O fracasso da privatização da água no Chile

Quase 100% dos direitos de aproveitamento estão nas mãos de mineradoras e agroexportadoras.

Internacional / 20:50 - 7 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Chile é o único país que tem quase 100% de sua água privatizada de forma perpétua, segundo a chilena Deisy Avendaño, integrante do Movimento de Afetados por Represas (MAR). Hernaça da ditadura de Augusto Pinochet, a privatização traz consequências para a população até hoje.

Inescrupulosamente, todas as empresas relacionadas ao setor da água, tanto para uso humano quanto para uso industrial, mantêm uma superexploração dos rios e lagos. Muitas das indústrias não recebem sanções pela contaminação da água e as comunidades nas quais há exploração de recursos hídricos são obrigadas a enfrentar o ‘saque’ da água, com soluções desumanas”, afirma Avendaño em entrevista ao jornal Brasil de Fato.

Existem cerca de 47 mil famílias chilenas em situação precária em relação ao acesso à água potável. Ao menos 47% da população da área rural não tenha acesso permanente e regular à água. 71 mil famílias recebem água por caminhões-pipa, outro setor que mantém seus lucros com com base nesse elemento vital.

Hoje, 90% dos direitos de aproveitamento da água estão nas mãos de empresas mineradoras e agroexportadoras, enquanto praticamente 100% dos direitos de aproveitamento da água de uso não consuntivo (não consumível, como a pesca ou a navegação) estão nas mãos de empresas transnacionais como a empresa espanhola Endesa”, complementa.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor