O Rio de Janeiro e a crise da água

Por Bayard do Coutto Boiteux.

O Rio de Janeiro vive mais uma crise: desta feita relacionada com a água. Há quase um mês, ela tem chegado turva e com cheiro e gosto fortes, ocasionando preocupação e mal estar, agravados pela falta de informação mais objetiva das autoridades.

É mais um capítulo da falta de atenção do Poder Público, nos últimos anos com as obras necessárias para a implementação de uma rede de esgotos capaz de reduzir os impactos, cada vez maiores, do despejo “in natura” de esgoto proveniente de residências/indústrias no Guandu, sem o devido tratamento.

Empresas públicas que cuidam de áreas mais técnicas não podem ser negociadas pelo Governo, nos momentos de negociações politicas, com o desmonte de uma estrutura existente formada por especialistas , que em última instância dominam a informação conceitual necessária. Não me venham com teorias de conspiração, de sabotagem pois sinceramente não trazem solução para o problema e acabam tirando o foco da real situação, que deve ser a criação urgente de um programa municipal de tratamento do esgoto, com verbas estaduais e federais, sem ficar empurrando com a barriga de quem é a atribuição para uma resposta real.

O grande desafio está não só nas obras, mas no monitoramento contínuo e sobretudo supervisão da operação para que se possa evitar um colapso real a médio prazo.

Como sempre, as atividades econômicas do Estado que dependem da água, como o turismo ficam prejudicadas com matérias sendo veiculadas em mais de 85 veículos nacionais e internacionais sobre a crise e o início de introdução de informações nos travel advisories, que indicam em informes produzidos por países estrangeiros para seus nacionais sobre destinos turísticos. O que mais me incomoda é a falta de monitoramento de tais veiculações e esclarecimentos ou respostas. Volto a sugerir a criação de um serviço no âmbito das entidades turísticas do estado e do município, que possam acompanhar o que acontece e responder com transparência e informações reais.

Não adiante investimentos em escritórios no exterior, sem orçamento real para tal mas sobretudo sem uma estrutura que funcione o ano inteiro levantando tudo que sai de positivo e negativo e tentando fazer um trabalho de esclarecimento, inclusive com turistas que já estão aqui. Precisamos com tantos problemas que acontecem por aqui, buscar com urgência uma ação de respostas rápidas, que podem também receber ajuda de nossas embaixadas e consulados.

A crise da água é mais um momento de reflexão para políticas públicas reais e não soluções paliativas para acalmar as pessoas…

Bayard Do Coutto Boiteux

Professor universitário e escritor, é vice-presidente-executivo da Associação dos Embaixadores de Turismo e superintendente do Instituto Preservale. (www.bayardboiteux.com.br)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

O rabo que ficou de fora

Por Felipe Quintas e Pedro Augusto Pinho.

Últimas Notícias

Queiroga ficará em quarentena em NY

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não volta por enquanto ao Brasil. O motivo não foi o gesto obsceno que fez com o dedo,...

Startup de inteligência artificial terá acesso ao hub de dados da B3

A 4KST, fintech de inteligência artificial, com foco em eficiência financeira, e a B3 anunciaram nesta terça-feira um acordo com foco em compartilhamento e...

BNDES: R$ 166 milhões para linhas de transmissão da Energisa Tocantins

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 166 milhões para a Energisa Tocantins Transmissora de Energia (Grupo Energisa),...

UE tenta expandir oportunidades no oeste da China

Nos primeiros oito meses de 2021, o volume comercial entre a China e a União Europeia (UE) aumentou 32,4% ano a ano. O volume...

Deputados querem venda direta de etanol aos postos

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia, realizada nesta terça-feira, deputados defenderam a aprovação da Medida Provisória 1063/21, que autoriza produtores e...