O grande quadro da desconstrução nacional

Projeto para jogar o Brasil para escanteio.

Muitas vezes, os atos de desconstrução do Brasil que vêm sendo praticados nos últimos anos são criticados de forma isolada. Perde-se o “grande quadro”, tão valorizado pelos norte-americanos. Estes atentados recentes ao país não vêm só do Governo Bolsonaro; eles marcaram o Governo Temer e começaram antes dele, no autogolpe de Dilma Rousseff, ao terceirizar a condução da política econômica. Vamos a alguns deles:

Redução de verbas para universidades

Cortes na pesquisa

Mutilação do Mais Médicos

Fim da produção, por laboratórios nacionais, de medicamentos de uso contínuo

Acordo com a União Europeia

Desmonte das empresas nacionais capazes de competir no exterior

Redução da importância da Petrobras

Entrega do pré-sal

Fim do Fundo Soberano (o da Noruega, grande produtor de petróleo, como o Brasil, tem mais de US$ 1 trilhão)

Ataques aos direitos trabalhistas

Cortes nas verbas dos sindicatos (inclusive patronais, mantendo fortes apenas as federações que recebem recursos compulsórios via Sistema S)

Independência do Banco Central

Demolição do BNDES e demais bancos públicos

E os mais óbvios: reformas da Previdência e Tributária, ampliando a desigualdade social

Vistos em conjunto, tem-se o quadro de um projeto destinado a tirar do Brasil qualquer capacidade de se desenvolver e exercer uma posição soberana no mundo.

 

A caravana passa

O boicote capitaneado pelos EUA não impediu que a Huawei alcançasse prêmios de destaque e fosse escolhida como a 12ª marca mais valiosa do mundo em 2019 (Ranking Global 500) e a 7ª marca de tecnologia mais importante do mundo (Ranking Tech 100). De acordo com o Brand Finance, o valor da marca Huawei cresceu 63,7% no último ano, passando para US$ 62,278 milhões.

A recém-lançada linha P30 vendeu 10 milhões de unidades em 85 dias em todo o mundo, dois meses mais rápido que a sua antecessora, a P20.

 

Não existe almoço grátis

Então o Rei do PowerPoint, paladino da luta contra a corrupção, gosta de um parque aquático?

 

Para inglês ver

Em público, o presidente Jair Bolsonaro criticou a decisão da justiça de não punir Adélio Bispo de Oliveira, autor da facada em Juiz de Fora. Nos bastidores, nem o Ministério Público Federal, nem os advogados do presidente, que assessoravam a acusação, mexeram uma palha para recorrer da sentença que considerou Adélio inimputável, por problemas jurídicos.

A sentença transitou em julgado, ou seja, não cabe mais recurso. Fica tudo assim: sem grandes explicações, com investigações capengas e muitas dúvidas no ar.

 

Paralisia

Flávio Bolsonaro respira aliviado; Queiroz pode sair do esconderijo (apesar de ninguém ter demonstrado interesse em procurá-lo); Jair Bolsonaro não precisa dar mais explicações sobre o cheque na conta da primeira-dama. Como diria Dallagnol, “aha, uhu, o STF é nosso”.

 

Rápidas

O professor e juiz da Corte Suprema do Peru José Antonio Neyra Flores fará palestra nesta quarta-feira, a partir das 19h, em São Paulo, sobre a Lava Jato em terras peruanas. O evento será na Alameda dos Indígenas, 245, Planalto Paulista *** Até o final de julho, a Clínica Neurovida, unidade Recreio (RJ), aceita doações de agasalhos para adultos e crianças. Quem quiser participar pode obter mais informações pelos telefones (21) 3738-9800 / 97513-2413 (whatsapp) *** O cantor Leandro Laranja se apresenta nesta quinta-feira, às 19h, no Shopping Jardim Guadalupe *** A Câmara Setorial de Petróleo e Gás da Associação Comercial de Santos (ACS), em parceria com o Sebrae, lançará dia 24 portal de cadastramento das empresas da região interessadas em fornecer produtos e serviços para plataformas de petróleo da Bacia de Santos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

R5, a nova onda dos Brics

Paulo Nogueira Batista Jr. defende impulso a uso de moedas nacionais nas relações do bloco.

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução