25 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

O medo mora ao lado

Faltando apenas o pregão de hoje para encerramento do mês, outubro mostra valorização de 2,08% e ainda estamos negativos em 2020 em 16,5%. Mas ontem os mercados americanos e a Bovespa mostraram alguma recuperação, depois de sucessivas quedas. A Bovespa valorizou 1,27%, aos 96.582 pontos, dólar em leve alta para R$ 5,77 e Dow Jones com alta de 0,52% e Nasdaq com +1,64%.

Depois de pregão encerrado, as big techs americanas divulgaram resultados referentes ao terceiro trimestre, e apesar dos enormes lucros, como Alphabet (Google) com US$ 11,2 bilhões, no after market registraram quedas. Os investidores já tinham antecipado isso.

Hoje as Bolsas da Ásia terminaram o dia com quedas (destaques negativos para Xangai e Tóquio), Europa operando com comportamento misto, mas já perdendo tração e futuros do mercado americano em queda. Aqui, há espaço para mais recuperação, mas o comportamento do exterior inibi maior reação.

O dia está sendo de divulgação de PIBs do terceiro trimestre na Europa e de preocupação com aumento de contágio pela covid-19. A Itália, por exemplo, bateu recorde pelo terceiro dia seguido. Na França, o PIB do terceiro trimestre expandiu 18,2% sobre o trimestre anterior e na Espanha +16,2%. Na Alemanha, na mesma base expansão de 8,2% e na Zona do Euro com +12,7% com vendas no varejo de setembro encolhendo 2,2%, mas a taxa anual é de +6,5%.

Na Zona do Euro, deflação anual de 0,3% para outubro e taxa de desemprego estável em setembro de 8,3%. Donald Trump adiou comício marcado para hoje na Carolina do Norte para a próxima segunda-feira, em razão do mau tempo. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque revertia para queda de 0,33%, com o barril cotado a US$ 36,05. O euro era transacionado estável em US$ 1,167 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,82%. O ouro e a prata mostravam altas na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago.

Aqui, o ministro Paulo Guedes se envolveu em nova polêmica, dessa vez com a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), que respondeu dizendo que sempre defendeu a preservação do teto de gastos. Já o presidente Jair Bolsonaro, que dizia que não se envolveria nas eleições municipais, ontem em live pediu votos para Cleso Russomano em São Paulo; e Marcelo Crivella no Rio de Janeiro.

Rodrigo Maia, presidente da Câmara, anda ainda irritado com a base de apoio do governo que tem obstruído a pauta de votações. Nesse mês de outubro, quase nada foi discutido ou votado.

Na agenda do dia teremos alguns dados com capacidade de mexer com os mercados e safra de resultados do terceiro trimestre. A expectativa é de Bovespa fraca, dólar podendo realizar e juros em queda.

.

Alvaro Bandeira

Sócio e economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Artigos Relacionados

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

EUA: índices futuros sobem com expectativa pela posse de Biden

Na Ásia, a maioria das Bolsas fecharam em alta com a expectativa de recuperação econômica global.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.