo ao mês...

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...

81% dos brasileiros têm contas em mais de uma instituição financeira

Oito em cada dez brasileiros têm conta em mais de uma instituição financeira, ou seja, controla suas finanças de força desagregada. É o que...