27.6 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

O reúso da água

Embora o Brasil tenha grande disponibilidade hídrica, a distribuição de água não é igual em todo o território. De fato, nem todos os locais dispõem de recursos hídricos suficientes para os usos consuntivos, seja por uma grande demanda em face da concentração populacional, seja por eventos climáticos como a diminuição ou falta das águas das chuvas nos leitos dos rios, o que demanda uma infraestrutura hídrica adequada para seu aproveitamento e conservação.

O uso consuntivo se dá quando a água é consumida, parcial ou totalmente, não retornando ao corpo d’água de que foi retirada, como o abastecimento urbano e rural, o abastecimento animal e para indústria, termelétricas, irrigação, além da evaporação líquida de reservatórios artificiais.

Em meio ao cenário atual que compreende a água como um bem ambiental finito e dotado de valor econômico, e diante das recentes crises hídricas em mananciais de abastecimento como enfrentadas pelas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, a cultura de abundância hídrica vem cedendo a novas formas de gestão. Nesse ponto se coloca a questão do reúso da água.

A questão merece séria reflexão pois, a partir da década de 1970, houve forte decréscimo da população rural com o respectivo aumento da população urbana, o que exigiu uma mudança nos sistemas de abastecimento e no padrão de consumo das famílias. Também os usos agropecuários demandam grande quantidade de água, sendo que a irrigação no Brasil corresponde a quase 70% da vazão consumida, segundo dados da Agência Nacional de Águas (ANA), havendo, a cada ano, grande aumento das áreas irrigadas.

Nesse panorama de aumento da demanda dos usos da água, deve-se destacar a importância do reúso da água num sistema de gestão eficaz, tema abordado por especialistas da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes) durante seminário no final de novembro. A temática foi desenvolvida em diversos painéis acessíveis no YouTube. Foi ressaltada a demanda pelo reúso especialmente em áreas de escassez hídrica, a logística necessária e a eficácia, em tese, do programa de reúso como instrumento de gestão. Também, a importância do reúso mesmo em grandes regiões metropolitanas que vem sofrendo por escassez de água, muitas vezes resultante da pressão populacional aliada a baixa vazão dos rios e de sua capacidade para o despejo de efluentes. Foi ainda salientado que as exigências ambientais para as estações de tratamento estão cada vez mais restritivas, exigindo que as outorgas estejam integradas ao saneamento, o que significa que, em vez de gerar efluentes deve-se pensar em produzir água para reúso.

Especialistas da Abes explicaram que existem tecnologias para produção de água para reúso, com aplicabilidade na irrigação, nas indústrias, na lavagem de ruas e veículos públicos dentre outros, mas que as iniciativas em nível governamental dependem de um maior engajamento da população e dos gestores públicos. Dependem também de uma base legal aliada às peculiaridades locais, a uma economia circular, a projetos de cidades sustentáveis, ao uso racional da água e à educação ambiental.

De fato, cidades inteligentes necessitam de tecnologias sofisticadas voltadas para o futuro que ajudem a prevenir e ultrapassar períodos de escassez hídrica que já se anunciam com certa frequência no Brasil até em locais que detinham certa fartura há poucos anos atrás. Por isso é necessário não só atuar contra as causas que levam à escassez de água especialmente o seu uso inadequado, o desperdício, a poluição dos rios e mares com o despejo de esgoto e lixo in natura além dos dejetos agroindustriais. É necessária uma consciência coletiva voltada para o desenvolvimento sustentável que compreenda o abastecimento pleno e isonômico das cidades e campos, com o máximo reaproveitamento desse imprescindível recurso ambiental essencial à qualidade de vida de todos.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Artigos Relacionados

A Década do Oceano

Seremos capazes de salvar o mar que nos cerca?.

Meio ambiente e solidariedade intergeracional

Diálogos tendem para uma corrida das nações para zero emissões em 2050.

Acordo de Paris completa cinco anos

Brasil não parece estar preocupado com o compromisso assumido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.