O lucro é seu, o risco é nosso

O governo interino planeja renegociar os contratos de concessão firmados em 2013 e 2014. A alegação de Moreira Franco, “homem forte” das privatizações de Michel Temer, é que uma crise econômica do tamanho da que estamos atravessando “muda tudo”. Assim, compromissos de investimentos e até pagamentos de outorgas seriam aliviados (já são R$ 2,5 bilhões atrasados) – isto em um governo que pretende implementar cortes na saúde, educação e previdência alegando não ter dinheiro.

Em entrevista ao Blogo do Josias, Moreira Franco rebateu a pergunta se as empresas deveriam assumir os riscos. “Isso não é risco, é imprevisto.” Talvez no vocabulário do Planalto. Nos dicionários, risco é “probabilidade de insucesso de determinado empreendimento, em função de acontecimento eventual, incerto, cuja ocorrência não depende exclusivamente da vontade dos interessados”.

Desmonte

Na longa entrevista que concedeu à Folha, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, cometeu inúmeros deslizes. Alguns mereceram censura da campanha Todo o Petróleo Tem que Ser Nosso, liderada pelo Sindipetro-RJ e Federação Nacional dos Petroleiro (FNP).

Parente sustenta que o petróleo do pré-sal é menos do que se dizia, tendo sido furados muitos poços secos. “É absolutamente falso. As estimativas são de que há muito mais petróleo no fundo do mar do que se imagina. A produção do pré-sal cresce em ritmo impressionante (8% em maio sobre abril), o que não corresponde à ideia de que as reservas sejam menores do que as anunciadas anteriormente. O custo de extração vem caindo”, diz a campanha.

De fato, a própria estatal confirma a “a alta produtividade dos campos do pré-sal” e que isto “resulta em uma redução contínua do custo de extração, que atingiu um valor inferior a US$ 8 por barril no primeiro trimestre deste ano. Um resultado bastante significativo, se comparado com a média da indústria”. Outros dados isentos mostram que o índice de sucesso (relação entre poços com óleo/poços perfurados) chega a 100%.

Em seguida, Parente sustenta que a construção do Comperj e da Refinaria Abreu e Lima não devem ser retomadas, porque não seria rentável para a Petrobras. Diz que “refinaria não dá lucro”. Os petroleiros rebatem a afirmação, lembrando que o Comperj é um investimento rentável na área petroquímica e que a refinaria Abreu e Lima a produção de combustíveis da empresa, reduzindo a necessidade de importações.

Parente disse que o único dogma é quanto à privatização da Petrobras. Mas, agindo da forma que ele afirma, privatizar não será necessário.

Exportação segura

Os portos brasileiros movimentaram 9.120.100 TEUs em 2015, o que representou um recuo de 1,8% face a 2014 (9.289.900 TEUs), de acordo com o Centro Nacional de Navegação Transatlântica (Centronave), entidade que reúne 23 armadores brasileiros e global carriers que, em conjunto, respondem por mais de 95% do comércio exterior brasileiro em contêineres.

O levantamento inclui os segmentos de longo curso e cabotagem, bem como a movimentação de contêineres vazios. TEUs é a medida padrão para o contêiner de 20 pés. A queda foi menor do que era previsto graças ao aumento de 7,1% dos volumes de exportações. As importações sofreram queda de 10,2%.

Santos (SP) permanece na dianteira absoluta na movimentação de contêineres, com participação de 39,6% do total, seguido de Paranaguá (8,7%), Rio Grande (8,0%), Navegantes (7,4%), Manaus (6,1%) e Itapoá (5,9%). O Rio de Janeiro, que já foi um dos principais portos do país, aparece apenas na oitava posição, registrando queda de 19,7%.

Populismo cambial

O saldo de US$ 1,5 bilhão em apenas uma semana e outros efeitos positivos – como no movimento nos portos, como mostra a nota acima – das exportações podem ser ameaçados pelo contínuo flerte da equipe econômica com a valorização do real.

Ato

As seis centrais sindicais – CUT, UGT, Força Sindical, Nova Central, CSB e CTB – farão nesta terça, às 10h, um ato contra os juros altos, em frente a sede do Banco Central na Avenida Paulista, em São Paulo. O Comitê de Política Monetária (Copom) iniciará a reunião que quarta-feira definirá a nova Taxa Selic. As apostas são de manutenção, apesar da profunda recessão e do aumento do desemprego.

Rápidas

Há 72 anos desembarcaram em Nápoles os primeiros soldados dos 25 mil que o Brasil mandou para ajudar a derrotar o nazifascismo na Segunda Guerra Mundial. A Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira vai comemorar nesta quinta-feira, na Lapa (RJ). Informações: anvfeb@uol.com.br *** O Museu Casa do Pontal apresenta dia 23, entre 13h e 21h, “Um Viva a São João e outros Santos Festeiros!”, que une seminário e festa. O Museu fica no Recreio, Zona Oeste do Rio de Janeiro *** Aplicações em Repetro é o curso que o Ibef-Rio realiza em 1º de agosto. Mais informações: (21) 2217-5566 *** Nesta quarta, a Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRio) lança as Rodadas de Negócio, em parceria com o Programa Compra Rio, do governo estadual. A iniciativa tem por objetivo incrementar o volume de compras e contratações nas empresas fluminenses.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

IGP-M acumula inflação de 28,94% em 12 meses

Segundo FGV, taxa ficou em 2,53%, em fevereiro, após registrar 2,58% em janeiro.

Confiança do comércio tem leve alta em fevereiro

Segundo a FGV, é a primeira alta depois de quatro quedas consecutivas.

Balanço melhor que o esperado da Petrobras anima mercado nacional

Hoje, no exterior, Bolsas mundiais operam sem direção única.

O futuro está nas criptomoedas?

Quarta foi de intensa volatilidade nos mercados externos; por aqui com justificativa, ainda em função do imbróglio de Petrobras e Eletrobras.

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.