O olho dos EUA na África

Por Edoardo Pacelli.

Disputa com Rússia e China reativou interesse norte-americano

 

Com o fim da Guerra Fria, a África apareceu como um “problema”, alheio aos objetivos dos Estados Unidos. A agenda de Washington parecia focada na Europa, na América Latina e no Oriente Médio. Mas, após o ataque às Torres Gêmeas, o desligamento americano da África sofreu uma forte desaceleração. Desde 2007, sob a presidência de George W. Bush, foi instituído o Africom, comando para a África das Forças Armadas americanas.

Uma novidade que manifestou, de forma cristalina, o interesse estratégico dos Estados Unidos pelo continente, a ponto de o Pentágono estabelecer um comando único para todas as operações na África, quando antes fazia parte de três comandos geográficos distintos, todos voltados para outras frentes.

A construção de um comando para a África ocorreu em paralelo com um aumento progressivo do engajamento militar de Washington no continente, surgindo, em primeiro lugar, devido à guerra ao terrorismo de origem islâmica, que representa a plataforma mais importante para realizar (ainda hoje) as principais operações bélicas no continente.

Do Chifre da África às várias missões, mais ou menos secretas, no Sahel e em algumas áreas da África equatorial, os Estados Unidos, mesmo em momentos recentes de maior distanciamento dos destinos africanos, nunca abandonaram o continente.

O engajamento dos Estados Unidos na África teve, então, uma nova aceleração (e, também, uma mudança substancial em sua percepção e objetivos de longo prazo) com a inclusão do continente no grande desafio com a China e a Rússia. As duas superpotências “orientais”, de fato, construíram uma forte estratégia de penetração em toda a região nos últimos anos. Por meio da exploração de seus meios econômicos e tecnológicos, Moscou, acima de tudo, estaria vinculando as antigas relações da era soviética à nova geração de matérias-primas, armas e mercenários.

A resposta americana, em particular confirmada sob a nova administração Biden, foi a de um novo aumento do interesse pela África. Um interesse que, conforme redigido pelo embaixador Charles R. Stith, para o CEA (Conselho de Embaixadores Americanos), não é apenas militar e político, mas também econômico.

Charles R. Stith, membro do Conselho de Relações Exteriores e do CEA, é empresário, diplomata, escritor e político americano. Atualmente, ele é o presidente do The Pula Group, LLC, que investe em oportunidades de alto valor na África. Além disso, é o presidente não executivo do Centro de Liderança Presidencial Africano, uma ONG, com sede em Joanesburgo, focada no desenvolvimento de liderança e monitoramento de tendências econômicas e políticas na África.

De fato, muitos em Washington estão começando a acreditar que a África não seja, apenas, um conjunto de problemas intransponíveis, em que a América é obrigada a intervir como uma potência “benéfica”, mas um mercado potencialmente enorme que deve ser excluído da ambição de outras potências capazes de satisfazer as demandas africanas.

 

Edoardo Pacelli é jornalista, ex-diretor de pesquisa do CNR (Itália), editor da revista Italiamiga e vice-presidente do Ideus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

E outubro está chegando…

Por Paulo Alonso.

Check-up do acerto de contas com o Leão

Por Sandro Rodrigues

Últimas Notícias

Despesas de planos médicos atingiram R$ 206 bi na pandemia

Estudo mostra que aumento de 24% durante um ano está relacionado com a retomada de procedimentos médicos a partir de 2021.

Tunisianos investem em azeite orgânico para entrar no Brasil

Segundo executivo, Tunísia está em primeiro lugar no ranking global de azeites orgânicos.

População mais pobre está bastante pessimista em relação ao Brasil

Em contrapartida, segundo a Associação Comercial de São Paulo, classes AB e C mostram cada vez mais confiança na economia do país.

Saques extraordinários já somam 20% do patrimônio do FGTS

Para deputado, 'a nobreza do gasto não justifica o desvio do seu uso'.

Bolsas globais sobem após movimento do BC chinês

Corte de juros na China é um sinal positivo para Brasil, de modo que a Bolsa local possa acompanhar o bom humor global.