O rebaixamento do crédito dos EUA pode ter um impacto terrível

124
Bandeira dos EUA na embaixada em Moscou
Bandeira dos EUA na embaixada em Moscou (Foto: Evgeny Sinitsyn/Ag. Xinhua)

Por Matthew Rusling, Xinhua

Washington (Xinhua) — Com uma importante empresa de classificação alertando para um rebaixamento da nota de crédito dos EUA, os impactos podem ser a perda da confiança internacional nos Estados Unidos como parceiro financeiro e um aumento da carga sobre os contribuintes, disseram especialistas.

A Fitch, importante empresa de classificação de crédito, alertou os Estados Unidos de que corre o risco de um rebaixamento do crédito, devido à possibilidade de os legisladores não conseguirem fechar um acordo sobre o limite da dívida do país em meio a lutas partidárias.

A Fitch colocou os Estados Unidos em “rating watch negativo”, alertando para um rebaixamento da classificação AAA da libra esterlina se o Congresso não aprovar um acordo para aumentar o limite da dívida.

Espaço Publicitáriocnseg

A arrogância em relação ao teto da dívida, o fracasso das autoridades dos EUA em enfrentar de forma significativa os desafios fiscais de médio prazo que levarão ao aumento dos déficits orçamentários e a um crescente fardo da dívida sinalizam riscos negativos para a capacidade de crédito dos EUA”, disse a Fitch em comunicado na quarta-feira.

A Fitch ainda espera uma resolução para o limite da dívida antes da data X. No entanto, acreditamos que os riscos aumentaram de que o limite da dívida não será aumentado ou suspenso antes da data X”, disse o comunicado, referindo-se ao default de 1º de junho. prazo mantido pela secretária do Tesouro, Janet Yellen.

O confronto dos EUA sobre o teto da dívida corre o risco de um rebaixamento da agência de classificação, especialmente se o Congresso não aumentar o teto da dívida até o início de junho”, Desmond Lachman, membro sênior do American Enterprise Institute e ex-funcionário do International Fundo Monetário, disse à Xinhua.

A consequência de um rebaixamento seria aumentar o custo dos empréstimos do governo dos EUA no mercado de capitais, disse Lachman. “Isso teria consequências para o contribuinte dos EUA”, disse ele.

A Fitch é uma das três grandes agências de classificação de crédito, sendo as outras a Standard and Poor’s (S&P) e a Moody’s.

O alerta da Fitch é “certamente muito simbólico e, de certa forma, pode forçar a Moody’s a seguir o exemplo”, disse Vishnu Varathan, chefe de economia e estratégia do Mizuho Bank Ltd. em Cingapura, segundo a Bloomberg.

Em 2011, a última vez que houve um grande confronto do teto da dívida dos EUA, a S&P removeu pela primeira vez a classificação AAA que os Estados Unidos mantinham por 70 anos, rebaixando a dívida do governo dos EUA para AA+.

A incerteza sobre as negociações do teto da dívida dos EUA já elevou os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA com vencimento no início de junho acima de 7 por cento na quarta-feira, refletindo a aversão ao risco dos investidores a títulos com vencimento próximo à data esperada de inadimplência.

As ações dos EUA ampliaram as perdas na quarta-feira, à medida que o impasse do teto da dívida continuava, aumentando as preocupações de um calote catastrófico dos EUA.

Os investidores estão preocupados e os mercados de ações estão em baixa, enquanto os ativos seguros estão em alta, disse Kenny Fisher, analista sênior de mercado da OANDA, fornecedora de serviços de negociação online de vários ativos.

Alguns especialistas disseram que ambos os lados do corredor do Congresso podem sentir a dor da desaprovação pública se houver um rebaixamento de crédito.

Um rebaixamento de crédito prejudicaria democratas e republicanos devido à incapacidade das duas partes de negociar um acordo”, disse à Xinhua o membro sênior da Brookings Institution, Darrell West.

A realidade é que ambos são responsáveis e o público provavelmente culpará ambas as partes”, disse West.

West acrescentou que um rebaixamento do crédito seria terrível para o país. “Isso sinalizaria uma perda de confiabilidade e um medo de que os Estados Unidos não sejam um parceiro financeiro confiável.”

Clay Ramsay, pesquisador associado sênior do Centro de Estudos Internacionais e de Segurança da Universidade de Maryland, disse à Xinhua que acha que o risco de “inadimplência” é de cinquenta por cento.

Yellen reafirmou na quarta-feira o início de junho como um prazo de inadimplência do teto da dívida, observando que o Tesouro e o presidente Joe Biden enfrentarão “escolhas muito difíceis” se o Congresso não agir para aumentar o teto da dívida, já que Washington fica sem dinheiro para pagar juros sobre títulos do governo, salários de funcionários do governo e empreiteiros federais.

Uma declaração do Departamento do Tesouro disse que o anúncio da Fitch “ressalta a necessidade de uma rápida ação bipartidária do Congresso para aumentar ou suspender o limite da dívida e evitar uma crise fabricada para nossa economia”.

A Casa Branca disse que o alerta de Fitch “reforça a necessidade de o Congresso aprovar rapidamente um acordo bipartidário razoável para evitar a inadimplência”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui