27.9 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, janeiro 21, 2021

O Fundo Clima em debate no STF

Coincidindo com o Dia da Árvore, 21 de setembro, iniciou-se no Supremo Tribunal Federal (STF) a audiência pública coordenada pelo relator da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 708, ministro Luís Roberto Barroso, na qual o Partido Socialista Brasileiro (PSB), o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), o Partido dos Trabalhadores (PT) e a Rede Sustentabilidade apontam suposta omissão do Governo Federal por não adotar providências para o funcionamento do Fundo do Clima, instituído pela Lei 12.114/2009.

A demanda visa obrigar a União a adotar as medidas administrativas necessárias para reativar o funcionamento do Fundo Clima que, segundo a inicial, se encontra contingenciado, inclusive determinando à União, através do Ministério do Meio Ambiente, a apresentar o Plano Anual de Aplicação de Recursos do Fundo Clima para 2020 bem como para os anos subsequentes.

O Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, também conhecido como Fundo Clima, foi criado pela Lei 12.114, de 9 de dezembro de 2009 – portanto, há quase 10 anos – e tem por finalidade promover atividades de financiamento de políticas que busquem mitigar as emergências climáticas.

O Fundo Clima também é citado na Lei 12.187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC), como um dos instrumentos da PNMC (art. 6º). O arcabouço legal é a base para cumprimento das metas do Acordo de Paris firmado em dezembro de 2015 durante a COP21 (a 21ª Convenção das Partes sobre Mudança do Clima) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, que busca manter o aumento da temperatura global abaixo de 2ºC (em relação aos níveis pré-industriais), fazendo esforço para limitá-lo a 1,5º C.

O acordo entrou em vigor em 4 de novembro de 2016 e até hoje, dos 196 países que fazem parte da Convenção, 180 ratificaram o acordo, entre eles o Brasil. Com o acordo, cada país estabeleceu sua meta. A do Brasil traz o compromisso de, até 2025, reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) em 37% em relação ao nível registrado em 2005. A fim de alcançar a meta, o Brasil pretende adotar medidas que incluem, entre outras: alcançar, na Amazônia brasileira, zero desmatamento ilegal até 2030 e compensar as emissões de gases de efeito estufa da supressão legal de vegetação até 2030; restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas; restaurar mais 15 milhões de hectares de pastagens degradadas até 2030 e a melhoria de 5 milhões de hectares de sistemas integrados de lavoura-pecuária-floresta (ICLFS) até 2030.

A audiência pública foi encerrada no dia 22 de setembro, e foram ouvidos representantes de organizações não governamentais, de institutos ambientais, representantes dos órgãos públicos e pessoas ligadas às atividades empresariais. Muitos apresentaram estatísticas preocupantes sobre o avanço do desmatamento na Amazônia especialmente nos últimos dois anos. Houve denúncia sobre a existência de grupos organizados para o desmatamento e que são capazes da matar quem defenda a floresta. Foi ressaltado o declínio da biodiversidade e a necessidade de proteção da natureza para diminuir as emissões do efeito estufa.

Ao final o ministro Barroso observou que o Brasil está entre os sete maiores emissores de gases de efeito estufa. Porém, diferentemente de outros países em que as emissões, mesmo problemáticas, estão associadas ao progresso e ao consumo, no caso brasileiro elas decorrem de atividades criminosas como desmatamento, extração ilegal de madeiras, mineração ilegal e grilagem de terras. Destacou ainda que, apesar de o desmatamento na Amazônia nos últimos 50 anos ter sido de cerca de 20% de seu território, o PIB da região permaneceu estagnado em torno de 8% desde o final dos anos 1970. Segundo ele, um ativo valioso como a Floresta Amazônica está sendo destruído, sem desenvolvimento humano e sem melhoria das condições de vida das 25 milhões de pessoas que habitam a região (portal.stf.jus.br/listagem/listarNoticias.asp?termoPesquisa=FUNDO%20CLIMA).

O ministro disse ser consenso que o Fundo do Clima, ao viabilizar estudos, projetos e empreendimentos de preservação da floresta, tem papel importante no atingimento das metas de redução de emissões assumidas pelo país. Por fim observou que não há incompatibilidade entre a preservação da floresta e o agronegócio e que ambos são prejudicados por atividades ilegais. “Para resolvermos nossos problemas, precisamos fazer diagnósticos corretos, e não criar uma realidade imaginária paralela. Olhando para frente, todos, governo, ONGs, acadêmicos e empresas, têm a posição de que a floresta de pé vale mais que a derrubada”, concluiu o referido ministro da suprema corte.

Resta aguardar o trâmite da demanda no STF e, entrementes, a melhoria das políticas públicas em matéria ambiental no Brasil. De fato, são preocupantes os atuais níveis de queimadas na Amazônia Legal e no Pantanal Mato-Grossense, com enormes perdas de biodiversidade, gerando prejuízo para o clima do planeta e para a saúde de todos. Os dados recentemente divulgados, apesar de o inquérito não haver sido concluído pela Delegacia do Meio Ambiente, revelam que 90% das queimadas são provenientes de ações humanas voluntárias ou involuntárias, especialmente em médias e grandes propriedades rurais.

A única certeza que resta é a de que não há tempo a perder, nem mesmo para aguardar a decisão do STF. Espera-se que antes disso ocorram ações conjuntas e efetivas por parte dos governos federal, estaduais e municipais com a participação de toda a sociedade para a destinação e aplicação do Fundo Clima em projetos e ações sustentáveis.

Artigos Relacionados

A Década do Oceano

Seremos capazes de salvar o mar que nos cerca?.

Meio ambiente e solidariedade intergeracional

Diálogos tendem para uma corrida das nações para zero emissões em 2050.

Acordo de Paris completa cinco anos

Brasil não parece estar preocupado com o compromisso assumido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.