O pitoresco da globalização

Acredite se Puder / 13:41 - 3 de jul de 2001

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Roberto Colaninno, presidente-executivo da Telecom Italia, afirma que os principais acionistas não têm a intenção de vender suas participações. A Olivetti SpA é dona de 55% da Telecom Italia. A holding, no entanto, é a Luxemburgo Bell S.A., da qual Colaninno e o também integrante da diretoria da ex-estatal italiana Emilio Gnutti são os principais acionistas principais. Na semana passada a Bell acertou aumento de capital que acrescentará e consolidará sua participação na Olivetti em cerca de 23%. A recente venda em massa de ações de telecomunicações e a tomada hostil da Montedison SpA deram lugar a boatos de que a Telecom Italia será o alvo das próximas aquisições. Colaninno não comenta se a Fiat SpA, que lidera a oferta de compra do pela Montedison, poderia estar interessada na Telecom Italia. Apesar disso, o executivo e principal acionista admite que a sua empresa poderia ser adquirida. Fiat por enquanto só quer energia A Fiat SpA, por enquanto, prefere o setor de energia do que o de telecomunicações. Depois de liderar uma oferta pelo conglomerado italiano Montedison e sua subsidiária de energia Edison, anunciou as metas financeiras para este ano. O interessante é que nos países do Primeiro Mundo os dirigentes se preocupam em dar informações aos acionistas. Por exemplo, Paolo Cantaralla, o CEO da Fiat, em maio, a anunciou meta de lucro operacional de 1,1 bilhão de euros para este exercício. Agora, afirma que Cantarella também confirmou que não existe dinheiro envolvido na criação da Italenergia, mas a transação em andamento poderá provocar pequena diluição no lucro por ação, devido às amortizações, caso 100% do acordo seja aceito. A Fiat lidera o consórcio chamado Italenergia, que inclui a Eletricité de France na oferta pela Montedison e pela Edison. O grupo Italenergia já possui 52% da Montedison. E a Brasil Telecom como fica? Os italianos brigam e os brasileiros ficam na expectativa. A Telecom Italia enfrenta e discorda do Opportunity nas decisões para a Brasil Telecom Participações. Se houver a tal venda para a Fiat, haverá mudança nessas relações? Brasil Telecom quer participações A Brasil Telecom Participações, a terceira maior companhia de telefonia fixa do Brasil, poderá adquirir participação minoritária na Telemig Celular Participações para oferecer os serviços de telefonia "wireless". Para tanto, contratou o banco de investimentos UBS Warburg LLC para estudar a oferta pela Telemig Celular, segundo anúncio feito por Daniel Dantas. A Brasil Telecom, controlada pelo Opportunity e pela Telecom Italia SpA, não fez ofertas pelas licenças de telefonia móvel licitadas pela Anatel em fevereiro e março. A aquisição de parte da Telemig Celular poderá acabar com as disputas que já duram quase um ano entre o Opportunity e outros acionistas na companhia de telefonia móvel, ou seja, a Petros, a Previ e a Telos, além da Telesystem International Wireless, do Canadá, devido às mudanças feitas no regulamento da Telemig Celular e da Tele Norte Participações SA. Como os fundos recusaram na semana passada a segunda oferta do Opportunity para a compra das participações na Telemig Celular e na Tele Norte Celular, pode ser que agora aceitem a da Brasil Telecom.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor