O mercado de criptomoedas e o poder de escolha

Por Jessyca Arieira.

Uma recente notícia de que Banco Santander proíbe clientes de fazer transferências à Binance no Reino Unido abalou o mercado na semana passada. Mas até que ponto as instituições financeiras vão resistir ao setor de criptomoedas?

É claro que a briga do sistema centralizado, comandados pelos órgãos reguladores, como Banco Central do Brasil, não coexiste com a tecnologia do sistema descentralizado utilizado no setor de criptomoedas. Mas até que ponto as instituições financeiras podem proibir seus clientes e usuários de transferirem os valores para corretoras de cripto?

As transações com criptomoedas são confirmadas através da blockchain, que funciona como um livro contábil, registrando-as com a quantia de cripto, quando foi feita, o endereço de origem e o de destino. A blockchain é pública e auditável; é o mesmo que ter abertura do sigilo bancário de todo mundo no planeta.

Toda transferência de criptomoedas gera um código único quando ela é confirmada na blockchain. Com esse código, é possível verificar se a transferência foi de fato realizada. Para uma transferência ser hackeada, seria necessário que o ataque fosse direcionado para toda cadeia de blocos, dentro do “livro razão”, o que se mostra pouco provável com a tecnologia de hoje.

Os bancos, inclusive, podem se valer a tecnologia blockchain sem que isso seja uma disputa de poder ou de transações com as criptomoedas. O próprio Banco Central do Brasil já aderiu ao Real Virtual por meio do Sandbox regulatório. Sim, a nossa moeda vai utilizar o sistema de criptomoedas, sendo o Banco Central emissor de moeda eletrônica.

Com base nesse sistema, verificamos que atualmente as instituições financeiras não podem mais resistir à tecnologia porque essa é uma causa perdida, mas limitar os clientes de transferirem dinheiro para as corretoras de criptoativos pode ser um precedente perigoso sobre a violação da autonomia da vontade do usuário. Ainda que se trate de uma proteção ao consumidor, tal prerrogativa não poderia ser arbitrada por uma instituição financeira e sim pelo próprio Estado, como países como a China fizeram.

Devemos estudar nossa reserva de valores e lembrar que se todos fossem às agências bancárias hoje sacar seus recursos, faltaria dinheiro, e todos sabemos disso. Portanto, a resistência do setor deve ser levada em consideração pelos usuários tanto no sistema centralizado quanto no sistema descentralizado, mas o poder de escolha não pode ser retirado de nós, simples mortais.

 

Jessyca Arieira é diretora jurídica da Associação Brasileira de Franquias (ABF) e sócia do escritório Arieira e Pires Advogados Associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Reflexões para Teoria do Estado Nacional: miscigenação, segregação

Por Felipe Quintas e Pedro Augusto Pinho.

Redução de impostos federais será o desafio para ano eleitoral

Por Milena Romero Rossin Garrido.

Últimas Notícias

Anatel recebe cerca de 1 milhão de queixas

Reclamações foram contra serviços de telefonia, internet e TV.

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial

Ação civil para incluir fonte solar em leilão de energia

Associação do setor fala em 'tratamento isonômico para empreendimentos fotovoltaicos participarem de leilões do Governo Federal.'

‘Política do calendário eleitoral reduz preço da gasolina’

Combustível recuou quase 10%; para Deyvid Bacelar, Bolsonaro tirou do preço o ICMS, que ia para escolas, hospitais... mas não mexeu no PPI'.

Freixo começa campanha anunciando aumento do salário mínimo regional

Fecomércio diz que 'não se aumenta salário por decreto': 'uma economia que gera emprego é o caminho para melhorar a renda do trabalhador.'