O grande business internacional dos vinhos de Bordeaux

A região vitivinícola de Bordeaux se localiza no sudoeste da França, na região da Aquitânia, e está dividida em sub-regiões, com perfis diferenciados de produção, sendo a área com maior número de vinhos classificados como AOCs (Appellations d’Origine Contrôlées) no país. Seguindo a norte, sul e leste da capital Bordeaux, pode-se chegar a várias comunas: Margaux, Pauillac, Graves, Sauternes, Saint Émilion, Pomerol, entre outras. A cidade é atravessada pelo Rio Garone, braço do estuário da Gironda, que liga o sudoeste da França ao oceano Atlântico e que teve papel histórico importante para o desenvolvimento da vitivinicultura de Bordeaux, facilitando o transporte internacional de seus vinhos.

A história de Bordeaux combina bom terroir, aristocracia e alto business do vinho, com todas as pitadas de talentos, privilégios e exclusões que uma mistura dessas pode conter. Os negociantes sempre foram personagens vitais para o desenvolvimento da indústria do vinho francês, e nessa região eles têm papel preponderante, porque desde cedo intermedeiam o pequeno negócio agrícola com outras regiões e o além-mar.

Em uma das visitas a Bordeaux, tive a honra de me hospedar no Château Magnol, de propriedade de um dos grandes negociantes da região: a Barton & Guestier. A BG foi criada em 1802 por Hugh Barton e Daniel Guestier, o primeiro, filho de irlandeses que se instalaram em Bordeaux em 1725 para fundarem uma empresa de transporte comercial naval, e o segundo, descendente de família de marinheiros, que se ocupavam da exportação de vinhos de Bordeaux para a América do Norte. A fácil conexão pelo oceano Atlântico, dentre outros aspectos políticos e econômicos, tornou, desde muito cedo, a Inglaterra e outros países ao norte importantes centros consumidores dos vinhos bordaleses, inicialmente, com um vinho tinto mais claro, quase rosé escuro, chamado “clarete”.

O Château Magnol, castelo sede da Barton & Guestier desde 1978, é circundado por um grande pátio, jardins e vinhedos. Ali produzem um Bordeaux tinto de mesmo nome, classificado como Cru Bourgeois AOC Haut-Médoc. Nessa sede, há duas grandes Caves, a Thomas Barton, construída nos primórdios do Château, inicialmente servindo para depósito de batatas e, depois, reformada em 1992, para guardar 3 mil garrafas de prestigiados vinhos de Bordeaux (o mais antigo, de 1881). A outra cave, Germain Rambaud, guarda memórias de um passado sinistro: foi construída em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, quando o Château foi tomado pelos alemães e palco de execuções de soldados ingleses, envolvidos na chamada Missão Frankton, em Bordeaux, para impedir o envio de material bélico ao Japão. A Germain Rambaud também foi reformada e comporta hoje 17 mil garrafas de vinhos do grupo.

O Grupo Barton & Guestier atua hoje em mais de 130 países, como negociante de vinhos franceses, oriundos de grande parte das regiões produtoras do país: além de Bordeaux, o Vale do Loire, a Borgonha, o Vale do Rhône, Provence, Languedoc e Córsega. Hoje, os vinhos tintos que respondem pela reputação de Bordeaux nada têm a ver com os claretes do passado, ao contrário, são vinhos de cor concentrada, com grande estrutura e complexidade. Na parte setentrional do Médoc, predominam vinhos bem longevos, que, se bebidos jovens, estarão ainda tânicos. Mais ao sul, como no Haut-Médoc, os vinhos são ricos, complexos, elegantes e, normalmente, podem ser bebidos mais jovens. O solo, base de calcário com aluviões de cascalho arenoso, está bem adaptado à expressão de suas castas principais.

 

Luto no mundo do vinho

A Covid-19 não poupa ninguém, nem grandes personalidades, com recursos para os melhores tratamentos. O mundo brasileiro do vinho perdeu, na última quinta, 20 de agosto, um dos seus empresários mais bem-sucedidos, Celso La Pastina, proprietário do Grupo La Pastina/World Wine, grande importador de vinhos e produtos gourmet. Com apenas 61 anos, o empresário estava internado há quase dois meses, em um quadro agravado por complicações cardíacas. Descendente de italianos, seu pai criou o La Pastina em 1947, inicialmente um atacadista de cebolas. Na década de 1970, começaram a trazer azeites e conservas do Chile e Portugal e, na década de 1990, as importações aumentaram, e o braço mais voltado aos vinhos (World Wine) se estabeleceu em 1999, com uma participação efetiva e exitosa do Celso La Pastina em sua administração.

 

Para infs sobre as Masters Class Online de Míriam Aguiar e os cursos da Cafa Formations, de Bordeaux:

Instagram: @miriamaguiar.vinhos, e-mail: maguiarvinhos@gmail.com

Artigos Relacionados

Vinhos varietais de almas franco-alemãs

Sete são as cepas permitidas para levar o nome da AOC Alsace

Verão pede vinho branco, e os da Alsácia são imperdíveis

A região também é um dos melhores roteiros vitivinícolas do mundo.

Espumantes para torcer por um 2021 melhor

Diante do aumento de consumo de vinhos, creio que 2020 será um marco para a história do mercado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Omissão em documento laboral deve ser resolvida na Justiça do Trabalho

Decisão afasta ações contra o INSS por possíveis erros cometidos pelas empresas.

Biden retoma restrições a viajantes que chegam do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.