O passageiro parvo e o papagaio topetudo

Piada num momento desses?

O discurso de Bolsonaro na ONU me fez lembrar de uma piada que meu pai costumava contar:

Um passageiro, de aspecto parvo, estava na poltrona do avião prestes a decolar quando sentou ao seu lado um papagaio, com um grande topete (este acréscimo é meu). A ave já chegou dando ordens:

Aeromoça, sua imbecil, traga-me uma dose de uísque, com gelo!

E a comissária, assustada, trouxe imediatamente a bebida do papagaio, que não sossegou:

Você colocou muito gelo; traz outro, e direito!, sendo prontamente atendido.

E foi assim a viagem. O passageiro, vendo o exemplo do vizinho de assento, resolveu ir no mesmo tom:

Ô, garota – falando à comissária – traz logo minha comida que estou com uma fome danada!

E completou:

Traz uma cerveja, bem gelada, droga!

Os comissários de bordo perderam a paciência, pegaram papagaio e passageiro de aspecto aparvalhado, abriram a porta do avião, em pleno voo, a 35 mil pés de altitude, e chutaram os dois para fora da aeronave.

O papagaio se virou para o companheiro de poltrona e disse:

Para que não tem asa, você é muito abusado, hein?

 

Remédio amargo

O banco Santander reduziu as taxas do produto Financiamento Graduação Medicina de 1,59% para 1,39% ao mês – o que dá 18,01% ao ano, para uma inflação em torno de 3,5% anuais. O produto permite ao estudante contratar o financiamento a partir quarta mensalidade do curso, que hoje custa em média, segundo o Santander, R$ 7 mil.

Ajuda a entender porque os médicos cobram tão caro e recusam os salários do setor público. Se não fizer nenhuma amortização ao longo dos seis anos de curso, o profissional sairá da faculdade – antes de cumprir a residêncida obrigatória – devendo R$ 868.920.

 

Empregos em risco

A simplificação da estrutura de arrecadação de impostos teria potencial para criar 300 mil empregos no país, atesta estudo feito pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

O fim da burocracia é um desejo geral. O Brasil é o país onde se gasta mais tempo para lidar com a burocracia tributária no mundo. As empresas gastam 1.958 horas por ano com essas obrigações; na Argentia, são 311 horas.

Mas acreditar que a simplificação criaria empregos por si só vai mais no campo do desejo do que da realidade. Sem demanda, as empresas aproveitariam a folga para reduzir despesas e recuperar margens de lucro. Empregos novos dependem de consumo, e vice-versa.

Se a criação de vagas é duvidosa, a eliminação de postos de trabalho nos setores tributário e contábil, assim como nas empresas de TI voltadas para programas de gestão, é certa. Em um momento de crise, a redução da burocracia poderia podar empregos.

 

Ampliação na Serra

O resort de Teresópolis Le Canton participará do Congresso da ABAV, a partir do dia 25, em São Paulo, onde a diretora Mônica Paixão anunciará que, em 2020, o hotel ganhará mais 25 unidades habitacionais, piscinas e salões de evento reformados. O Le Canton também será homenageado com a entrega dos Prêmios Zarpo, como um dos grandes campeões do site de reservas

 

Para os ‘cucarachas’

Aproveitando que está nos EUA, Bolsonaro poderia perguntar ao “parça” Trump quando ele pretende privatizar as hidrelétricas norte-americanas – 73% estão nas mãos do Estado, diga-se, do US Army. Melhor perguntar logo, pois Trump logo estará ocupado com processo de impeachment.

 

Rápidas

O presidente da ABCO Nacional, carioca e experiente consultor Luiz Affonso Romano, fez palestra no EvoDay, em Campinas, este mês. O assunto abordado foi “A Consultoria – De Sócrates aos nossos dias” *** No próximo sábado, o Centro Universitário IBMR realizará o II Seminário Multidisciplinar em Saúde Mental, sobre a prevenção ao suicídio no âmbito universitário. Será no Campus Barra (RJ). Mais informações em ibmr.br *** Também no sábado, o Cinemark do Carioca Shopping terá uma sessão de cinema para crianças com distúrbios sensoriais e suas famílias, com exibição da animação Abominável. A Sessão Azul acontecerá às 11h *** O último Show da Sexta de setembro levará a banda Capitães de Areia ao Caxias Shopping, a partir das 19h30 *** O Música no Museu apresenta nesta quarta-feira, às 12h30, no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio, Felipe Naim ao piano. No programa, clássicos internacionais. Na quinta-feira, às 15h, no Centro Cultural Justiça Federal, também no Rio, o piano estará com Ismael Patriota, que interpretará clássicos brasileiros.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.