O exemplo da China

Esta coluna, em algumas oportunidades, já revelou a admiração pela capacidade da China em pensar a Nação, planejar e executar o que foi decidido, enquanto o Brasil – nas palavras tanto do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, quanto do senador Roberto Requião – padece da falta de um projeto nacional. A professora Maria da Conceição Tavares, em uma palestra no Clube de Engenharia, no Rio de Janeiro, foi perguntada sobre o crescimento chinês. De certa forma, desdenhou, afirmando que cresciam “há dez anos”, mas queria ver se mantinham isto “por 20 anos”. Desde a afirmação, se passaram mais de 15 anos…

O fato é que o crescimento econômico, acompanhado pelo geopolítico, da China se reflete no país. Sem querer ser presunçoso a ponto de analisar a vida chinesa após uma passagem de pouco mais de uma semana em Beijing, este colunista, porém, reuniu algumas impressões sobre a cidade e o povo. As obras estão em cada esquina, e parecem ser bem feitas, ao contrário do Brasil, em que tudo parece ser construído para ser refeito antes mesmo da inauguração. Em uma nova pavimentação feita na estrada que leva à Grande Muralha, o asfalto antigo é retirado, o novo é aplicado, e logo após a pintura é feita, deixando o serviço pronto em poucas horas. Mas este colunista viu dois operários almoçando sentados no asfalto quente, sob sol de mais de 30º…

Beijing é uma cidade limpa, ainda que praticamente não se vejam lixeiras nas ruas. O trânsito é um perfeito exemplo da Teoria do Caos – se alguém tentar acertar causará um acidente de proporções… chinesas. Em meio a ônibus fazendo retorno no meio da rua, pedestres, ciclistas e motoristas de lambretas dividindo espaço, não se vê um acidente ou xingamento; no máximo, uma fina buzina. Fosse em São Paulo, morreria um motociclista por dia (a estatística paulistana, na realidade, chega bem próximo a isto).

Mesmo em áreas turísticas, o estrangeiro é visto com curiosidade, já que a maioria dos visitantes são chineses do interior, que raríssimas vezes tiveram oportunidade de ver um ocidental ao vivo. Mais de uma vez, os brasileiros que participaram do 2º Fórum de Mídia do Brics receberam pedidos para tirar fotos com jovens chineses. E também mais de uma vez, ainda que em um hotel cinco estrelas, cidadãos da China evitaram entrar no mesmo elevador que os estrangeiros (por vergonha, garante uma chinesa).

A mulher ainda luta – com paciência… chinesa – pelo seu espaço. Mesmo na capital, e ocupando cada vez mais posições no mercado de trabalho, ainda é a ala feminina que cuida dos mais velhos e prepara as refeições da família após chegar do batente. E por refeição entenda-se, no mínimo, quatro pratos (feijão, arroz e bife contaria como um).

Beijing é uma capital que poderia estar em qualquer parte do mundo; tem um quê de São Paulo, extensa. Nota-se, sobretudo, o reflexo da economia forte. O consumo de marcas ocidentais faz sucesso. O que levanta a dúvida: será possível continuar conciliando a crescente desigualdade na sociedade? Enquanto o país continuar caminhando rumo ao primeiro posto do mundo, parece que sim.

 

Mau cheiro

O Departamento de Limpeza Urbana de Guarulhos, segunda maior cidade paulista, acaba de firmar um contrato de emergência com a Enob Engenharia Ambiental. Por R$ 7 milhões mensais, a empresa vai cuidar da operação e ampliação do aterro sanitário da cidade. A empresa firmou alguns contratos sem licitação com prefeituras paulistas – renovados sucessivas vezes. Os municípios de Mairinque, Piracicaba e Ribeirão Preto já passaram por isso e tiveram suas contas glosadas pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo.

 

Rápidas

Presidente do Internacional Project Management Association (IPMA Brasil), Raphael Abergarias traçará um panorama da gestão de projetos no Brasil na palestra New Challenge in Project Management, que será realizada pela FGV nesta terça-feira à noite. Informações: http://portal.fgv.br/eventos/new-challenges-project-management *** Sandra Guerra, ex-presidente do IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa), traz luz às questões da alta gestão em sua primeira obra como autora, o livro A Caixa-Preta da Governança (Editora Best Business), que será lançado nesta segunda, às 19h30, na Livraria da Travessa do Shopping Leblon (RJ). Haverá um painel de debates com Sandra, Armínio Fraga (ex-presidente do BC) e Pedro Parente, presidente da Petrobras *** As normas internacionais de contabilidade (IFRS) estarão em debate nesta segunda-feira (26), na Faculdade Fipecafi. Informações: www.fipecafi.org/ *** A importância da alimentação e a relação da criança com a comida são alguns dos assuntos que serão abordados pela nutricionista Ariane Bomgosto em palestra online, 28 de junho, às 17h , em parceria com o Centro de Ensino Brasillis. Informações pelo e-mail [email protected]

Artigo anteriorSeguro e genética
Próximo artigoQuem paga o pato
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.