O homem como elemento da natureza – uma visão ecológica

Países como Índia, Nova Zelândia e Colômbia reconheceram personalidade jurídica de rios.

Tentar superar a visão antropocêntrica hoje predominante nas relações entre homem e natureza pode ajudar a ultrapassar os obstáculos do pensamento de que os direitos são atribuíveis, em especial, apenas às pessoas humanas e melhor concretizar a proteção da natureza da qual, queiramos ou não, fazemos parte.

De acordo com a Constituição do Equador, a natureza tem direito a que sejam respeitados integralmente a sua existência, manutenção e regeneração de seus ciclos vitais, estrutura funções e processos evolutivos. A ideia de que plantas, animais e ecossistemas possam reivindicar direitos insere novos deveres para com o ambiente, segundo uma perspectiva biocêntrica na qual humanos e natureza se integram e confundem para a preservação da vida na terra.

Essa concepção de direitos da natureza, bem elucidados segundo as perspectivas da ecologia profunda (deep ecology), com base nos estudos de Aldo Leopold e Arne Naess, envolve um forte respeito pela natureza. Países como a Índia reconheceram, por decisão judicial, a personalidade jurídica dos rios sagrados Ganges e Yamuna, em 2017, exemplo seguido pela Nova Zelândia em relação ao rio Whanganui e pela Colômbia em referência ao rio Atrato e à Amazônia Colombiana.

A compreensão da ética ecológica que irmana todos os povos e habitantes do mesmo planeta foi disposta na “Carta da Terra” (reconhecida pela Unesco em 2000) e elaborada por ocasião da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a ECO-92, realizada no Rio de Janeiro, em 1992.

Os efeitos das mudanças climáticas, o modo de vida industrial instaurado na modernidade e de aproveitamento pouco sustentável dos recursos naturais e da biodiversidade, demonstram que a vida terrestre está sob ameaça severa. Por isso, buscar na sociedade contemporânea outros caminhos para equacionar as necessidades humanas e os limites do planeta torna-se urgente.

Nesse caos que se anuncia, já anunciado pela pandemia de Covid-19, capaz de ceifar inúmeras vidas, abre-se espaço para a ecologia questionar a perspectiva antropocêntrica e a visão utilitarista da natureza, a fim de que também os não-humanos mereçam respeito pelo seu valor intrínseco. Os estudos demonstram que a ética ecológica pode ajudar a alcançar a Justiça Ambiental e Ecológica, inclusive com o reconhecimento dos povos originários e suas culturas, além da proteção da biodiversidade e das florestas.

A ética ecológica solidariza o homem e a natureza, mas requer uma abordagem multidimensional e plural, podendo oferecer novas bases ao modelo civilizacional até aqui dominante, que já se mostrou incapaz de resolver a crise ambiental hoje vivenciada. As interações do homem com o mundo não-humano necessitam ser ponderadas e não podem prevalecer em qualquer caso. O corte de uma única árvore ou mesmo a abertura de espaços em uma floresta, com prejuízo da vegetação nativa e das nascentes, ainda que para formação de pasto ou plantação de soja ou atividades de exploração mineral e industrial, tem que ser confrontada com essa ética, na qual todos os seres vivos precisam conviver em harmonia a fim de não comprometer a saúde do planeta.

As discussões em torno da superação da lógica antropocêntrica segundo a ecologia ganham espaço à medida que se percebe que o direito humano ao meio ambiente compreende não só o direito à vida humana, mas à preservação da vida no planeta para as presentes e futuras gerações.

Leia mais:

Acesso à água e gênero

O ‘ponto de não retorno’ da Floresta Amazônica

Ana Rita Albuquerque
Doutora em direito civil pela UERJ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mais um evento no Rio

Expectativa é receber cerca de mil empresas do setor de supermercados.

Ceciliano lidera mais uma frente em defesa do Rio

Governo Federal quer desviar térmicas para o Nordeste.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Últimas Notícias

Português é o idioma mais procurado para trabalhos em NY

De acordo com o Instituto Camões, a língua portuguesa é a quarta mais falada no mundo, com 260 milhões de pessoas.

Metrô: Estação Presidente Vargas vai se chamar Saara

PL segue para segue para o governador Cláudio Castro, que tem 15 dias para sancionar ou vetar.

Mais um evento no Rio

Expectativa é receber cerca de mil empresas do setor de supermercados.

Check-up do acerto de contas com o Leão

Por Sandro Rodrigues