O que não te contaram sobre o controle de preços

Estrutura montada na época da ditadura militar favorecia cartelização.

O consultor Luiz Affonso Romano, que comandou os preços em parte da época militar, mostra algumas pérolas daquele período, de 1965 a 1985. As solicitações de aumento de preços, apelidadas de SAPs, eram encaminhadas pelos sindicatos patronais ou associações de classe. Estas, mais ágeis, nasceram em profusão a partir de 1965 e proliferaram setores afora, às vezes com alvará na sala de um executivo de empresa líder em vendas.

As SAPs utilizavam as estruturas de custos da líder do setor e eram assinadas pelas demais empresas fabricantes do produto – as chamadas de caudatárias. Se encaminhadas pelo órgão de classe, as solicitações de aumento tinham um prazo de análise menor que os 45 dias oficiais. Os produtos novos também. “Era a cartelização oficializada pelos que deveriam combatê-la”, ironiza Romano.

Houve período em que o reajuste era sigiloso, só comunicado à empresa solicitante. Quando o pedido ia via associação, grupos de executivos ficavam reunidos, próximos à sala onde semanalmente eram analisados os reajustes de preços, à espera do resultado para, de pronto, avisar em conjunto, às diretorias das fábricas, que no dia seguinte implementavam o reajuste. O mesmo percentual igual e no mesmo dia. Beleza!

Algumas empresas líderes chegavam a fazer lobby para permanecer com os preços controlados. As empresas não se dedicavam à inovação, produtividade. Quase nada era importado, e a maioria tinha um prestigiado sócio brasileiro.

 

Varejo sobe, PIB cai

O destaque da agenda doméstica desta semana ficará para os indicadores de atividade econômica, como as vendas no varejo e o índice de atividade econômica do Banco Central (IBC-BR), analisa a equipe econômica do Daycoval Asset Management.

Para o varejo, os analistas esperam crescimento das vendas de 2% em novembro frente ao mês anterior. Na comparação contra o mesmo período do ano anterior o crescimento esperado é de 5,2%. “É importante enfatizar que o mês de novembro é marcado pela Black Friday, fenômeno de vendas que vem crescendo nos últimos na economia brasileira, e consequentemente alterando a sazonalidade do período”, afirma o Daycoval.

Para o varejo ampliado, que inclui as vendas de veículos e materiais de construção, a expectativa é de avanço de 0,8% na comparação contra outubro, ajustado sazonalmente, e 6% na comparação interanual.

Para o IBC-BR de novembro, as projeções apontam para uma queda de 0,27% na comparação contra o mês anterior e de crescimento de 0,51% contra o mesmo período do ano anterior. A queda do índice pode ser explicada parcialmente “pelo fraco desempenho da indústria no período”.

 

Sem refresco

Ao não renovar o decreto que reduzia de 10% para 4% a alíquota de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre os concentrados de refrigerantes da Zona Franca de Manaus, o governo poderá economizar quase R$ 2 bilhões para os cofres públicos em 2020. O cálculo é da Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras), entidade que reúne os pequenos produtores e que mantém estado de guerra permanente aos grandes do setor, especialmente Coca-Cola e Ambev.

Como Bolsonaro não assinou novo decreto neste ano, ele manteve, na prática, os efeitos do Decreto 9.394 de 2018, assinado pelo então presidente Michel Temer, e que reduz o percentual a partir deste mês. A Afrebras afirma que deputados e senadores da bancada federal do Amazonas arquitetam “um grande esquema contra o presidente Jair Bolsonaro”. Os parlamentares vão apostar no discurso de ameaça de que empregos também vão diminuir na região, alegando a redução dos benefícios.

A Associação afirma que, no ano passado, a União deixou de recolher R$ 25 bilhões em tributos (IPI, PIS/Cofins e Imposto de Importação) dessas grandes companhias.

 

Impreção’

O ministro da (des)Educação, Abraham Weintraub, garante que os novos livros didáticos que serão distribuídos por este governo não trarão “ideologia”. Uma dúvida: ele quis dizer ideologia com “g” ou com “j”?

 

Rápidas

A Accountfy, fintech especializada em automatizar a gestão de balanços e demonstrações financeiras das empresas, anuncia Matheus Faria para comandar o setor de marketing *** O cantor sertanejo Bruno Baga sobe ao palco do Caxias Shopping nesta sexta-feira, a partir das 19h30.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Batendo palma para maluco dançar

CPI precisa ser ágil para não deixar governistas propagarem mentiras impunemente.

Cristiano Ronaldo, Coca-Cola e Nelson Rodrigues

Atitude do craque português realmente derrubou ações da companhia de bebidas?

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Pacientes com Covid têm dificuldades a benefício por incapacidade

Nesta terça, Bolsonaro vetou PL aprovado pelo Congresso que dispensa carência do INSS para novas doenças.

Sauditas vêm visitar regiões cafeeiras do Brasil

Brasileiros convidaram os compradores árabes para visitar as lavouras locais no próximo ano.

Senado aprova MP que aumenta a tributação sobre lucro dos bancos

Como houve mudança no texto, medida volta à apreciação da Câmara.

Abertura de empresas cresceu 17,9% em março

Segundo Serasa, comércio alavancou alta do índice; MEIs registram aumento e representam a maior parte das empresas criadas.

Receita libera consulta a segundo lote de restituição do IR

Lote será o maior da história em valor e em número de contribuintes.