O ralo continua aberto

O Ministério do Planejamento confirmou, quarta-feira, o que esta coluna já adiantara: o pouco de recuperação da economia brasileira que vivenciamos se deve à adoção de políticas heterodoxas, por mais que isso envergonhe os ortodoxos encastelados no governo. Foi a liberação do FGTS, que contribuirá com 0,61 ponto percentual ao PIB, que impedirá (talvez) que o país sofra com um terceiro ano de recessão – embora uma alta de 0,3% não signifique um alívio. Também ajuda a movimentação da economia o déficit primário, que os ortodoxos tanto combatem.

Mas a injeção desse dinheiro é insuficiente, por si só, para recuperar a economia. Não só por falta de estratégia, mas porque o grande ralo que esteriliza os gastos públicos continua aberto. O resultado nominal do setor público consolidado, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, foi deficitário em R$ 51,1 bilhões em junho. No ano, o deficit nominal totalizou R$ 241,8 bilhões (foram R$ 197,1 bilhões no mesmo período de 2016). No acumulado em 12 meses, o deficit nominal – o que realmente conta em qualquer país – alcançou R$ 607,5 bilhões (equivalente a 9,50% do PIB). Tirando os R$ 167 bi do déficit primário em 12 meses, temos R$ 440 bilhões fluindo para o papelório. Não há como fazer mágica.

 

As ditaduras da ‘Folha’

A partir da edição do último sábado, a Folha de S.Paulo passou a designar o regime de Nicolás Maduro na Venezuela como ditadura. “De acordo com o Manual de Redação, o termo se aplica à ‘dominação de uma sociedade por meio de um governo autoritário exercido por uma pessoa ou grupo, com representação e supressão ou restrição de liberdades individuais’.”

E como a mesma Folha trata, por exemplo, a ditadura saudita? “Ah, mas é uma monarquia”, diria o jornalão paulista. Bem, para o site InfoEscola, “monarquia é o nome dado ao regime político comandado por um monarca (rei, imperador, príncipe etc.) que exerce de modo hereditário e vitalício, sem qualquer consulta ao povo”.

O que diz o Santander Trade especificamente sobre a monarquia saudita: “O rei é ao mesmo tempo o chefe do Estado e do governo. A monarquia é hereditária. O Conselho de Ministros (gabinete) é nomeado pelo monarca e é constituído por vários membros da família real. O Conselho de Ministros executa, ao mesmo tempo, os poderes legislativos e executivos, sujeitos à aprovação do rei.”

E continua: “Não há legislatura eleita na Arábia Saudita (…) A população da Arábia Saudita tem seus direitos políticos limitados (…) Nenhum partido político é permitido na Arábia Saudita.”

Deve haver uma diferença entre esta definição e a da Folha para o regime de Maduro, mas é invisível a olho nu. Mais leal seria esclarecer a seus leitores que o jornal trata de forma diferente os governos de países dos quais discorda ideologicamente.

 

Global

Após trabalhar durante 29 anos na Arthur Andersen, empresa de auditoria e impostos, e sair para fundar a Branco Consultores, em 2001, o tributarista Rubens Branco acaba de selar um acordo de cooperação com a Andersen Global para atender clientes em 23 países, além de Brasil. Entre esses países, Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Chile, México, Egito, Bahamas, dentre outros.

 

Rápidas

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, cumpre agenda de candidato (ao governo estadual) e participa do painel “Desafios para o Brasil: a agenda de reformas e a segurança pública no Rio de Janeiro” nesta sexta-feira, às 9h30, no Centro Cultural FGV, em Botafogo, Rio de Janeiro. A abertura do evento será realizada pelo presidente da Fundação, professor Carlos Ivan Simonsen Leal *** A Uerj recebe apoio de parlamentares, do meio acadêmico e da população fluminense no evento #SuperaRioUerj, nesta segunda-feira, no campus do Maracanã, a partir das 16h *** O Caxias Beer Festival chega à quarta edição, desta vez no Caxias Shopping (RJ). Será neste final de semana, para os pais comemorarem seu dia em grande estilo. Além de caminhões com cerveja e comida, haverá shows com bandas tocando pop, rock nacional e MPB *** A segunda edição do Beer Truck Festival no Recreio Shopping (RJ) também será neste final de semana, das 17h às 22h *** Pai, pelo visto, gosta de cerveja *** O diretor-geral da Facha, professor Paulo Alonso, convida para a palestra Reforma Trabalhista, a ser proferida pelo ministro Alexandre Belmonte, do Tribunal Superior do Trabalho, dia 21, às 19h, no Auditório Barbosa Lima Sobrinho, em Botafogo, quando o ministro receberá o título de professor visitante.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.