O que pode impactar o mercado hoje?

Mercados monitoram medidas de estímulo e aguardam reunião da Opep+

Opinião do Analista / 10:54 - 8 de abr de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Ibovespa fechou em alta de 3% ontem, aos 76.358 pontos, ainda refletindo a desaceleração do crescimento de casos de coronavírus na Europa e nenhuma morte registrada na China desde janeiro.

Nesta manhã, entretanto, mercados globais operam sem direção definida. Nos EUA, futuros do S&P 500 seguem de lado, enquanto o mercado interpreta notícias de que o senado americano talvez não aprove quarta rodada de estímulos antes de maio. Além disso, epidemiologistas e agências de inteligência dos EUA confirmam suspeitas de que autoridades chinesas ocultaram notificação de infecções.

Na Europa, Bolsas caem 1,4%, após autoridades monetárias da União Europeia falharem em chegar a um acordo sobre estímulos econômicos nesta madrugada. Enquanto isso, na Ásia, Bolsas tiveram fechamento misto; China -0,5%, Hong Kong -1,2%, e Japão +2,1%.

Os preços de petróleo operam em leve alta nesta manhã, com o Brent subindo 0,7%, aos US$32,06/barril. O mercado monitora com atenção se o grupo de países da Opep+ (Opep e aliados como a Rússia) decidirá realizar cortes de produção de forma coordenada em sua videoconferência agendada para amanhã (09/04).

No Brasil, a MP assinada pelo presidente Jair Bolsonaro na noite de ontem extinguiu o PIS-Pasep, mas determinou que o patrimônio acumulado nas contas individuais dos participantes do fundo fica preservado e deve ser transferido, em 31 de maio, para ampliar a liquidez do FGTS. Para enfrentar os efeitos do coronavírus sobre a economia, a MP também autorizou que, de 15 de junho a 31 de dezembro, seja liberado o saque de até R$ 1.045 por trabalhador.

Também como parte do enfrentamento aos efeitos do coronavírus, o governo iniciou ontem a operação para fazer o auxílio de R$ 600 chegar a 54 milhões de pessoas. Já no primeiro dia do programa, 18,3 milhões de pedidos chegaram à Caixa Econômica Federal. A dúvida agora é se haverá dinheiro o suficiente para atender a todas as solicitações, ainda que o secretário-executivo do Ministério da Cidadania, Antonio Barreto, tenha negado a possibilidade de que faltem recursos para este fim.

Na política, deputados tentam chegar a entendimento para votar hoje um plano de socorro aos estados para o período de calamidade. O texto deve substituir o Plano Mansueto, que previa alterações mais estruturais e não chegou ao consenso necessário para a votação.

Em empresas, publicamos um relatório dando sequência à série de relatórios sobre os impactos da crise no setor de varejo, mostramos as tendências mais recentes no Brasil e no mundo por meio de dados disponibilizados ao longo das últimas semanas. Neste relatório nós mostramos três principais tendências do setor, ilustradas por meio de dados do Brasil, Reino Unido e China. Por fim, reiteramos a nossa preferência relativa por três nomes dentro da nossa cobertura de varejo: Magalu (MGLU3), Vivara (VIVA3) e Grupo Pão de Açúcar (PCAR3).

Por fim, no setor elétrico, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu ontem adiar a implantação de três reajustes tarifários por três meses em função do cenário atual de pandemia. Para compensar os efeitos econômicos da medida, as empresas podem deixar de recolher parte de um encargo setorial pelo mesmo período, e recompor a diferença posteriormente em parcelas. Apesar de ser aproximadamente neutra do ponto de vista econômico, acreditamos em uma reação negativa do setor de distribuição de energia na Bolsa hoje devido à aversão ao risco do ponto de vista regulatório.

.

XP Investimentos

www.xpi.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor