25.6 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, janeiro 22, 2021

O problema é a ressaca

A votação no Senado favorável aos aplicativos de transporte individual e a indicação de que o Planalto vetará qualquer lei restritiva sugerem que ou o governo está preocupado com o efeito no emprego – o desemprego só não estourou porque muitos trabalhadores conseguem um bico de motorista – ou as práticas que a Lava Jato prometeu varrer do país estão mais firmes e fortes que nunca. Provavelmente, ambos.

O que há de fundo, porém, é o projeto de transformar o subemprego e a extrema exploração em padrão. Os aplicativos de transporte abocanham 25% do ganho do trabalhador, não fornecem os meios de produção e não garantem qualquer direito (isto no jurássico Brasil com sua obsoleta CLT, já que em países que se gabam da legislação trabalhista “moderna”, como EUA e Reino Unido, os direitos dos empregados estão sendo reconhecidos, e as empresas, obrigadas a arcar com suas obrigações). A relação de trabalho é clara, mas escamoteada para garantir máximo lucro e mínimo risco.

Nesse ritmo, daqui a pouco veremos apps de trabalho, em que empresas anunciarão suas necessidades no momento e trabalhadores desempregados, necessitando sobreviver, se submeterão a qualquer humilhação e condição degradante. Qualquer semelhança com um vídeo humorístico(?) que circula pelas redes, comparando o processo de seleção a um programa tipo The Voice, não será coincidência. Com as mudanças na CLT, que entram em vigor dia 11, uma operadora de franquia está oferecendo vagas com salário de R$ 4,45 por hora, para trabalhar cinco horas nos sábados e domingos (a coluna facilita as contas: são R$ 22,25 por dia, o que dá para comprar um Big Bob Artesanal e ficar com R$ 0,75 de troco; por mês, são impressionantes R$ 178). Já receberam 1,1 mil currículos.

A discussão não pode se limitar ao conforto e ao bolso do consumidor. Afinal, se levarmos este pensamento ao infinito, que se libere a venda de crack: dá satisfação imediata por um preço menor que o de uma garrafa de cachaça.

 

Apito

O árbitro de vídeo decidiu o jogo entre os argentinos Lanús e River Plate, na noite desta terça-feira. O River ganhava por 2×0, e seu rival precisaria de quatro gols para se classificar às finais da Libertadores. Conseguiu, sendo que dois deles com ajuda da TV – uma para tirar dúvida sobre impedimento, e a outra para confirmar um pênalti.

Acontece que o árbitro de vídeo não foi decisivo apenas nestes dois casos. No primeiro tempo, quando já ganhava por 2×0, o River Plate teve um pênalti a seu favor; o juiz não viu, mas a TV, sim. Porém, o recurso, que seria fundamental para definir a classificação, não foi utilizado.

Moral da história: o problema não é a tecnologia, mas o modo como é usada – e, principalmente, quem o comanda.

 

A voz do povo

Para desespero dos entreguistas, que não acreditam no Brasil e em nosso povo, a Petrobras foi escolhida, no Top of Mind, da Folha de S.Paulo, pelo 15º ano consecutivo, como a marca que representa o Brasil. A estatal também liderou nas categorias Combustível e Óleo Lubrificante, atestando a liderança da BR Distribuidora, que o Governo Temer deseja privatizar.

O Banco do Brasil e a Caixa encabeçaram a categoria Finanças. A pesquisa é feita junto ao público em geral para selecionar as empresas que se destacam em 63 categorias.

 

Alô, Meirelles!

A Sem Parar, que opera sistemas de pedágio automático, elevou a mensalidade de R$ 16,41 para R$ 21,74, um aumento de 32,5%. Pelo visto, não acreditam no índice de inflação oficial.

 

 

Rápidas

O departamento forense da KPMG no Brasil passou a ser liderado por Antônio Gesteira. O setor, que possui dois laboratórios de alta tecnologia, reúne mais de cem profissionais dedicados à investigação de fraudes *** A Reforma Trabalhista, que passa a vigorar no dia 11, será tema da palestra feita pela Roncato Advogados na próxima quarta-feira, às 9h, em São Paulo. Inscrição gratuita pelo e-mail comunicao@roncatoadvogados.com.br *** A banda Mr. Guns Cover Brasil abre a temporada de novembro do projeto Shows de Sexta do Caxias Shopping (RJ), sempre às 19h30 *** O Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem (CBMA) realiza, nos dias 9 e 10, o I Congresso Internacional de Mediação, na Firjan. Informações: cbma@cbma.com.br *** Na segunda, a partir das 14h, será realizado na Fiesp oficina Brasil-Portugal sobre gestão de resíduos sólidos. Mais informações: www.fiesp.com.br/agenda/workshop-brasil-portugal-sobre-gestao-de-residuos-solidos/

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.