O que o apagão da comunicação digital nos ensina

Por Clóvis Teixeira Filho.

Assim como já havia acontecido em 2019, desta vez o apagão nas mídias digitais, conduzidas pelo Facebook Inc., foi de aproximadamente sete horas. A pane mundial do Instagram, WhatsApp e Facebook influenciou a perda comercial nas mais variadas empresas. Acionistas do Facebook observaram a queda de 5% nas ações na Nasdaq, além do impacto na receita da empresa pela falta de operação durante o período.

Mais do que a dificuldade de contatos ou a queda de faturamento empresarial, o apagão deixou evidente a nossa dependência em uma única companhia, no momento que a digitalização faz parte do cotidiano das pessoas. O panorama não é diferente em outras regiões do planeta, em que empresas chinesas demonstram a polarização global também nas tecnologias de comunicação e, principalmente, no acesso aos dados pessoais de bilhões de cidadãos e consumidores.

A pesquisadora neerlandesa José Van Dijck, no livro The Culture of Connectivity (2013), aponta a centralização de dados em poucas empresas e os riscos desses oligopólios com a ampliação de recursos e a influência global. As plataformas digitais, neste aspecto, materializam valores por meio do planejamento das suas funcionalidades e formas de atuação, raramente transparentes. No entanto, as estruturas sociais estão cada vez mais atreladas a esses serviços centralizados e privados, sem o devido acesso público e sem uma discussão aberta.

Na tentativa de reparar essas ações anticoncorrenciais, a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos tenta exigir legalmente a venda de ativos do Facebook, incluindo o Instagram e o WhatsApp. As recentes revelações da ex-funcionária Frances Haugen somam-se a este questionamento. Ela afirma ganhos deliberados da empresa com desinformação e discurso de ódio.

Nos últimos anos, medidas mais rígidas foram implementadas, como o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados, na União Europeia, e a Lei Geral de Proteção de Dados, no Brasil. Contraditoriamente, acreditamos tanto na eficiência das grandes empresas que rejeitamos acusá-las quando instabilidades acontecem. Mas é preciso aprofundar as relações de poder que as informações das mídias sociais possibilitam: das transações financeiras às decisões eleitorais. Proliferam-se casos nos últimos anos de vazamento ou uso indevido de dados.

A solução, ironicamente, parece vir do próprio Facebook, que utilizou o Twitter para comunicar a inconstância do serviço e sua solução. Os usuários, ao contrário da visão de uso passivo das tecnologias de comunicação, migraram rapidamente para o Telegram, ligações, avisos nos sites e recursos alternativos.

Portanto, assim como não aceitamos um único banco para todas as trocas financeiras, ou uma única empresa de alimentos, multiplicar e descentralizar as opções de mídias sociais é uma decisão urgente para diminuir a dependência pública e o poder de poucas organizações privadas.

Nessa perspectiva, o autor e pesquisador bielorusso Evgeny Morozov (Big Tech: A ascensão dos dados e a morte da política) aponta os riscos da centralização de informações nas chamadas “big techs”, grandes corporações de tecnologia, e propõe a ampliação de meios para ascensão de empresas regionais.

A resposta, portanto, não recai apenas aos usuários. É preciso ampliar as regulações comerciais e suas implementações, além da concorrência e da priorização da segurança de cidadãos e consumidores. Na proposição de mídias sociais, o país tem histórico. Afinal, tanto o Facebook quanto o Instagram contaram com brasileiros em suas concepções. Que venham incentivos para tecnologias de comunicação com benefícios públicos por vias criativas e mais transparentes.

 

Clóvis Teixeira Filho é doutorando em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo e coordenador de Pós-Graduação na Área de Comunicação do Centro Universitário Internacional Uninter.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Eleitores brasileiros

Por Paulo Metri.

A beleza estonteante de Vera Fischer, aos 70 anos

Por Paulo Alonso.

Últimas Notícias

Contração seguida do PIB configura recessão técnica

A quinta-feira foi marcada pela repercussão dos dados divulgados sobre o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos...

Renova Energia fecha negócio da Brasil PCH

A Renova Energia, em recuperação judicial, concluiu nesta quinta-feira a venda de sua posição majoritária na Brasil PCH, sociedade que reúne 13 usinas de...

ANP aprova novas regras para firmas inspetoras de combustíveis

A Diretoria da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quinta-feira (02) a resolução que revisa os requisitos necessários para...

Dia de alta para Petrobras e Braskem

A quinta-feira foi um dia de propensão a risco. “Tivemos uma alta bastante expressiva de alguns papéis na bolsa como Petrobras e Braskem. A...

B3 faz leilão do Fundo de Investimentos da Amazônia

Dia 16 de dezembro, a B3 realizará o leilão de valores mobiliários integrantes da carteira de ações do Fundo de Investimentos da Amazônia (Finam),...