O embaixador chinês destaca cooperação entre seu país e América Latina

Cliente em negociação com uma empresa brasileira no Pavilhão do Brasil durante a 4ª Exposição Internacional de Importação da China (CIIE, em inglês), em Shanghai, leste da China. (Xinhua/Zhu Yilin)

Xinhua - Silk Road

 

Rio de Janeiro, 16 dez (Xinhua) — O portal brasileiro Poder360 publicou nesta quarta-feira um artigo do embaixador chinês, Yang Wanming, no qual ele comenta o êxito da recente 3ª Reunião Ministerial do Fórum China-Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC).

Com o tema “Juntos, superando dificuldades atuais e criando oportunidades para construir uma comunidade de destino comum”, a reunião alcançou amplos consensos sobre o aprofundamento da confiança mútua estratégica e a cooperação pragmática em áreas prioritárias nos próximos três anos, afirmou o embaixador da China no Brasil.

No artigo, Yang recordou a participação de forma virtual do presidente Xi Jinping, que aproveitou o evento para “traçar o caminho para o desenvolvimento de alta qualidade das relações entre a China e os países da América Latina e Caribe (ALC) na nova era, dentro da Iniciativa de Desenvolvimento Global”, lançada por ele na Assembleia Geral da ONU em setembro passado para conclamar a comunidade internacional a fortalecer a cooperação em oito áreas principais.

Essas áreas, como ressaltou o embaixador, são a redução da pobreza, segurança alimentar, resposta à COVID-19 e vacinas, financiamento do desenvolvimento, mudança climática e desenvolvimento verde, industrialização, economia digital e conectividade, e aceleração da implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. “É mais um importante bem público global fornecido pela China depois da Iniciativa do Cinturão e Rota”, acrescentou.

“Na mensagem em vídeo, o presidente Xi Jinping assinalou que o mundo entrou num novo período de volatilidade e transformação, e que tanto a China quanto os países da ALC enfrentam novos temas de nossos tempos: promover a recuperação econômica pós-pandemia e proporcionar felicidade e bem-estar para nossos povos. Os países da ALC são bem-vindos a participar ativamente da Iniciativa de Desenvolvimento Global e trabalhar juntos com a China para construir uma comunidade de destino comum para o desenvolvimento global”, escreveu o embaixador no artigo publicado na seção Opinião do Poder360.

Para o diplomata, a reunião definiu o caminho para a parceria entre a China e os países da ALC na nova era. “O presidente Xi Jinping salientou que, desde o seu estabelecimento há sete anos, o Fórum China-CELAC tem impulsionado a entrada das relações entre a China e os países da ALC num novo tempo marcado por igualdade, benefício mútuo, inovação, abertura e benefício para os povos”, ressaltou.

No artigo, o embaixador citou ainda o discurso durante a reunião ministerial do conselheiro de Estado e chanceler da China, Wang Yi, que detalhou a proposta do presidente Xi Jinping de promover a cooperação entre a China e os países da ALC para a Iniciativa de Desenvolvimento Global, “elencando cinco pontos para criarem conjuntamente oportunidades para um desenvolvimento autônomo, interconectado, verde, aberto e benéfico para todos”.

Segundo ele, “os dois lados devem defender os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas e as normas basilares que regem as relações internacionais e se apoiar mutuamente para defender a soberania, a segurança e os interesses de desenvolvimento; levar adiante uma cooperação de alta qualidade na Iniciativa do Cinturão e Rota, dando força à recuperação pós-pandemia; intensificar a cooperação em setores emergentes, como economia digital, comércio eletrônico, veículos elétricos, inteligência artificial, agricultura inteligente, cidades inteligentes e 5G, dando forma a uma Rota da Seda Digital; defender o verdadeiro multilateralismo e tornar o desenvolvimento global mais equitativo, eficaz e inclusivo; expandir o intercâmbio e a parceria entre governos locais, empresas, mídias, think tanks e jovens, bem como a parceria em esporte e turismo”.

O artigo cita também as medidas anunciadas pela parte chinesa para aprofundar a cooperação com os países da ALC.

“A China vai estabelecer para a região dois empréstimos especiais respectivamente para a cooperação em desenvolvimento e para a parceria na economia digital, com o objetivo de apoiar a cooperação nas oito áreas identificadas na Iniciativa de Desenvolvimento Global. A China se compromete a encorajar a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, em inglês) a apoiar os países da ALC no enfrentamento da questão de segurança alimentar com o Fundo Fiduciário China-FAO para Cooperação Sul-Sul”, destacou Yang.

Além disso, ele acrescentou que a China também vai instalar o Centro de Desenvolvimento China-Caribe e fornecer 5 mil bolsas de estudo governamentais e 3 mil vagas em cursos de capacitação para os países da ALC”.

Segundo o embaixador chinês, a reunião aprovou dois documentos finais: “a Declaração da Terceira Reunião Ministerial do Fórum China-CELAC e o Plano de Ação Conjunta China-CELAC para Cooperação em Áreas Prioritárias (2022-2024), que traçam mapa de rotas para a cooperação entre os dois lados nos próximos três anos nas áreas política e de segurança, economia, infraestrutura, cooperação social, cultural e interpessoal, desenvolvimento sustentável e assuntos internacionais e regionais e demonstram a vontade de ambos os lados de construir uma comunidade de destino comum e enfrentar juntos os desafios globais”.

No artigo, Yang destacou que, na qualidade de “importantes parceiros de desenvolvimento indispensáveis um para o outro, a China e os países da ALC têm amplos consensos e grande potencial de cooperação para expandir a parceria, defender o multilateralismo, salvaguardar a soberania e a igualdade e promover o desenvolvimento sustentável.”

Na conclusão do texto, o embaixador citou especificamente o Brasil como “um país importante da região que tem desempenhado papel relevante no avanço das relações sino-latino-americanas” e enfatizou que a China “está disposta a unir forças com o Brasil e todos os países da região para promover a nossa parceria em todos os sentidos e construir juntos um novo futuro para o desenvolvimento”.

Produtos do Brasil em exposição durante a 4ª Exposição Internacional de Importação da China (CIIE, em inglês), em Shanghai, leste da China. (Xinhua/Zhu Yilin)

Baristas apresentam café do Brasil aos consumidores chinese no evento de exibição do Dia Nacional do Café do Brasil em Shanghai, leste da China, em 3 de dezembro de 2021. (Fang Zhe/Xinhua)

Trabalhadores descarregam um lote de vacinas contra COVID-19 da chinesa Sinovac do avião no aeroporto internacional de Santo Domingo, República Dominicana, 23 de fevereiro de 2021. (Sun Ning/Xinhua)

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

China implementará tarifas da RCEP para mercadorias da Coréia

A partir de 1 de fevereiro, a China adotará a taxa tarifária prometida sob o acordo da Parceria Econômica Abrangente Regional (RCEP), nas importações selecionadas da República da Coréia, conforme um comunicado divulgado pela Comissão de Tarifas Alfandegárias do Conselho de Estado, nesta quinta-feira.

Produto estrela da BGI Genomics é exibido na Pavilhão da China

Os modelos do Huo-Yan Air Laboratory da BGI Genomics, produto estrela de laboratório móvel de teste nucléico da gigante chinesa, foram exibidos na Pavilhão da China da Expo 2020 de Dubai durante 11 a 13 de janeiro.

China continua sendo destino favorito de investimento, informa WSJ

A China continua sendo um grande destino de investimento, pois suas startups de tecnologia atraíram uma quantidade recorde de financiamento de risco no ano passado, informou o Wall Street Journal nesta quinta-feira.

Últimas Notícias

Empresa brasileira de produtos médico-hospitalares cresce 20% em 2021

Faturamento foi de R$ 28 milhões.

Brasileiro buscou mais crédito para compra de veículo

Veículos pesados e motos se destacam

Varejo, petrolíferas e bancos puxam Ibovespa

Siderúrgicas e Vale ficam na contramão do mercado

Uso de cheque cai ladeira abaixo

Avanço tecnológico mudou hábito arraigado da clientela

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.