O golpe internacional

Crescem, de forma proporcional, artigos sobre golpe no Brasil em tradicionais publicações estrangeiras e as matérias na mídia local se esforçando para negar as denúncias. Jornais como The New York Times, The Guardian, El País e tantos outros têm publicado não somente opiniões de colunistas que classificam o que está em curso no Brasil como golpe, como também editoriais e reportagens (que, ao contrário das que ocupam os jornais locais, não são editorializadas) mostram, no mínimo, preocupação com a legalidade do processo de destituição de Dilma Rousseff.

O que poderia levar a mídia internacional a essa posição? Acreditar que é articulação do PT é risível. Ao contrário, destituir governos que não demostram total subserviência ao império é prática que está ocorrendo em toda a América Latina. Ainda que não o principal, um dos fatores é a inconsistência da argumentação pró-impeachment. Como justificar a deposição de uma presidente com a acusação de que teria cometido burla no orçamento fiscal, tendo como pano de fundo acusações de propina no governo, se o vice-presidente que se prepara para assumir o poder assinou decretos com o mesmo teor, e sobre cujo partido pesam iguais ou piores acusações de suborno? Com o agravante que não há nada diretamente contra Dilma, o que não ocorre com Michel Temer, acusado de operação ilegal com combustíveis.

O fato é que, lá fora, a imagem do Brasil está ficando desgastada, e não é pela ação do governo, mas pelo processo de impeachment, que deixa o país com jeito de republiqueta latina.

Ofensiva midiática

Alicia Bárcena, secretária executiva da Cepal, mandou mensagem à presidente Dilma Rousseff em que afirma estar alarmada em “ver a estabilidade democrática de sua pátria ameaçada”. “Nos violenta que hoje, sem juízo nem provas, servindo-se de uma ofensiva midiática que já decretou a condenação, se intente demolir sua imagem e seu legado, ao mesmo tempo em que se multiplica o empenho para reduzir a autoridade presidencial e interromper o mandato que entregaram nas urnas os cidadãos.

A postos

O economista Paulo Rabello de Castro, em correspondência a amigos, diz que, se convocado à guerra (possível Governo Temer) aceitará, a menos que cercado por tipos descritos como “velhacos e canalhas”. Diz que levará na mala a Agenda do Resgate do Brasil, e mostra preocupação com um cenário 2017/18, a começar pela a variação do PIB real no período e o impacto na mídia.

Um dos interlocutores diz ser impossível traçar tal cenário, por tão conturbado o período, e recomenda a Castro que só vá para Brasília em um governo após as eleições de 2018. No quadro atual, ele teria o mesmo destino de Joaquim Levy.

Água salgada

Leitor da coluna, cliente da Prolagos – empresa de abastecimento que atua na Região dos Lagos fluminense – tem sérias queixas não só de conta em valor exorbitante apresentada pela companhia, como também pela falta de resposta a suas reclamações. A conta do consumidor referente a dezembro do ano passado veio com a cobrança de 64m³, mas seu histórico de 46 anos mostra o consumo na faixa mínima, pois o imóvel, em Cabo Frio, é de veraneio.

Possível vazamento na cisterna de 10 mil litros levaria a uma inundação da rua, pois a quantidade equivaleria a cinco caminhões-pipa. A concessionária, depois de longa demora, vistoriou a residência, mas não comunicou o que apurou.

Pedalada?

Continuando na água do Rio de Janeiro, outra concessionária, a estatal Cedae, tem uma exótica forma de cobrança. O consumo é medido por faixas, cada uma com uma tarifa, que sobe à medida em que aumenta o gasto. A menor tarifa é até 20m³. Quem consome 25m³, por exemplo, pagaria um valor até o limite mínimo e uma tarifa maior pelos 5m³ restantes. Não para a Cedae, que cobra, por exemplo, 19m³ na primeira faixa, e 6m³ na seguinte, aumentando a conta final. Em alguns meses, se dá o inverso. Outras concessionárias, como a Águas de Niterói, na cidade vizinha, fazem a cobrança sem este sistema.

Rápidas

As concessões e as Parcerias Público-Privadas (PPP) são tema do Seminário Concessões e PPPs (Parcerias Público-Privadas) – Ampliação das Oportunidades de Negócios, nesta terça-feira, no SindusCon-SP (Rua Dona Veridiana, 55 – Santa Cecília) *** A Rede de Hotéis Othon passa a oferecer aos hóspedes internet gratuita em todas as unidades nacionais e internacionais. “Decidimos investir, ainda mais, para que nossos clientes possam se conectar à internet com velocidade e usufruir de boa cobertura”, afirma Fernando Chabert, diretor-superintendente *** O Berkman Center, ligado à Harvrd University, realizará no Rio de Janeiro, de quinta a sábado, a conferência “Racismo e discurso de ódio na internet: narrativas e contra-narrativas” (http://migre.me/tsmS4). O encontro reunirá especialistas do Brasil, Colômbia e Estados Unidos. No evento também serão lançadas as bases de um projeto de pesquisas que o Centro Berkman pretende estabelecer no Brasil, de forma colaborativa. Será no Windsor Guanabara Hotel (Av. Presidente Vargas, 392 – Centro). No sábado, ocorre a Oficina de Tecnologia, em Botafogo (http://migre.me/tsmPF).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Construção da P-80 ‘exporta’ 395 mil empregos

Candidatos defendem volta do conteúdo local e fazer reparos de embarcações no Rio.

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial

Petróleo sob disfarce de direitos humanos

China descobre grande reserva na Região de Uigur, alvo das ‘preocupações’ dos EUA.

Últimas Notícias

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.

Bares e restaurantes tiveram o maior faturamento do ano em julho

Segundo associação do setor, 32% dos estabelecimentos operaram com lucro no período, enquanto 41% tiveram equilíbrio.

China aprofunda cooperação agrícola pela segurança alimentar global

Quando os ventos sopram a exuberante fazenda de trigo que se estende por cerca de 300 hectares no noroeste do Zimbábue em agosto, é difícil acreditar que essa terra fértil era estéril há uma década.

Câmara do Rio cassa mandato de Gabriel Monteiro

Vereador foi julgado por quebra de decoro parlamentar.

ODI não financeiro da China sobe 4,4% de janeiro a julho

O investimento direto não financeiro (ODI, sigla em inglês) aplicado pela China no exterior atingiu 424,28 bilhões de yuans nos primeiros sete meses do ano, um aumento anual de 4,4%, mostram os dados oficiais nesta quinta-feira.